NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 27 de Junho de 2010
Mário Soares e Durão Barroso: Uma Europa em duas visões

Artigo de Opinião

Por: Anabela Melão

 

 

 É obvio que não se comparam, nem enquanto pessoas nem enquanto políticos, Mário Soares e Durão Barroso. Mas se há mil diferenças que os separam, talvez não fosse inoportuno recordar que algumas qualidades têm em comum.

Mário Soares não teve de se impor como figura da realeza da política nacional, porque o passado lhe valeu o salto para o primeiro lugar do pódio (talvez ex-aequo com Álvaro Cunhal). Durão Barroso teve estratégia política, de Portugal a Bruxelas, um percurso organizado, pensado, trabalhado. A ambos há que reconhecer uma qualidade cada vez mais rara na politiquice nacional: inteligência política. Ora, o ocorrido este mês aquando da celebração dos 25 anos da adesão europeia, festa tornada garraiada pela troca de galhardetes entre Soares e Barroso, dá que pensar. Enquanto Mário Soares afirma que "há falta de liderança na União Europeia e mediocridade. Muita mediocridade e falta de coragem", Durão Barroso argumenta que "há líderes de grande qualidade, de média qualidade e de fraca qualidade. Sempre foi assim e sempre será assim". Reafirma-se que ambos conhecem bem a realidade nacional e muito bem a europeia. Admite-se que, provavelmente, Mário Soares conhece melhor a concepção, a idealização do sonho europeu, e que, também provavelmente, Durão Barroso tem mais a noção, sente mais o palpitar, da realidade europeia. Isto pode bastar para justificar a divergência.

Enquanto um mede a qualidade dos lideres europeus pelos lideres que se sonhavam, outro relativiza-os pelos lideres que temos. "Não façamos generalizações", dizia Barroso. "No plano nacional, no plano internacional, no plano global, há diferentes lideranças", defendeu, reagindo às declarações de Mário Soares. Mas este homem perante o qual mostra tanta discordância é só o primeiro-ministro que assinou há 25 anos o tratado de adesão. Não é um homem qualquer. É um pai-filho do sonho. E se se preocupa com a actual situação da União, dizendo que a Europa vive uma crise sem precedentes, com a qual não sabe lidar: "Faltou inteligência política a todos os actuais dirigentes europeus.", o caso é grave. Apesar de se perceber Durão Barroso quando diz que este é "o momento mais exigente, precisamente porque estamos mais avançados", mas "não se pode dizer que seja pior ou melhor", "É uma situação de tipo diferente, que exige respostas com grande determinação e vontade política", disse o presidente da Comissão Europeia.

Assumido que entre alguns comentadores e intelectuais parece haver uma atmosfera de glamour do pessimismo quando se fala da Europa, e quanto mais pessimistas mais inteligentes aqueles se julgam, dá-se a devida margem de erro e dúvida. Sem se referir directamente aos líderes europeus da última década, Mário Soares lamentou que a União Europeia se tenha "deixado atrasar, ao contrário dos Estados Unidos", criticou a gestão "paralisada" e "sem coragem para mudar" da actual liderança em Bruxelas. "Pode ser um retrocesso civilizacional tremendo. É preciso reagir e rapidamente. Os actuais políticos parecem não ter coragem", insistiu, pedido aos cidadãos, sindicatos e entidades sindicais que "pressionem sem perda de tempo" Acresce que um desafio semelhante foi lançado pelo antigo primeiro-ministro espanhol, Filipe González, para quem a actual crise é "um momento da história que vai definir quem são os vencedores e os perdedores". "Para não perdermos o que conseguimos nestes 25 anos, é preciso fazer algo e fazê-lo já", disse o ex-governante. E um dos caminhos que apontou foi a necessidade de "reformar e resgatar o sistema financeiro". Sobretudo porque, diz, ainda "nada mudou no comportamento dos agentes financeiros desde o início da crise". A mudança deve, segundo Mário Soares, passar pela descoberta de "um novo modelo" europeu. "Já temos um fundo monetário europeu para gerir e quem o gere é um governo económico. E depois? Vem um governo político? É para aí que estamos a caminhar", apontou. José Sócrates entende que "a Europa encontrou resposta para a crise num quadro europeu", e afirma estar "muito confiante na integração política. Tenho a certeza de que a Europa interpretará esta crise como uma necessidade imperiosa de avançar". Este fim de semana em Arcos de Valdevez, no âmbito da iniciativa “Concelho de Estado”, homenageou-se Mário Soares. Pela vida. Pelo símbolo. O reconhecimento do seu papel na história do País quase que imerece qualquer controvérsia pela avaliação do painel dos interventores (António Almeida Santos, Artur Santos Silva, Manuel Sobrinho Simões, Miguel Veiga e Gonçalo Ribeiro Telles), pelos depoimentos do antigo líder da União Soviética Mikhail Gorbatchev, por videoconferência, e de Frank Carlucci e Ignacio Ramonet, por mensagem escrita. Adita-se a este acervo de figuras absolutamente credíveis como Eduardo Lourenço, Francisco Assis, Jean Daniel, Raúl Morodo, Manuel Ferreira de Oliveira, Federico Mayor Zaragoza, Adriano Moreira, Lobo Antunes, José Pacheco Pereira, Carvalho da Silva e Soromenho Marques, e fica o ramalhete demasiado bem composto para se suscitar qualquer dúvida com a credibilidade de Mário Soares no espaço nacional e internacional. Em Arcos de Valdevez, Mário Soares mantém a tónica da sua intervenção na necessidade de "políticas convergentes" entre Portugal e Espanha, considerando que "a Europa está desanimada e sem rumo", correndo o risco de se transformar "numa região pobre e sem influência". "A Europa ou é federalista ou não é Europa. Nós temos que caminhar neste sentido senão vamos ser o extremo ocidental da Ásia, uma região pobre e sem influência", avisou o histórico socialista. Não se comparam, a qualquer nível, grau ou qualidade, Mário Soares e Durão Barroso, mas não deixa de ser preocupante que o ideólogo e o prático se mostrem tão distantes na sua visão do que é e do que pode ser o espaço europeu. Valha-nos reconhecer a ambos inteligência política. Diferentes inteligências políticas, sem duvida. E, mais diferentes ainda, sensibilidades e bom senso.



publicado por Noticias do Ribatejo às 14:33
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

16

19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Presidente da NERSANT des...

Eu estou aqui...

O tempo carrega em si a s...

TAGUS promove acções de v...

Câmara de Azambuja aprovo...

Ministro da Educação inau...

Concerto Solidário de ...

Estudo europeu alerta: Po...

Campanha “Calendário Soli...

Apresentação do Livro "O ...

arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds