NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 16 de Outubro de 2011
SANTARÉM - O estado do Estado Social... Eu produzo, tu comes.

Opinião

 

Por: Sara Jofre

 

Dizem os diversos governantes que as pessoas têm de criar mais, produzir mais e saber viver com aquilo que produzem. Em teoria, tudo isto é muito bonito e verdadeiro, a questão é que por muito que se produza nunca vivemos com o que deveria ser nosso por direito. Quanto mais produzimos, mais pagamos. Se o meu ordenado ou a minha produção aumentam, aumentam também, imediatamente, a prestação que pago à Segurança Social e o imposto sobre o meu rendimento, e o meu crescimento económico e a melhoria da minha vida é-me impossibilitada simplesmente porque eu decidi trabalhar mais. E entramos num problema muito difícil de resolver.

 

Existem gorduras do Estado e toda a gente fala em eliminá-las. Mas ninguém está muito preocupado em pensar, exactamente, quais são aquelas gorduras que nos obrigam a pagar tantos impostos. Se é verdade que os governantes têm demasiadas regalias e não deviam e, se fossem honestos e dessem o exemplo deveriam acabar com elas, também é verdade que essas regalias são insignificantes a nível de despesa geral. Não é por deixarmos de ter 230 deputados e passarmos para os 180 que a nossa despesa vai diminuir por aí além... é uma gota num oceano. Depois é verdade que existem as fundações, que ninguém sabe exactamente quantas são, e que levam uma boa porção de dinheiros públicos, mas também é verdade que desde Setembro se anda a cortar nas mesmas e a fundir umas com outras num trabalho que, com certeza, levará largos meses a terminar. Depois existem os ordenados milionários dos gestores públicos com os quais ninguém concorda... e esses já vão ser cortados também. E, mais uma vez, isso não é suficiente.

 

E, mesmo assim, a despesa continua alta e as “gorduras” do Estado são imensas. Porque além daquelas que a nós não nos interessa e por isso exigimos que se corte, existem as outras.

 

Assim quando falamos em gorduras do Estado estamos também a falar de gorduras que são o ordenado de alguém. Existem cerca de 700.000 funcionários públicos e, todos eles, representam uma gordura. Se exigimos o corte nas gorduras do Estado depois não podemos revoltar-nos quando o Primeiro-Ministro corta também nos ordenados destes funcionários e nos subsídios que os mesmos recebem. Mas há mais. Há muito mais e a grande porção da gordura do estado vem daquilo a que chamamos “Estado Social”. E aqui a porca torce o rabo. Porque ao mesmo tempo que defendemos e exigimos o “Estado Social”, ao mesmo tempo que acusamos os governos de quererem acabar com o “Estado Social”, também exigimos que não nos aumentem os impostos e as prestações sociais e também acusamos, os mesmos governos, de nos roubarem com esses aumentos. Ora não se pode ter tudo. Quem pensam que é o “Estado Social”? De onde pensam que vem o dinheiro do “Estado Social”? Vem de todos nós. Tem de vir de todos nós porque não nasce nas árvores. Se queremos ter saúde pública ou convencemos os médicos, enfermeiros e demais funcionários a trabalhar de graça ou alguém tem de lhes pagar os ordenados, mais as infra-estruturas, equipamento médico e medicamentos. Se queremos ter escolas públicas gratuitas, ou convencemos os professores, auxiliares de educação e demais funcionários a trabalhar de graça ou alguém tem de lhes pagar ordenados, mais as infra-estruturas e material escolar. O mesmo com a polícia, com as águas, com a luz, com os comboios, com... Não queremos nada privatizado, mas também não queremos pagar nada. Fazemos cartazes com palavras de ordem que afirmam “público é de todos, privado é só de alguns”, a questão é que o que é de todos, todos têm de pagar, o que é de alguns pagam alguns, aqueles que quiserem utilizar o serviço e, se der prejuízo, os nossos impostos não aumentam por causa disso. Depois temos os subsídios. Ninguém quer pensar em perder o emprego e ir para a rua de mãos a abanar. Todos queremos ter direito a um subsídio de desemprego o maior tempo possível e no maior valor possível... ora quem pensam que os paga? E as pensões? E os rendimentos mínimos de inserção? E as pensões por invalidez? Tudo isso tem de ser pago por alguém. Esse alguém somos nós. Não se pode ter tudo, ou abdicamos de alguns direitos adquiridos e ficamos com uma carga fiscal inferior ou, para termos direitos temos de os pagar...

 

Na minha opinião o Estado Social peca por ser solidário indiscriminadamente e tornar a sociedade mais injusta. Se não existisse Estado Social, ou se o mesmo não fosse tão grande, as pessoas viam-se forçadas a serem solidárias e, em vez de andarmos todos a pagar tanto à Segurança Social para que esta distribua os nossos dinheiros por quem pensa que precisa, dando a quem precisa e a quem não quer trabalhar, seria melhor se fossemos nós a decidir a quem o dávamos, se fossemos solidários e ajudássemos quem, realmente, precisa. O Estado Social acabou com o espírito de solidariedade das pessoas porque não só nos descartámos da responsabilidade social, nos deixámos de preocupar com o “vizinho” que passa dificuldades, colocando tudo nas “costas” do Estado, exigindo e refilando por nos levarem tanto dinheiro ao fim do mês, como, mesmo que quiséssemos, o Estado tira-nos tanto, para dar a quem precisa e a quem não quer trabalhar, que ficamos sem ter o que dar a quem sabemos precisar.



publicado por Noticias do Ribatejo às 21:05
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Eu estou aqui...

O tempo carrega em si a s...

TAGUS promove acções de v...

Câmara de Azambuja aprovo...

Ministro da Educação inau...

Concerto Solidário de ...

Estudo europeu alerta: Po...

Campanha “Calendário Soli...

Apresentação do Livro "O ...

Cinco Dias Seis Artistas/...

arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds