NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 4 de Junho de 2017
Cartas ao meu filho

FLORBELA

Por: Florbela Gil

 

 

Quantas mães não escreveram já para os seus filhos, versos, poemas?

 
Eu escrevo,, mesmo não sendo poeta, sou mãe, com um coração enorme cheia de orgulho de ter dois filhos lindos, de olhos grandes castanhos claros, amendoados.
 
A todas as mães, peço: "  Não abandoneis os vossos filhos. "
 
A todos os filhos, peço: " Não abandoneis as vossas mães."
 
Adoro-vos meus filhos por todo o carinho que me dão, sem eu pedir. Ouvir sair da vossa boca, ainda pequeninos, um deles: - "mãezinha estás tão bonita.
 
Esta frase do meu mais velho, tinha 4 anos hoje tem 27, ainda me diz o mesmo. O outro, tinha uns 5 anos, hoje tem 13, sai-se com esta conversa. Estava eu sentada no sofá, a chorar, sim porque as mães choram muitas vezes, por muitas razões.
Chega-se ao meu lado, senta-se, e diz-me: Tás a chorar mãezinha? Porquê? 
 
Respondi: - porque tou triste.
 
Diz-me ele: - queres que te conte uma anedota?
 
É claro, que no meio de tanta tristeza tive que me rir.
 
Cada um à sua maneira, que mãe não fica vaidosa quando um filho a elogia?  Que mãe não fica com o coração mais cheio  quando um filho tenta à sua maneira, tirar a tristeza.?
Pois é eu ouvi!
 
Por isso fique eternecida, não só pelas palavras como pelo gesto lindo que as acompanhava, no primeiro, agarrou-se às minhas pernas, o segundo com as duas mãos uma de cada lado na minha cara, me beijou na ponta do nariz, e fez  festas na minha cara, gez para mim uma careta para me rir.... E contou a sua anedota.
 
Obrigada meus filhos lindos, a vossa mãe Adoro-vos.


publicado por Noticias do Ribatejo às 15:14
link do post | comentar | favorito
|

A linguagem da imaginação

ANA GRACIOSA

 Por: Ana Graciosa

 

 

A linguagem da imaginação.

 

Na solidão de um amplo descampado,  penso em ti e sei que tu também pensas em mim.

Somos a encomenda perfeita um do outro, sem remetente e data para entrega.

És a minha pedra Rubra, gato causador dos meus melhores sorrisos, o meu sonho real, o melhor e o maior antidoto para todos os males. Apesar de geograficamente separados, sei que te tenho sempre a meu lado e a tua presença, acalma a tempestade do meu ser.

Mas… Quando fecho os olhos, sinto o teu feitiço sobre mim… (empezábamos a hablar… momento tan dulce y mágico...enamorados el uno del otro... pero siempre deseándonos y... ) e embriago-me em pensamentos e no instinto que fica à tona.

Somos os actores principais de um filme realizado por ti. Um filme fácil de representar e imaginar, onde a magia do sexto sentido, das palavras e do mundo imaginário, percorrem e excitam nossos corpos sem que seja preciso tocar, as artérias palpitam, o coração acelera e a fonte de calor produzida, tornasse completamente involuntária e comandada somente pela nossa mente. Somos atingidos por intensas e deliciosas explosões de adrenalina de um guião improvisado. Os diversos cenários, não mudam uma vírgula no contexto cinéfilo e nas milhares sensações de prazer acumulado, que nos deixam embriagados, até nos conduzirem ao esquecimento dos nossos actos.

O caminho que se trilha dentro da inventividade criativa, é aquele lugar onde se encontram segredos e histórias, onde se constroem vidas verdadeiras ou fictícias, com esperanças e outras tantas coisas mais, onde se estimula a realidade dos sonhos e da sua concretização na vida real.



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | comentar | favorito
|

Cartas ao meu filho

FLORBELA

Por: Florbela Gil

 

 

Quantas mães não escreveram já para os seus filhos, versos, poemas?

 
Eu escrevo,, mesmo não sendo poeta, sou mãe, com um coração enorme cheia de orgulho de ter dois filhos lindos, de olhos grandes castanhos claros, amendoados.
 
A todas as mães, peço: "  Não abandoneis os vossos filhos. "
 
A todos os filhos, peço: " Não abandoneis as vossas mães."
 
