NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Terça-feira, 19 de Janeiro de 2010
Almeirim: Já restam poucos criadores de botas ribatejanas

 

É em livros encadernados artesanalmente em pele que Simão Monsanto tira a medida aos pés dos clientes que fazem questão de pagar o conforto de umas botas feitas à medida em pele curtida de forma natural.

Almeirim concelho do distrito de Santarém, terra da lezíria de touros e toureiros, há muitos anos que “inventou” a o seu calçado próprio, a “bota ribatejana”  seja ela de trabalho, ou para montar a cavalo. Presentemente estão na moda, estas botas, feitas artesanalmente e muitos procuradas, mas já quase não há sapateiros artesãos que as façam. Na oficina que resiste numa travessa no centro de Almeirim, Simão Monsanto continua a fazer por medida as tradicionais botas ribatejanas, em diversos modelos e diversos tons.
“Fazemos a bota de salto de prateleira (preparada para levar esporas), muito tradicional, muito antiga na região, mas também de salto à espanhola, igualmente muito usada na zona”, disse à agência Lusa, mostrando os diversos tipos de botas expostas em prateleiras na divisão onde atende os clientes. Aí estão desde as “éguas”, uma bota baixa, com elásticos dos lados, “muito antiga, muito tradicional”, às botas de atar à frente ou aos vários tipos de botas para montar, que os cavaleiros e gente ligada aos cavalos lhe continuam a encomendar. Na outra divisão, António Fernandes, sapateiro há mais de 40 anos, cose à mão uma bota, já montada, à sola. “É tudo feito de forma artesanal, tudo feito à mão. Só as partes juntadas são cosidas à máquina pela minha esposa. Mesmo o contraforte fazemos questão de coser à mão, como se fazia há 60, 70 anos”, disse Simão Monsanto à Lusa.
“É uma bota feita com peles curtidas num sistema quase vegetal, sem produtos químicos, num curtimento quase artesanal. São peles de vitela que se dão muito ao pé e ficam sempre bonitas ao longo da vida. Quanto mais velha é mais bonita se torna”, assegurou.
 

Oito horas de trabalho

Actualmente não é fácil encontrar o tipo de pele com que Simão Monsanto e os que ainda resistem à invasão do produto industrializado (serão mais dois na região) querem trabalhar, havendo apenas “uma ou duas fábricas a curtir para este tipo de trabalho”, disse.
Depois de uma fase, nos anos 1980, em que as botas ribatejanas estiveram na moda, os clientes voltaram a ser as pessoas “ligadas ao campo, ao gado, aos cavalos, como cavaleiros e forcados”, disse, nomeando entre os seus clientes o forcado José Manuel Duarte e o cavaleiro tauromáquico João Moura. Com 60 anos, Simão Monsanto, que aprendeu o ofício, tinha então 12 anos, com Rogério Soares, “muito conhecido na região pelas botas que fazia”, acredita que ainda vai conseguir manter durante mais alguns anos uma actividade que, lamenta, poucos estão a aprender.
“São precisos pelo menos quatro ou cinco anos para aprender e hoje quem começa quer receber logo um salário. Sem apoios é difícil ensinar”, disse. Simão Monsanto nunca “mediu” o tempo que demora a fazer um par de botas, mas calcula que é preciso seguramente um dia.
“É toda feita à mão. Tem que se trabalhar com a sola molhada, que depois tem que enxaguar enquanto se pega noutra peça. Um prega a forma, o outro pode pontear, o outro palmilhar”, disse, referindo a ocupação das três pessoas que emprega, a que se juntam ele próprio, a sua mulher (que une as partes à máquina) e o filho, que se ocupa da participação em feiras e exposições.

 

http://www.mundoportugues.org/



publicado por Noticias do Ribatejo às 18:43
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
19

24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

QUINTA DAS PRATAS RENOVAD...

FERREIRA DO ZÊZERE IMPLEM...

USF Vale de Sorraia, em C...

CANDIDATOS A REI E RAINHA...

Presidente da Câmara abre...

JOVENS OCUPAM FÉRIAS DE V...

Sorrir com o olhar

Medicinas Alternativas: e...

Cansada de tudo

Sem amarras

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds