NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 16 de Abril de 2017
A Maria

FLORBELA.png

Por: Florbela Gil

 

Maria, uma mulata de quarenta anos, voz muito fininha, era engraçada na sua maneira de falar.

Em relação á sua raça, não gostava que lhe chamassem de "preta'.
 
E eu sei isso por causa de uma conversa que ela me contou.
 
Um dia, veio começar a sua aula condução, mas vinha muito zangada. Perguntei-lhe, - Por que está tão zangada?
 
Maria respondeu: - "passei agora por uma obra, e estavam lá a trabalhar, uns pretos. Disseram que eu era uma pretinha muito bonita e assobiaram-me. Não gostei nada menina Florbela, eu não sou preta, sou mulata!  Também respondi logo - seu preto dum........!
Pretos são vocês, que são da cor do carvão, eu sou mulata! 
 
Bem, fartei-me de rir, com o ar de zangada dela a contar-me o sucedido.
 
Maria, era uma senhora com muita dificuldade em aprender, cheguei a ter dias de perder a paciência, chamava-lhe muita vez a atenção sempre pelas mesmas coisas.
 
Mas insistia sempre, que se não desse aulas comigo, não dava com mais ninguém.
 
Às vezes tirava-me do sério! Mandava-a, para direita, ia para esquerda, se mandava para esquerda, ia para direita, mandava-a travar, ligava o pisca. Uma outra vez, mandei-a pôr o cinto, ela responde,-" tou bem obrigado".
 
Na minha profissão, é preciso gostar do que fazemos, e ter uma paciência de santo.
 
Tanto lutei por ela, lá a consegui levar a exame condução. Mais uma vez ,Maria, nos fez rir, com a sua voz e descontração.
 
Durante o exame, o sr examinador, mandou-a fazer uma inversão do sentido marcha. Ela lá começou, às tantas, o carro estava atravessado na estrada, ia para frente, para traz, e não saia do mesmo sitio.
 
O sr, ainda esperou um pouco e disse que ela tinha que se despachar a fazer a manobra.
 
Responde a Maria,  - " Espere um bocadinho, que eu sei fazer a manobra, a menina Florbela ensinou-me, eu é que agora não lembro".
 
Todos rimos. Claro que Maria, já não conseguiu tirar dali o carro.
Reprovou. 
 
Voltou as aulas comigo, mas cada vez mais despercebida, eu dizia uma coisa, ela responde outra. 
 
Mandei-a ir ao médico dos ouvidos. 
Ela foi.
 
Uma semana mais tarde vem dar aula. Perguntei-lhe como tinha corrido a consulta. Respondeu," - menina Florbela, obrigado, já a estou a ouvir bem, muito bem, graças a si. O sr doutor, disse que eu tinha os ouvidos todos entupidos, e fez lavagem. Agora já ouço tudo. 
 
Realmente, houve melhorias  na aprendizagem a partir dai, com muita paciência, muita insistência, muitas aulas, Maria tirou a carta. 
 
Mais tarde apareceu na escola á minha procura, para eu ver o carrinho que tinha comprado, e para me dar uma escultura em madeira, característica de África para me lembrar dela. O que não era preciso, pois Maria ficou na história da minha vida profissional.  
São estas coisas, e outras mais que me dão força e alegria na minha profissão.  Beijinho grande aos meus leitores.

 

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:05
link do post | comentar | favorito
|

CONHEÇO-TE BEM

MARINAMALTEZ.png

 Por: Marina Maltez

 

CONHEÇO-TE BEM

 

“Gosto da maldade humana. Lembra-me que existe bondade.” Se um estranho ouvir isto pensará que és altruísta, benévolo, compreensivo, generoso até. Irá imaginar a dimensão da tua hipotética bondade e a tua capacidade de perdão. Talvez até a invejem e pensem “Sim, eu gostava de ser assim, bondoso, sábio e ser capaz de perdoar”.

Consigo visualizar as caras embevecidas diante deste teu discurso e os likes numa qualquer rede social (que apenas te afagam o ego e reforçam o orgulho). Mas essas caras não te conhecem como eu. Não sabem de cor a medida da tua maldade. Não te conhecem a carne de lobo escondida nessa capa de cordeiro que te levou décadas a tecer cuidadosamente, pensada ao mais ínfimo pormenor. Capaz de vergar sábios e encantar corações sedentos de amor.

Esses rostos que te admiram não sabem como eu como a tua língua é puro veneno, é faca afiada capaz de destruir esses mesmos corações que te veneram. Esses rostos que te vêm como mestre não sabem como eu como a tua maldade já cegou, enlouqueceu, rasgou almas que em ti confiaram, como as tuas atitudes se tornam tão mesquinhas ao ponto de deixares um rasto de destruição em silêncio, com medo do que ainda possas fazer.

O diabo sabe muito não por ser diabo, mas por ser velho. E a tua já considerável existência permitiu-te um acumular de frases feitas, de argumentos, de teorias, de comportamentos meticulosos que te dão essa aura de grandeza. Verniz… verniz sem categoria que só se mantém por ser retocado permanentemente.

Ai de quem está ao teu redor. Não sabe que por detrás de cada elogio está a maldade do predador que apenas quer envolver mais uma vítima na sua teia fatal. Não sabem que por trás de cada abraço está venenosa punhalada.

Acreditam na tua bondade… mas não…não te conhecem como eu. Eu vi-te e por te ver tentaste destruir-me. O teu crime só era perfeito sem testemunhas e eu…eu era a versão que ninguém poderia ouvir.

Simplesmente não dizes o meu nome, evitas perguntas inconvenientes ou então contas mais uma historieta de como uma mulher te causou mágoa. Não tens coragem para assumir a tua essência nojenta, mas tão nojenta que até o ventre materno te rejeitava. Vá…escolhe a tua melhor roupa (escolhe bem a marca, tu que detestas gente pobre), coloca perfume (daquele forte numa tentativa vá de camuflar o cheiro de mentira e destruição que vem desse corpo), escolhe as palavras e treina os gestos. Serás Homem capaz de dizer: “Tirei-lhe tudo. Obriguei-a a deixar tudo, família, amigos e a viver apenas para mim, de acordo com as minhas regras, pois só assim seria Mulher.”. Coloca agora aquele ar superior de sábio e mestre (cita um ou dois autores de um livro qualquer de auto-ajuda que suportam as tuas terapias da treta ou então ilustra tudo com um episódio de herói vivido por ti, e que de cada vez que é contado muda de cenário e até de personagens) e continua: “Prometi-lhe o mundo. Mas deixei-a na rua, sem nada. Abandonei-a no leito onde a doença a consumia porque na verdade sou apenas uma espécie de homem, vivo de paixões efémeras, primaveris.

Mas sabes a verdade? A única verdade? É que o Tempo não perdoa. A idade passa rapidamente por nós. Enche-te dos teus luxos, pavoneia a tua fortuna, colecciona amantes que depois largas na rua da amargura ou encaminhas para um qualquer amigo teu tão imoral quanto tu. Aproveita agora que o teu corpo e mente ainda te obedecem. Não irá durar muito. E quando a noite cair… tu estarás sozinho. Velho. Gasto, consumido. Seco, ressequido. E o teu dinheiro não te irá valer na solidão que te fará perpétua companhia até a terra engolir contrafeita os teus restos. E nesse dia…quando o sol se erguer todas as tuas vítimas irão respirar de alívio. E aqueles que hoje te bajulam terão mil e uma histórias para contar do amigo velho com manias de novo e fanfarrão.

E eu… bem eu não te vou guardar mágoa alguma. Isso seria dar-te uma importância que não tens. Eu estarei no meu mundo, aquele que recuperei, acordarei rodeada de quem me ama e com prazer irei saborear um delicioso galão e pão com manteiga. Sim, adoro a minha pobreza. Nela me revejo e sou feliz! E sei que quando Deus me chamar e o meu corpo voltar à Terra… ela me reconhecerá como parte de si e me estenderá os braços num abraço maternal!

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | comentar | favorito
|

CRÓNICA SEMANAL: Realidades…

ANA GRACIOSA.jpg

Por: Ana Graciosa

 

Realidades…

 

Quando era menina e moça, tinha um amor daqueles que ardia no coração, que arrepiava o corpo todo, desde o dedo mindinho do pé, até à ponta dos fios do cabelo e que me deixava com uma sensação de fraqueza nos membros inferiores, só pela emoção sentida. Adorava gritar ao mundo esse amor, de ouvir e receber as mais bonitas declarações desse amor, de fazer juras e promessas até que a morte nos separasse, de andar de mãos dadas e às cavalitas sem medo de recriminações, da ansiedade de voltar a estar novamente juntos, a vontade de sentir aqueles lábios colados aos meus, num beijo demorado e tão intenso que parecia parar o tempo, de sentir os braços ao meu redor e sentir que era aquele o meu porto de abrigo, de olhar nos olhos e saber o que se pensa sem proferir palavras, de ouvir aquela voz amada e ficar maravilhada, como se de uma melodia se tratasse, de dar e receber, sentir aquelas borboletas todas em alvoroço e não conseguir pará-las ou enxotá-las…

Como conseguimos ser tão inocentes e acreditar no amor eterno ou no "até que a morte nos separe"?

Hoje, mais experiente e colecionadora de algumas mágoas e cicatrizes, sei que tenho vindo a desaprender o que tinha aprendido até “ontem” mas… “amanhã” quero recomeçar a aprender.

Somos atropelados pela vida e tudo acontece muito rápido e mesmo não querendo, algumas lembranças antigas, vêm à tona como um furacão que não respeita absolutamente nada. A sensação de lidar com sentimentos contraditórios e o rebobinar de coisas que doem e trazem algum sofrimento, faz parte de uma viagem indigesta, que temos que abandonar de vez, assim como as “tralhas” de outrora, e deixar que as lágrimas lavem e levem de uma vez por todas, as dores, as culpas e todos os medos sofridos.

Por isso, digo não ao amor e sim ao vamos fazê-lo, sem juras ou promessas, sem títulos ou rótulos. Hoje, mais resiliente, quero algo mais tranquilo, sem complicações e somente sentir a sensação de fidelidade sem obrigação, porque os tombos não me limitaram a capacidade de amar ou sonhar, até porque  insisto sempre em acompanhá-los, até  que se concretizem ou não.

Sou Feliz, mas quero ser bem mais, daí procurar alcançar todos os dias, o amanhã que é hoje.

Quero ainda aquele abraço de outrora, o beijo apetecido, a cumplicidade no olhar, o carinho e a dedicação de quem nos faz sentir bem, o dar e receber, sentir aquele toque no cabelo ou um mimo a meio da noite e… se com tudo isto, virar amor, aí sim! Tranquilamente aceitamos o que de bom nos pode trazer, independentemente de qualquer rótulo ou situação, simplesmente pelo facto de se estar junto, feliz, de se gostar ou amar e do querer entregarmo-nos sem medos…

Quem nasceu com uma sensibilidade exacerbada, sabe o quão difícil é suportar algumas coisas. Já matei alguns sentimentos em legitima defesa e, fiquei ilibada de me confessar e ciente que não me matam a mim…

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 07:56
link do post | comentar | favorito
|

A janela

ANAFONSECA.jpeg

Por: Ana Fonseca da Luz

 

A janela



A minha casa tem uma única janela.
Não preciso de mais...
Dela consigo ver o nascer e o pôr-do-sol.
Lá longe, um campo de trigo enfeitado de papoilas, anunciando mais uma Primavera,
apesar de tudo…
Uma ou duas laranjeiras em flor, andorinhas apressadas a fazerem os ninhos, dois gatos vadios que todos os dias miam à minha janela, anunciando-me que têm fome e que só podem contar comigo e um pequeno riacho, que corre manso, saltando as pedras com uma ligeireza quase felina, ladeado de silvas, que dão as mais doces amoras que alguma vez provei.
Perante esta grandiosidade, onde reina a mais pura das simplicidades, reparo o quanto sou pequena e não consigo deixar de me alegrar com o facto de realmente ter consciência de que nada sou.
Resolvi dar um nome à minha janela.
Chamei-lhe ”a janela da saudade” e sempre que a tristeza me escorre pelos olhos, quando me digo que sou infeliz, sem qualquer razão palpável, corro à minha janela”à janela da saudade”, encho a minha alma com toda aquela beleza simples que os meus olhos enxergam e preencho o coração com todas as boas lembranças de que é feita a minha vida.
A minha casa tem uma única janela.
Não preciso de mais…

 

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 07:55
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13


23

28
29
30
31


posts recentes

Manuela Marques é a Vice...

TAGUS tem 1,5 milhões par...

Festival MUUU de regresso...

Autarquia dá nova sede ao...

Santarém acolhe durante 2...

Aproveite o que Santarém ...

Rali Vila Medieval de Our...

II Colóquio da Ribeira de...

CARTAXO ENTREGOU HOJE A R...

ESCOLA SECUNDÁRIA DO ENTR...

arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds