NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Sexta-feira, 9 de Março de 2012
SANTARÉM: O escândalo das contrapartidas
Declaração Política Deputado António Filipe (foto) Sessão Plenária de 08/03/2012 Contrapartidas da LPM Senhora Presidente, Senhores Deputados, Na última década o país fez um avultado investimento em equipamentos militares. Alguns de inestimável utilidade, como os helicópteros de busca e salvamento ou os navios patrulha oceânicos, outros de prioridade contestável e contestada, como os submarinos ou os blindados do Exército, outros de manifesta inutilidade, como os caças F-16 que nunca saíram dos caixotes. Seja como for, a Lei de Programação Militar proposta e aprovada em 2003 pelo Ministro Paulo Portas inscreveu um investimento de 5340 milhões de euros de equipamentos militares, verbas que, todos reconhecerão, ficavam muito, muito, acima das nossas possibilidades. Os compromissos então assumidos na Lei de Programação Militar, alguns deles em contratos de leasing gravemente onerosos, como é o caso dos submarinos, representam uma factura muito pesada a pagar em duas décadas pelo povo português, ao ponto de, na situação de crise financeira em que nos encontramos, todas as verbas disponíveis da Lei de Programação Militar sejam gastas no cumprimento dos compromissos financeiros então assumidos. No entanto, o país teria muito a beneficiar com tais aquisições porque existiriam fantásticas contrapartidas para a economia nacional. As empresas multinacionais norte-americanas e europeias que nos forneceriam aviões, submarinos, helicópteros, viaturas blindadas e outros equipamentos, obrigavam-se a prestar ao Estado Português um conjunto de acções contratualmente determinadas – as contrapartidas – susceptíveis de produzir efeitos positivos relevantes na economia portuguesa, que contabilizados, deveriam perfazer um montante não inferior ao montante da aquisição. Um montante que o Presidente da Comissão de Contrapartidas de então, Pedro Brandão Rodrigues, qualificava, em reunião da Comissão de Defesa Nacional, como equivalente ao Quadro Comunitário de Apoio. Pois bem: passados quase 10 anos, 3 Governos e 3 Comissões de Contrapartidas, a diferença entre as contrapartidas prometidas e contratualizadas e as contrapartidas efectivamente realizadas é francamente desolador, ou para ser mais claro, catastrófico. O último relatório elaborado pela extinta Comissão Permanente de Contrapartidas, relativo a 2010, é muito elucidativo. Senão vejamos: • Helicópteros EH-101: Contrapartidas aprovadas em Março de 2005 no montante de 403 milhões de euros. Incluía 34 projectos. 20 nunca arrancaram. Até ao final de 2010 estavam cumpridas 29,8 %, no montante de 100, 5 milhões de euros. Em caso de incumprimento, as penalidades deveriam ter sido accionadas em Setembro de 2011. Foram accionadas? Que se saiba, não! • Submarinos: Contrapartidas no valor de 1.210 milhões de euros. Contrato assinado em Outubro de 2004 para um período de 8 anos. Seis anos passados, 19 dos 39 projectos não tiveram qualquer movimento. O grau de cumprimento foi da ordem dos 31,55 %, ou seja, 381,92 milhões de euros. O processo complicou-se com graves diferendos na aplicação dos contratos, com crimes de burla qualificada e falsificação de documentos. Quadros da empresa alemã foram condenados por crimes de corrupção cometidos neste processo, na Alemanha, já que em Portugal, nem corruptos, nem contrapartidas. A empresa alemã recusa-se reiteradamente a cumprir as suas obrigações e a indemnização fixada contratualmente para o Estado Português em caso de incumprimento é de 10% do valor contratado. Como é evidente: o incumprimento compensa e outros crimes, até prova em contrário, também compensam. • Viaturas blindadas de rodas: Contrato assinado em 2005 para um período de 9 anos. Montante: 516 milhões de euros. Cumpridos 11,4 %, no montante de 58,8 milhões de euros. O contrato com a empresa alemã Steyr, entretanto adquirida pela Norte-Americana General Dinamics, incluía o fabrico das viaturas em Portugal pela Fabrequipa, e a transferência de tecnologia que permitisse a esta empresa nacional fabricar idênticas viaturas para outros mercados. Nada se concretizou e o diferendo instalou-se entre o consórcio e a empresa nacional, cuja viabilidade futura está seriamente comprometida por esse incumprimento. O que faz entretanto o Governo? Que se saiba, nada! • Aquisição de torpedos: valor das contrapartidas, 46,5 milhões de euros pelo período de 9 anos. Dos 9 projectos apenas avançaram 3. Os outros 6, não avançaram nem têm perspectivas de avançar. Esperava-se uma definição no primeiro semestre de 2011. Até hoje, que se saiba, nada! • Modernização dos F-16: Contrapartidas no valor de 174,9 milhões de euros, assumidas em Fevereiro de 2006. Foi o único contrato integralmente cumprido, com grande benefício para a OGMA. • Aviões C-295: Contrapartidas no valor de 460 milhões de euros. Contrato assinado em 2006 para um período de 7 anos. O grau de cumprimento é de 0,9%, no montante de 4,12 milhões de euros. Esperava-se uma evolução para o primeiro semestre de 2011. Aconteceu alguma coisa? Que se saiba, nada! • Modernização dos aviões P3 Orion: Assinado em Setembro de 2007, no montante de 99,7 milhões de euros. Cumpridos 29,9% no montante de 29,8 milhões de euros. • Aquisição de targeting pods para os F-16: Contrato assinado em Novembro de 2008, no valor de 32 milhões de euros. Cumprimento até hoje: Zero. Resumindo e concluindo: de contrapartidas no valor global de 3021 milhões de euros, foram cumpridos contratos no valor de 799 milhões, o que corresponde a 26,4% do contratado. As empresas que nos venderam centenas de milhões de euros de equipamentos militares que os portugueses estão a pagar com os sacrifícios que sabemos, lesaram o Estado Português em mais de 2200 milhões de euros de promessas contratualmente assumidas, que não cumpriram. O Estado Português celebrou contratos que não salvaguardam minimamente a sua posição e tem-se revelado incapaz de fazer cumprir os contratos que assinou. Quanto ao actual Governo, resolveu o problema de uma forma radical: extinguiu a Comissão de Contrapartidas; passou a gestão das contrapartidas do Ministério da Defesa para o Ministério da Economia; o Ministro da Economia, questionado sobre as contrapartidas, nem sequer sabe do que se trata; e o Ministro Paulo Portas, responsável pela maior parte destes contratos, passeia a diplomacia económica pelo mundo em voos tão altos que já nem consegue ver os problemas de quem vive cá em baixo. Senhora Presidente, Senhores Deputados, Não é suportável que o nosso país esteja a ser lesado em mais de 2.000 milhões de euros e que o Governo manifeste perante este escândalo a mais absoluta indiferença. O Governo tem de explicar ao país o que está a fazer, e o que tenciona fazer, para recuperar as contrapartidas que nos foram prometidas e para accionar os incumpridores e os portugueses não podem deixar de tirar ilacções acerca dos Governos e dos governantes que, por acção e por omissão, conduziram a esta situação inconcebível. O que exigimos de imediato é que, extinta que foi a Comissão de Contrapartidas, o Governo informe esta Assembleia, com rigor, acerca da situação actual das contrapartidas e das diligências que estão a ser feitas para garantir o seu cumprimento. É o mínimo que se exige desde já, em nome da mais elementar decência e de um mínimo de respeito para com os portugueses.
publicado em quinta-feira, 8 de Março de 2012 22:09


publicado por Noticias do Ribatejo às 07:28
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Eu estou aqui...

O tempo carrega em si a s...

TAGUS promove acções de v...

Câmara de Azambuja aprovo...

Ministro da Educação inau...

Concerto Solidário de ...

Estudo europeu alerta: Po...

Campanha “Calendário Soli...

Apresentação do Livro "O ...

Cinco Dias Seis Artistas/...

arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds