NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Terça-feira, 22 de Junho de 2010
CARTAXO-ASSEMBLEIA DO CARTAXO DEBATE O PAPEL DA MULHER NA SOCIEDADE
Iniciativa integrada nas Comemorações do Centenário da República contou com a presença da Secretária de Estado para a Igualdade. No dia 18 de Junho, o Salão Nobre da Câmara Municipal do Cartaxo abriu as suas portas para uma Assembleia Municipal Extraordinária, centrada na problemática do papel da mulher na sociedade, desde a implantação da República até à actualidade. Integrada nas Comemorações do Centenário da República, esta sessão contou com a presença de Elza Pais, Secretária de Estado para a Igualdade, e de Odete Santos, advogada e ex-deputada da Assembleia da República. Maria Manuel Simão, presidente da Assembleia Municipal, abriu a sessão, explicando que o objectivo do encontro foi homenagear todas as mulheres que lutaram pela liberdade, entre 1910 e 2010. Evocando Sophia de Mello Breyner Andresen, Maria Manuel Simão leu o poema “Procelária”, comparando a ave – “que faz o ninho no rolar da fúria”, “sobre os abismos passa e vai em frente”, “faz da insegurança a sua força” – à mulher. Para a presidente da Assembleia Municipal, “é necessário quebrar ainda algum silêncio” e “é importante que o canto da mulher seja canto de assunção de uma cidadania inteira”. Falar da mulher nos últimos 100 anos, “é fazer um balanço da sociedade”, frisou a Secretária de Estado para a Igualdade, para quem o século XX significou a conquista dos valores e o século XXI a conquista das oportunidades. E neste campo, “ninguém melhor do que as autarquias, que estão próximas das pessoas, para desenvolver estratégias de mudança de valores”, defendeu Elza Pais. A Secretário de Estado para a Igualdade destacou os principais momentos de emancipação da mulher ao longo dos últimos cem anos e, apesar das conquistas e das medidas governamentais introduzidas, considerou que há ainda um longo caminho a percorrer, para que se alcance uma sociedade mais justa. “Todos temos de nos implicar de uma nova atitude que permita um relacionamento mais saudável entre homens e mulheres”, frisou, alertando para o facto de “as sociedades mais desenvolvidas são as que mais promovem a igualdade”. A respeito da participação das mulheres no triunfo republicano, Elza Pais referiu que “elas pensaram, organizaram-se, escreveram, aderiram a causas, calendarizaram reuniões, correram riscos, promoveram congressos e manifestações. Elas foram à rua, elas estiveram lá, tal como os homens”. Odete Santos centrou-se no passado de resistência e de luta das mulheres, não fosse ela considerada uma das vozes que mais interveio – e que continua a intervir – na defesa dos direitos das mulheres. Odete Santos fez questão de repetir a expressão de Simone de Beauvoir, que já havia sido evocada por Maria Manuel Simão – “nós não nascemos mulheres, tornamo-nos mulheres”. Desde a luta das operárias das fábricas de conserva de Setúbal, passando pelo fascismo, até à filosofia da paridade, Odete Santos mostrou-se insatisfeita com as conquistas alcançadas e apelou às “mulheres cidadãs, às mulheres de luta”. Hélia Baptista, membro da Assembleia Municipal eleita pelo PSD, teve também voz nesta sessão. A deputada municipal lembrou a criação do Dia Internacional da Mulher, que ocorreu há cem anos, e enumerou algumas das submissões impostas à mulher, que a deixavam numa “situação degradante”, como classificou. A mulher que não tinha direito ao voto, que não podia viajar sem uma autorização do marido, a mulher analfabeta, as mulheres que “trabalhavam como serviçais sem receber nenhum salário”, foram alguns casos mencionados por Hélia Baptista, que defendeu, para os dias de hoje, uma maior igualdade salarial e de oportunidades. Célia Morgado interveio em nome do Bloco de Esquerda e optou por recuar mais no tempo – ao tempo de Adão e Eva – expressando “um longo passado que oprimiu a mulher”. Foi uma perspectiva da condição da mulher ao longo da história, que focou, essencialmente, a visão religiosa da figura da mulher e o período da “caça às bruxas”. Célia Morgado terminou a sua abordagem com alguns “pensamentos anti-feministas” e com as últimas estatísticas dos casos de violência doméstica


publicado por Noticias do Ribatejo às 08:58
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Atendimento Jurista da DE...

Agrupamento de Escuteiros...

Maioria PS na Câmara Muni...

Tribunal de Contas aprova...

Órgãos Municipais do Conc...

Todos nós temos uma histó...

QUERER VIVER!

Recordações

Osteoporose

Tecfresh’17 – Feira Tecno...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds