NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Sexta-feira, 30 de Abril de 2010
CARTAXO-Luís Ramos – o “rei” dos Joanicas


 
O único armazenista de vinhos do concelho do Cartaxo foi o convidado da 23.ª edição das Conversas na Taberna. Luís Ramos, de 82 anos, foi ao longo de mais de 30 anos um dos grandes impulsionadores dos Joanicas e a ele se deve a qualidade que sempre prestigiou os néctares desta sociedade.
 
É ao vinho que Luís Ramos deve muitas das grandes emoções da sua vida. Para este homem, o néctar de que falamos significa mais do que uma marca de um concelho, mais do que uma presença assídua numa mesa, mais do que a principal fonte de um negócio que ajudou a construir e a fazer crescer. Para este homem, o vinho significa qualidade, significa luta constante, significa vitória.
 
Luís Ramos, de 82 anos, é hoje o único armazenista do concelho do Cartaxo. E o que mais o preocupa neste momento “é ver que a juventude não entra na vida dos vinhos. E a comercialização vê-se, por exemplo, nos livros das promoções da semana – vinho espanhol: leve seis, pague quatro”.
 
O gosto pelos produtos da terra herdou-o da família. Desde pequeno que foi envolvido nos trabalhos do campo – nas férias do Natal, o pai introduzia-o na poda das vinhas; nas férias da Páscoa, as suas delicadas mãos tornavam-se ásperas pelo uso da enxada nas tarefas da cava.
 
“Aprendi todos os serviços da agricultura. Uma vez ganhei um yo-yo por andar a tirar as ervas das favas. E lembro-me de outra vez em que eu e o meu pai cavámos uma vinha inteira em dois dias e meio. Agora, nas horas vagas, vou para a minha horta, tenho alfaces, favas, feijão. Gosto de ter aquelas coisas criadas por mim”.
 
Não foi dos alunos mais brilhantes da escola, mas sempre esteve entre os melhores especialistas de vinho do concelho. Os pais conseguiram pagar-lhe os estudos no Colégio Marcelino Mesquita com o dinheiro que recebiam aquando da venda do vinho. “Cem escudos no primeiro ano, cento e vinte no segundo, cento e quarenta no terceiro e cento e sessenta no quarto. Um aumento de vinte escudos por ano era muito, naquela altura”.
 
Era o campo que dava sustento a muitas famílias. Além de produtor de vinho, o seu pai era reconhecido localmente como “um bom gadanheiro. Ele ganhava trinta escudos por dia a ceifar com uma gadanha, enquanto outros só ganhavam dez. Era um trabalho muito bem pago”.
 
Quando acabou o curso, aos 16/17 anos, Luís Ramos trabalhou uns tempos numa caldeira de destilação de aguardente, na Avenida João de Deus, a ganhar 350 mil réis. Depois, foi para o Grémio da Lavoura e posteriormente, arranjou trabalho em Lisboa, por intermédio de um tio, como ajudante de despachante no transporte de militares. “Ganhava um conto de réis por dia, era um ordenadão”.
 
Regressou entretanto ao Cartaxo, ficando novamente a trabalhar no Grémio da Lavoura. Como dactilografava rápido e bem, respondeu a um anúncio da Câmara Municipal. Foi o único concorrente e entrou para a instituição. Mais tarde, com o falecimento do sogro, Luís Ramos acabou por solicitar uma licença ilimitada à autarquia, para exercer funções na sociedade Joanicas do Cartaxo. 
 
Tornou-se um especialista dos vinhos, na comercialização e na produção. Muitos dos prémios atribuídos a vinhos da sociedade Joanicas a ele se devem. E se as memórias forem curtas, a imprensa é testemunha desse sucesso. Por exemplo, a edição do Diário de Notícias de 9 de Outubro de 1993 dedica uma página aos néctares Joanicas, designadamente ao Cabernet Sauvignon, merecedor de um primeiro prémio nacional. Já O Povo do Cartaxo, na sua edição de 6 de Julho de 1995, designa Luís Ramos como “um dos melhores narizes nacionais para o vinho”.
 
“Nunca alinhámos em comprar vinhos baratos, porque desprestigiavam o nome do Cartaxo. Junto dos pequenos produtores tinha sempre a porta aberta. E ia também a Palmela, a Almeirim, ao Alentejo. Onde eu descobria um vinho bom, eu comprava, mesmo se fosse caro. Os produtores tinham gosto em vender aos Joanicas. Eu arranjava um conjunto de vinhos de excelente qualidade e combinava-os. Por vezes eram melhores juntos que sozinhos. E a verdade é que quando os vinhos andavam em baixo de forma, nos anos 80, nós continuávamos a ganhar prémios”.
 
Não tirou curso, mas fazia o papel de enólogo. “Provava o vinho, às vezes não estava bebível, mas eu idealizava e via que com o calor e o tempo ia ser um óptimo vinho”. Até hoje nunca se enganou. “Talvez tenha uma intuição”.
 
Talvez tenha sido essa intuição que o levou a apostar na sua “menina dos olhos bonitos” – a Aguardente Rainha dos Joanicas. É a história que está por trás da criação da marca desta aguardente que Luís Ramos elege como um dos episódios mais intensos da sua vida na sociedade Joanicas.
 
Comprou dez cascos de aguardente no Bombarral, “para experimentar” e o sucesso foi logo imediato. Os maiores problemas surgiram no registo da marca. “A Junta do Vinho não aceitava o nome, mas o que nós queríamos dizer era que esta aguardente era a rainha dos Joanicas, não a rainha de todas as aguardentes. A Junta não aceitava e então pus um advogado contra a Junta – foi um risco muito grande, porque era a Junta que fiscalizava os armazenistas – mas ganhei a causa”.
 
Aqui, como noutras batalhas, Luís Ramos tem sido “um grande lutador”. E o Cartaxo agradece. 
 



publicado por Noticias do Ribatejo às 13:58
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
19

22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Presidente da Câmara abre...

JOVENS OCUPAM FÉRIAS DE V...

Sorrir com o olhar

Medicinas Alternativas: e...

Cansada de tudo

Sem amarras

PROGRAMAÇÃO “Verão In.Str...

EXTENSÃO DE SAÚDE DE VALA...

Novos e requalificados es...

Novo quartel dos Bombeiro...

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds