NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 11 de Outubro de 2009
TORRES NOVAS-É cá das nossas!

Existem anúncios de televisão (ver vídeo) que permanecem na nossa memória durante anos, sem sabermos porquê, ainda que não sejamos clientes habituais do produto publicitado. É o caso da Aldeia Velha. Na geração que tem agora 35 anos ou mais, quem não se recorda do mítico 'É cá dos nossos, é cá dos nossos, Aldeia Velha para os nossos copos'? Apostamos que poucos. O anúncio, criado por João Rapazote Fernandes, entrou no nosso ouvido de tal forma que "já ninguém se lembra de outros anúncios à Aldeia Velha", sublinha José Salvação Barreto, responsável pela marca, actualmente distribuída pela Pernod-Ricard Portugal .De Riachos para o Bombarral. O seu impacto foi tal que, curiosamente, ainda hoje esta bagaceira é líder de mercado em Portugal, sendo também "exportada para 20 países, entre os quais Suíça, França, Bélgica, EUA ou mesmo Israel", garante. Por isso, uma "revolução na imagem da Aldeia Velha está fora de questão" e não há necessidade de publicitar a marca, pelo menos por enquanto.

Óptima para caipirinhas

Mas afinal de onde vem este líquido transparente com reflexos dourados e 40% de álcool que, sobretudo no Norte do país, é o primeiro mata-bicho de muito bom trabalhador? O processo começa em Riachos, Torres Novas, na destilaria de Zuzarte Reis, de 78 anos. É lá que chega a matéria-prima, o bagaço de uva (casca e semente da fruta), oriundo na maioria de cooperativas do Oeste, Ribatejo e Alentejo, que será destilado duas vezes antes de seguir para os armazéns de envelhecimento no Bombarral, onde deverá permanecer pelo menos um ano em cascos de carvalho. Depois da destilação e antes de entrar nos cascos, o bagaço tem de ir a laboratório para ser provado e aprovado. Curiosamente a responsável pelo controlo de qualidade tem apenas 29 anos e não se lembra de ver algum anúncio da marca na televisão. "Fazemos análises químicas, depois a prova e comparamos com o padrão que temos também numa garrafa. Faço provas de outro tipo de bebidas, mas da que gosto mais é da da Aldeia Velha", revela Mariana Gaspar, acrescentando que não entende a "opinião retrógrada acerca da bebida", até porque "é óptima para fazer caipirinhas", exemplifica.

É cá das nossas!
 
 

A maioria dos consumidores de bagaceira é do sexo masculino e a imagem da marca está muito associada a rudeza, virilidade/força, ao trabalho físico, à forte graduação alcoólica e a homens com formação académica muito básica, com idade compreendida entre os 40 e os 65 anos. Segundo Salvação Barreto, o produto é "consumido puro, prioritariamente após a refeição (almoço principalmente), com o café". A maioria dos clientes toma apenas uma dose por cada ocasião de consumo, mas alguns tomam-na também logo pela manhã, antes de iniciar o trabalho (o chamado mata-bicho), tendo contudo "parte significativa deste tipo de consumo matinal sido substituído por cerveja e uísque", admite.

Regras da UE

Com a adesão à União Europeia e a consequente harmonização de impostos, as categorias tradicionais perderam consumidores, que, pelo mesmo preço, passaram a consumir bebidas internacionais com imagem mais sofisticada e mais bem aceites socialmente, caso do uísque. A zona geográfica com maior incidência de consumo de bagaceira (cerca de 45% do total) é a Área 3 Norte (litoral de Coimbra a Valença do Minho, excluindo o Grande Porto), sendo que 85% do mesmo tem lugar em pequenos cafés e snack bars.Em Portugal, o mercado de bagaceira atinge anualmente cerca de 132.000 caixas de 9 litros, segundo informação prestada pelos maiores produtores ao "International Wines & Spirits Report", embora tenha caído nos últimos 10 anos a um ritmo anual de 6,6%. "A categoria é liderada pela marca Aldeia Velha, que vende no mercado interno aproximadamente 16.000 caixas (quota de 12,3%), seguida pela S. Domingos, com cerca de 10.000 caixas (quota de 7,5%). "O restante consumo está 'pulverizado' por dezenas de pequenas marcas com pouca expressão isolada", explica José Salvação Barreto.

 fonte: http://aeiou.expresso.pt



publicado por Noticias do Ribatejo às 15:46
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Dezembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

EM DEFESA DA SAÚDE NO DIS...

Nadadores Almeirinenses e...

Município de Azambuja atr...

20.500 visitantes na Avis...

No concelho há 2530 famíl...

Apresentação pública da “...

Grupo de Ajuda Mútua reún...

Nadadores da Viver Santar...

EXPORAINHA 2016 – 14ª Exp...

Santarém disponível para ...

arquivos

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

VISITANTES ONLINE (Colocado em 10-11-2015

contador de visitas para blog
subscrever feeds