Adoro-vos meus filhos por todo o carinho que me dão, sem eu pedir. Ouvir sair da vossa boca, ainda pequeninos, um deles: - "mãezinha estás tão bonita.
 
Esta frase do meu mais velho, tinha 4 anos hoje tem 27, ainda me diz o mesmo. O outro, tinha uns 5 anos, hoje tem 13, sai-se com esta conversa. Estava eu sentada no sofá, a chorar, sim porque as mães choram muitas vezes, por muitas razões.
Chega-se ao meu lado, senta-se, e diz-me: Tás a chorar mãezinha? Porquê? 
 
Respondi: - porque tou triste.
 
Diz-me ele: - queres que te conte uma anedota?
 
É claro, que no meio de tanta tristeza tive que me rir.
 
Cada um à sua maneira, que mãe não fica vaidosa quando um filho a elogia?  Que mãe não fica com o coração mais cheio  quando um filho tenta à sua maneira, tirar a tristeza.?
Pois é eu ouvi!
 
Por isso fique eternecida, não só pelas palavras como pelo gesto lindo que as acompanhava, no primeiro, agarrou-se às minhas pernas, o segundo com as duas mãos uma de cada lado na minha cara, me beijou na ponta do nariz, e fez  festas na minha cara, gez para mim uma careta para me rir.... E contou a sua anedota.
 
Obrigada meus filhos lindos, a vossa mãe Adoro-vos.


publicado por Noticias do Ribatejo às 07:59
link do post | comentar | favorito
|

Os chinelos de quarto

ANAFONSECA

 

Por: Ana Fonseca da Luz

 

 

Os chinelos de quarto

 

Levanto-me da cama num salto. Levanto-me ainda a dormir, ou talvez não. Cheira-me a torradas e a terra molhada. Enfio os chinelos que, por acaso, são horríveis. Até os meus pés se ressentem de tanta fealdade! Os olhos então!…
Não acendo a luz. Já sei o teu quarto de cor, tal como sei os teus olhos. Numa fracção de segundos, consigo ver se estás bem ou mal-humorado. Basta-me olhar-te nos olhos. Até parece que te conheço! Mas não! Nunca ninguém conhece ninguém.
Olho-me no espelho, porque já entra alguma claridade no quarto, e quase me assusto com o que vejo. Bolas! Aquela sou eu? Eu! Ontem, quando me deitei, estava tão bem! Mas hoje… consigo estar pior que os chinelos! É por isso que não gosto de dormir. Qual sono de beleza qual gaita! Se tivesse coragem, pedia-lhe para tirar dali o espelho. Há dias em que ele me detesta. Hoje é um desses dias. Conserto o cabelo num gesto maquinal e passo as mãos suavemente pela cara, à espera de um milagre. Nada!
O choque da minha imagem reflectida no espelho fez com que acordasse. Estes chinelos são realmente feios! Abro a janela e, tal como o meu nariz me tinha avisado…lá está ela, a chuva. Bolas! Detesto chuva. Mas aquele cheiro consegue ser melhor que o das torradas!…
Saio finalmente do quarto. Na casa de banho, outro espelho ingrato lembra-me que estou quase com cinquenta anos. Passo a escova no cabelo, lavo os dentes e ajeito o pijama azul. Ainda bem que o pijama é teu e, como me está grande, me tapa os chinelos. Não quero que os vejas. Para mal-encarada basto eu! As mulheres deviam acordar sempre maquilhadas e penteadas, como nos filmes e nas telenovelas, em que elas acordam sempre frescas e maravilhosas e eles com aquela barba podre de sexy!… Mas pronto, estou melhorzinha.
O teu cão abana o rabo. Parece que me conhece. Então não é que o raio do cão é giro!… Cheira-me os chinelos, tenta mesmo mordê-los. Está visto que o teu cão, além de ser giro, como tu, aliás, também não gosta dos meus chinelos.
Chego finalmente à cozinha, a puxar por uma perna, porque o malvado do cão não me larga o chinelo. Estás de costas. As torradas estão sobre a mesa, forradinhas com manteiga e o café cheira melhor que a terra molhada lá fora. Despreocupada, a minha roupa repousa nas costas da cadeira, junto com a tua. Viras-te e é nesse momento que compreendo por que é que, sempre que posso, passo a noite contigo.
- Bom-dia! Estás linda! Como é que consegues acordar sempre com esse ar de quem tem apenas quinze anos?!
Esqueço as torradas, o café, o cheiro da terra molhada e até os malvados dos chinelos. Beijamo-nos, como se fôssemos duas estrelas de cinema!… 

«In A Rua das Magnólia»

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 07:55
link do post | comentar | favorito
|

BONECA DE TRAPOS

MARINAMALTEZ

Por: Marina Maltez

 

 

BONECA DE TRAPOS

 

Toda a vida lhe deram bonecas de porcelana. Daquelas que tinham vestidos de seda e rede e lindos cabelos louros de caracóis maravilhosos que quase lhe faziam inveja.

Cada boneca parecia uma princesa, pronta para um daqueles bailes de gala em palácios com cortinados de veludo e tapetes que parecem ser feitos de algodão doce.

Tinha talvez sete ou oito bonecas. Mas não podia brincar com elas. Era o que a mãe dizia de cada vez que a via tocar nem que fosse ao de leve numa apenas.

Anos mais tarde viu um filme que lhe fez lembrar exactamente o que sentira nessa sua idade de criança: “Charlie e a Fábrica de Chocolate”. Pobre Charlie… uma dentição perfeita, impecável (regras e mais regras impostas pelo Pai) mas à custa de nunca ter provado sequer um doce, chegar à idade adulta sem saber qual era o sabor do chocolate.

A menina  sentia o mesmo: de que me adianta darem-me estas bonecas se não posso brincar com elas? Mudar as roupas! Trocar os chapéus! Fazer penteados! Iam ficar ainda mais bonitas! Como num desfile de moda, daqueles da televisão. E ela até pensava: “Se não fosse tão magra e tão sem graça talvez um dia aparecesse na televisão com roupas assim coloridas e bonitas, como as das minhas bonecas…”. Mas rapidamente o sonho parava e voltava à realidade. A mãe tinha voltado a discutir com o pai e a culpa era dela. Nunca entendeu a razão pela qual os pais discutiam: o pai saia, a mãe ficava a chorar e ela fechava-se na biblioteca. Tinha 10 anos quando leu Homero e divertiu-se mais que a brincar com as bonecas de pele pálida e gelada.

Sem Título

Aos 11 anos e num Natal daqueles à moda antiga em que fazia frio e chovia e até se ia apanhar o pinheiro de Natal (e depois chegava-se a casa como herói cheio de lama e golpes dos picos dos pinheiros), pensou que lhe iam dar um filme. Daqueles que pareciam um livro de 600 páginas. Talvez o “Indiano Jones” que ela gostava de aventuras e sobretudo de história. Mas quando tirou o laço e rasgou o papel… diante de si um objecto vermelho de letras douradas… “Os Maias”.

Uma semana mais tarde nem deu pelas doze badaladas que anunciavam um novo ano. Estava a terminar de ler “O Monte dos Vendavais”. E quase 30 anos depois…ainda chora quando passa esse filme…

Nunca ninguém lhe perguntou o que realmente gostaria de receber. Pelo que teve bicicleta das quais caia, panos e lençóis para o enxoval quando nem queria casar. E um dia já mãe… e sim a sua princesa tinha nome, mas ela sempre lhe chamou ternamente “Bonequinha de Trapos”, “Minha Bonequinha de Trapos” porque no seu mundo de criança e de adulta não havia nada mais acolhedor, mais terno, mais encantador, mais mágico que uma linda boneca de trapos, daqueles que dá vontade de agarrar e não largar nunca mais…

Hoje a filha é adolescente. Não deve gostar muito desta expressão, mas quando a tristeza bate à porta e nem pede licença para entrar… bem… não há nada como uma sopa quente e ser a bonequinha de trapos da mãe…

 

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 07:50
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

CARTAXO COM DIA PRÓPRIO N...

Um músico que nasceu no p...

Forcados Amadores de Azam...

Temporada da Música - Pet...

Aproveite o que Santarém ...

COMEMORAÇÕES DO DIA MUNDI...

Tomaram posse os novos ór...

PROGRAMA DA FEIRA DE TODO...

NOVOS AUTARCAS TOMAM POSS...

Tradição e doçaria de Abr...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds