NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 6 de Agosto de 2017
VENCEDOR

FLORBELA

Por: Florbela Gil

 

 

Na minha profissão, além de ensinar, também vou aprendendo, com o que vou escutando, e conversando, com os jovens de hoje. 

 
Muitos, falam dos seus sonhos, dos projectos a longo e a curto prazo, tirar a carta, é uma etapa da vida, para a vida toda. 
 
Uns tiram por gosto, outros por necessidade, para poderem arranjar trabalho, outros porque dá jeito, enfim, muitas e as mais variadas opções.
 
Esta, situação, que vos vou contar, foi, real, e recente. Um jovem com , 20 anos, chamado de (Daniel), nome fictício, ia fazer o exame de código. Levei-o no carro para fazer o exame. Daniel, estava muito nervoso, afinal, estava em jogo, muitas noites, muitas horas investidas, a treinar testes, para este dia tão esperado. Falou pouco pelo caminho, eu é que ia metendo conversa com ele, para o distrair da sua ansiedade.
 
Chegamos, ao parque exames. O jovem, tremia todo, por mais que eu o tentasse acalmar, nada ajudava. Na sala de espera, chamaram pelo seu nome, Daniel, deu-me um beijo na cara e disse-me, " deseje-me boa sorte!". Respondi, " vai lá meu filho faz o melhor que souberes, dentro do que aprendes-tes." 
 
Daniel, entrou para a sala de exames. 
 
Cá fora, na sala de espera, esperava eu, nervosa por ele, que podia ser meu filho. Quase uma hora depois, saiu, com um papel na mão, sem saber se tinha passado ou não, dirigiu-se a mim todo nervoso, com lágrimas de aflição, estampadas no rosto. Pedi-lhe o papel, e claro, que o esforço compensa. Disse-lhe, -" passas-tes". 
 
Bem aquele rosto de aflição, iluminou-se, como uma nuvem que destapa o sol.
 
Foi lindo de ver, de sentir o seu abraço, dizendo, obrigado por tudo Florbela, você, é uma mãe para mim, e uma excelente professora, dizia isto a chorar. 
 
De regresso, vínhamos os dois contentes, e, ai começou a contar a verdadeira história de vida dele. Disse-me,"- Florbela, se a minha mãe fosse viva ia ficar muito feliz." Para grande espanto meu que não sabia.
"Eu fiquei sem pai, aos cinco anos, lembro-me que ele era muito meu amigo, uma doença grave o levou no espaço de dois meses. Ninguém esperava uma coisa assim tão derrepente. A minha família era pouca,  e todos viviam longe, o tempo e a longitude dos familiares fez o afastamento, de muitos que eu nem conhecia. 
Assim fiquei só com a minha mãe, que me foi criando com muita dificuldade, para não me faltar nada, para eu continuar a estudar.
 
Sozinha a trabalhar, para pagar renda, a comida e os gastos todos duma casa, não era fácil, e eu tinha noção disso. 
 
Mas o pior estava para me acontecer, a minha mãe, ficou doente também. 
 
Internada, no hospital, os médicos disseram-me que ela estava muito doente, e que pouco podiam fazer. Como eu era menor, com quase dezasseis anos e meio, pediram para ir para casa de algum familiar
Eu disse que sim, ainda tive em casa duma prima, mas eu queria era estar na minha casa.
Até porque eu tinha um gatinho, e a prima não gostava de gatos. Fui para minha casa. 
 
Passaram-se alguns meses, a mãe piorou, vindo a falecer. A minha mãe e eu éramos muito apegados, todos os dias depois das aulas ia vê-la. Agora já não a ia ver mais.  
 
Não quis abandonar a minha casa, paguei o funeral, com o dinheiro que a minha mãe me deixou, pouco sobrou. 
 
Com esse pouco, fui pagando a renda, a água, luz, poupava na comida o que podia....até que acabou de vez o dinheiro, foi ai que comecei a vender algumas coisas de casa para comprar comida, e para pagar a renda, para não ser despejado, água, já não tinha, os meus amigos deixavam-me tomar banho na casa deles. Uns sabendo das dificuldades que tinha, davam-me comida, uns carne, outros leite, massa, arroz, pão. Muita vez guardava pão duro, algum já a ganhar bolor, para dar ao meu gato que nunca ne abandonou. Tirava comida da minha boca para o gato não ter fome.
 
Nesse ano os estudos foram abaixo, procurava algum trabalho para me ir sustentando. Fazia uns biscates a pessoas idosas. Tipo pinturas de portões, limpar ervas dos quintais, tudo o que pudesse  para ganhar para comer. Já quase com dezoito anos encontrei uma rapariga, oito anos mais velha que eu, ajudou-me muito, levantou a minha auto-estima, por quem me apaixonei, e ela também.
 
Ajudou-me muito, arranjei trabalho a tempo inteiro, juntei dinheiro, para tirar a carta, e agora aqui tou, com metade feito."
 
Bem, eu ia a conduzir, até reduzi o andamento, porque queria ouvir tudo o que aquele coração de ouro me estava a contar.
 
Ainda me disse, que nunca se meteu nas drogas, nem no álcool, apesar de ter passado tanto na vida.
 
Daí o orgulho dele de ter passado, porque era uma coisa que queria ter, mas faltava o resto. 
 
Dois meses mais tarde, fez exame prático, também passou.
 
Mais um grande abraço, muitas lágrimas de alegria, muitos beijinhos, ele me deu.
 
Que vitória tão merecida, que, coração lindo, tinha, e tem este jovem
Ainda se pensa que nos dias de hoje, isto não existe, mas existe.
 
Este jovem é um exemplo para muitos que têm tudo na vida, os pais dão tudo, pagam a carta os estudos, e os resultados nem sempre são os melhores. Também existe o contrário claro.
 
Lições de vida, que também me deixam orgulhosa por ter pessoas que me confiam, as suas alegrias, e tristezas.


publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | comentar | favorito
|

Peixinho do meu Mar!

ANAGRACIOSA

Por: Ana Graciosa

 

 

Peixinho do meu Mar!

Amar-te-ei em todas as estações do ano,

Hoje… amanhã… depois… eternamente  e… mais um dia.

Espero o dia que queiras voltar a viver…

E não precisem mais de ti,

Porque eu preciso e quero-te muito…

Espero o dia em que as saudades já quase te consumiram e não aguentes mais… sem mim!

Escrevo-te e narro-te por palavras,

Já não te vejo como desejava,

Já não te oiço e não sinto o teu almejar,

E… Tem dias que já nada faz sentido…

Não me dói pela ausência ou pelo silêncio, mas sim por não lutares por ti.

Sei que és e serias  incapaz de me magoar, mas…  antes queria essa dor, que a dor que tenho, por te ver a sofrer e quase a desistires de ti…

Dói tanto! Tantoooo… mas tantoooo!

Não sei se por ti… Se por mim… Se por nós…

O vento sopra forte, sem que me consiga desalinhar um único cabelo,

O sol brilha e queima, mas é o frio que me domina,

Dizem que o céu está azul, mas é só cinza que eu vejo,

Que tonta fui!!! 

Cedi a um coração que começou a bater de novo…

Cedi a caprichos de quem quer, mas não tem coragem de lutar e nem sabe como há-de fazer…

Cedi a velhos fantasmas que não queria voltar a encontrar…

Porquê?

Porque acreditei…

Porque voltei a confiar nas pessoas… em ti!

Porque quando te despias de ti e vestias a pele de menino,

Esquecias todas as tormentas e conseguias ser feliz naqueles momentos…

Vestias uma pele corajosa e determinada, que por ínfimos momentos, te deixava ser tu mesmo,

Onde os teus olhos sorriam e o teu corpo reagia naturalmente,

Como se tivesses descoberto o pais das maravilhas



publicado por Noticias do Ribatejo às 07:58
link do post | comentar | favorito
|

AMIZADE

MARINAMALTEZ

Por: Marina Maltez

 

 

AMIZADE

 

“Acho que a base de uma relação é o respeito e a amizade. Porque a gente tem que se sentir bem para dizer para o outro o que sente, o que espera, o que deseja. Tem que ser amigo, parceiro, cúmplice.”

Clarisse Corrêa

 

                Procurar unir os conceitos de respeito e amizade parece banal, tarefa simples até. Mas a verdade é que talvez estejamos num momento histórico da humanidade em que os conceitos outrora cúmplices, são agora díspares, antagónicos.

                Vejamos: consideramos o respeito como algo que nos é devido. Um direito que temos: o de ser respeitados até quando nada fazemos para merecer esse respeito. Exemplo corriqueiro: entrar numa pastelaria e pedir um café sem a mínima simpatia, sem um “por favor”, sem sequer olhar para a cara daquela pessoa que nos tira o desejado café e claro já se inibe mesmo porque comportamento gera comportamento. O inverso também acontece, se entrarmos num espaço e nos questionem de forma arrogante “O que é que quer?” lá está, deixamos de querer seja o que for, a não ser sair daquele buraco de mau humor.

                Já a amizade mudou de estatuto. Agora há os conhecidos: aquelas pessoas que conhecemos, que sabemos que são louras ou morenas, baixas ou altas, magras ou gordas e depois existem os amigos, mais os seguidores de uma qualquer rede virtual. Esses sim são amigos. Pessoas com fotos trabalhadas até à exaustão, que perdem horas a publicar o que comem, vestem, bebem, onde vão, frases poéticas tiradas de um qualquer site de auto-ajuda e que colocam like em tudo quanto é postado. Ser amigo parece já não se aplicar às pessoas que fazem parte de um núcleo próximo, mas sim a dezenas de comunidades, grupos, amigos de um qualquer electrodoméstico ou de trocas e vendas. Esses sim são amigos. Até porque nos dizem que sim a tudo, mesmo que o seu pensamento seja contrário, já que estão atrás de um ecrã e não têm efectivamente que lidar com o nosso temperamento.

                E nós portugueses (e falo apenas do meu povo pois foi nesta nação que nasci) somos mestres na arte de fazer e desfazer amizades. Num ápice alguém vai de besta a bestial a vice-versa. Exemplo? Dou dois só para reforçar. O ano passado o nosso seleccionador era severamente criticado e a nossa selecção era fortemente convidada a vir para casa. Mas o milagre fez-se e Fernando Santos voltou no dia que sempre prometera e como campeão. Não muito depois este país volta a fazer história ao ganhar o Festival da eurovisão pela primeira vez. Foi um azar. O rapaz tinha tiques estranhos, vestia-se mal, tinha um cabelo pavoroso, tinha uma canção de embalar, uma besta nos milhares de comentários que findaram com a vitória esmagadora do bestial que afinal tinha voz de anjo e elevou-a bem alto! Os inimigos públicos de ambos os casos calaram-se e alguns até se tornaram fãs. A amizade é assim: linha ténue que quebra mas depois dá-se um nó e faz de conta que está tudo bem….mas se partirmos uma jarra…mesmo colada ela será sempre e apenas uma jarra partida e colada.

                Sou apaixonada pelos autores clássicos, até porque no seu tempo não iam nem em modas nem ao sabor do vento como agora. Tinham palavra. Cícero resumia tudo de forma ímpar: “A amizade começa onde termina ou quando conclui o interesse”.

                E tantos séculos depois, na maioria dos casos é isso mesmo que acontece.

                Tenho poucos amigos, assumo, está nos genes. Amigo é alguém que não nos diz o que queremos ouvir, mas o que precisamos ouvir. Amigo não é aquele que manda SMS para saber se está tudo bem, aparece e olha-nos nos olhos, estende-nos os braços, dá-nos colo. Não olha apenas para o seu próprio umbigo e suga-nos a energia, a paciência numa avalanche de exigências em que acabamos por ser marionetas, incapazes de dizer um basta. Um não.

                Não. Os amigos não são aqueles que temos que levar ao colo, ou às costas sob pena de sacrifício pessoal, para que não fiquem magoados ou aborrecidos. Não. A amizade é uma relação e como tal implica respeito, tolerância, saber os limites do EU e do NÓS. E para se ser amigo não basta pedir, exigir, dar-se migalhas aqui e facadas acolá… não basta mandar corações e flores no face e destilar veneno numa mesa de café…para se ser amigo há que ser cúmplice. E isso….bem… quando eu descobrir a receita terei gosto de a partilhar!



publicado por Noticias do Ribatejo às 07:55
link do post | comentar | favorito
|

TEMAS DE SAÚDE: Reflexões básicas no desempenho desportivo

ANTONIETA

Por: Antonieta Dias (*)

 

Reflexões básicas no desempenho desportivo

 

Por vezes temos necessidade de desmistificar alguns conceitos que são explorados por situações de conveniência e /ou tentativa de incentivar práticas prejudicais à saúde desvirtuando a ciência medica.

Mas nem sempre os interesses estão focalizadas nos benefícios e por vezes incorre-se em comportamentos que funcionam mais em maleficio do que em bem estar.

Todavia, as regras impostas pelos interesses económicos não devem em circunstância alguma adulterar o que a evidência comprova.

Quando falamos na importância da prática desportiva deduz-se que será uma atividade para produzir bem-estar e melhorar a saúde individual, sem prejuízo da motivação para determinada modalidade desportiva.

Sendo um desejo de muitos, nem todos conseguem ter aptidão para o fazer quer se trate de atletas de alta competição ou de uma pratica regular de atividade de lazer.

Apesar de ter surgido um aumento significativo de desportistas na população em geral, os estudos demonstram que no Sul da Europa cerca de 50% das pessoas não praticam qualquer atividade física de forma regular.

Nestes países nos quais se inclui Portugal, Bulgária, Grécia, Itália e Roménia ainda estão muito aquém do esperado.

Constata-se a existência de uma sensibilidade maior nos países desenvolvidos que despertaram mais cedo para a necessidade de manter estilos de vida saudáveis, sendo o exercício físico um excelente contributo para a manutenção e promoção da saúde.

Por exemplo na Suécia e Finlândia a percentagem de praticantes desportivos  ronda os 85-95 por cento e nos Estados Unidos em 42 dos 51 estados 65 por cento da população não pratica qualquer modalidade desportiva.

Existe evidência científica  que demonstra a valorização da manutenção de uma atividade física regular no beneficio direto na saúde, sendo por isso uma prioridade  o investimento na cultura de uma  pratica acessível a quase todos um dos maiores incentivos a desenvolver em todos os paises.

Constata-se a existência de um melhor desempenho no rendimento escolar dos jovens atletas que modelam e dividem as suas atividades diárias entre estes duas obrigações ocupando de forma saudável os seus tempos livres sem prejudicar os estudos.

O impacto positivo destas competências irá gerar uma gestão mais competitiva dos jovens nas futuras atividades profissionais, permitindo-lhes  uma melhor distribuição dos seus atos de vida.

É de todo o interesse que se procurem soluções adaptáveis ao seculo XXI, com o investimento em politicas que adotem medidas e promovam incentivos para que se organizem programas de exercício físico que sejam viáveis e possam ser alargadas à população em geral.

A organização de empreendimentos inovadores e globais representam uma mais-valia e uma diminuição dos gastos em saúde.

Em suma, ter uma população saudável representa uma das maiores lideranças económicas de equipas multidisciplinares, cuja representação deve incluir os  decisores políticos que se interessam e  preocupam com o potencial  económico dos Países, com o rendimento global e satisfação pessoal e com o desenvolvimento da Nação.

(*)  Prof. Doutora  na Faculdade de Medicina do Porto

 

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 07:50
link do post | comentar | favorito
|

Olhos de saudade

ANAFONSECA

Por: Ana Fonseca da Luz 

 

Olhos de saudade



Não sei escrever o teu nome...
É como se uma borracha mágica tivesse passado pela minha vida e te tivesse apagado doce, mas dolorosamente.
Como se fizesses parte de um tempo, em que as coisas mais simples eram as mais belas e as que mais facilmente guardamos nessa caixinha, inconstante, que se chama, coração.
Mas se eram fáceis de guardar, não sei porque me esqueci delas...
Das letras que tão delicadamente escrevem o teu nome.
Talvez fosse porque assim o quiseste, talvez porque preferiste ser, eterno enigma, coisa indecifrável, que se quer com todas as nossas forças.
Vi-te passar, à minha porta, de olhos cautelosos de um castanho selvagem e fingi não te ver...
Como poderia eu dizer-te o que do meu coração transbordava, se já não sei escrever o teu nome?
Mesmo assim, sorriste-me e mandaste-me um beijo com a ponta dos dedos esguios e delicados.
Eu, pobre mortal, na ânsia de te responder e por não conseguir achar as letras que formam o teu nome, apanhei o beijo no ar e guardei-o, aconchegadinho, dentro do coração.
Mais tarde, quando te amei, num leito de flores que era só nosso, entre um beijo e um suspiro, pronunciei o teu nome, que era também meu e chamei-nos,

saudade...

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 07:39
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Nouvelle Vague em Torres ...

I TORNEIO DE PATINAGEM DE...

Orçamento Participativo 2...

Atendimento Jurista da DE...

Agrupamento de Escuteiros...

Maioria PS na Câmara Muni...

Tribunal de Contas aprova...

Órgãos Municipais do Conc...

Todos nós temos uma histó...

QUERER VIVER!

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds