NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Quarta-feira, 30 de Junho de 2010
Politicamente Correcto: eufemismos e menores verdades

Artigo de Opinião

 Por: Anabela Melão

 

Se há coisa de que a Democracia nos abona diariamente é com o exercício do politicamente correcto. São poucos os que, ou porque exercem funções públicas ou porque pretendem vir a desempenhar cargos públicos (já de si uma maneira politicamente correcta de evitar os termos que nos vêm à mente para as circunstâncias, mas, porém, sem cair no exagero de falar em trabalhadores do Estado, até porque a expressão, em termos legais, desapareceu para dar lugar àquelas nomenclaturas eventualmente mais “realistas” – sem alusões às piadinhas de Macário Correia sobre os cafezinhos, os cigarrinhos e as conversinhas….), se podem dar ao luxo de ser politicamente incorrectos. Se, antes das actuais contenções orçamentais sobre promoções, quem o fosse pagava a preço de uma vida de “cepa torta” qualquer aleivosia mais atrevida que caísse mal às chefias, agora então poderá conduzir à mobilidade “especial”. Portanto, qualquer ligação ao Estado e …nem pio… cuidado, mas mesmo muito cuidado com o politicamente incorrecto. Vale a pena lembrar que a linguagem politicamente correcta surgiu nos Estados Unidos, berço da Democracia, mas com uma longa tradição de preconceitos: entre o país de Thomas Jefferson existiu também o país da Ku Klux Klan. Um negro era um nig.ger, um judeu, um ki.ke... Com o “Politicamente Correcto” pretendia-se erradicar expressões pejorativas, discriminatórias, sexistas e racistas, substituindo-as por um discurso único, consensual, apaziguador de conflitos sociais. Recorre-se então a eufemismos: “pessoa de cor” refere-se a “pessoas de raça negra” ou a “negros”. Os americanos usam o famoso termo “afro-americano”. Mas o problema é que o politicamente correcto criou terminologias artificiais e ridículas que, com o uso, adquiriram novas conotações negativas e tiveram de ser reformuladas com outros readaptados eufemismos. Ao fim e ao cabo, um exercício de cosmética linguística. Alguns exercícios eufemísticos ficaram registados: não se diz “trabalhadores”, mas sim “trabalhadoras e trabalhadores” (o feminino sempre em primeiro lugar!), para fazer passar uma mensagem defensora da igualdade de género, apesar de, para mim, ter o efeito contrário, já que a gramática portuguesa contempla o plural masculino para agregar um grupo com por pessoas de ambos os sexos. Em tempos de intervenção armada, não se fala em guerra, mas em libertação, muito menos em invasão. No contexto laboral , a expressão promoção horizontal significa que foram alteradas as funções do trabalhador, mas que este não sobe na hierarquia. Um pouco o que sempre vi fazer com elementos “em regime de substituição”, até aparecer alguém com o “perfil” ideal, nomeando-se depois quem o tinha (ao “perfil”, já se vê), enquanto que o “em substituição” voltava às funções que ocupava e, mais não lhe restava, que agradecer ter sido explorado sem nada receber em troca, muitas vezes, nem o mero reconhecimento de um “obrigado”. É o que acontece a quem não é politicamente correcto! Em economia, fala-se em crescimento negativo e não em crise. A uma pessoa casada com actividade sexual paralela chama-se adúltero. Uma pessoa verticalmente desfavorecida (“vertically chanllenged”) é alguém de baixa estatura; horizontalmente desfavorecida, se não obedecer aos padrões de elegância exigíveis. Cerebralmente desfavorecido ….e por aí diante. Ora, por não se tolerarem os golpes de asa dos politicamente incorrectos continuamos vergados ao cinzentismo, ao conformismo, aos yes-man, e segue o rodopio de cadeiras, daqui para ali. Nos tempos em que “exerci funções” em gabinetes ministeriais, era certo e sabido que, quando a asneira era grossa, só restava uma saída: o pontapé para cima. Era-se promovido intra-serviço, porque havia que retirar o “lume de ao pé da estopa”, ou seja, afastar do risco do trabalho, quem com ele mantinha uma relação desastrosa. Até tive num serviço em que, uma vez, à volta de uma enorme mesa de chefias, se discutia quem iria ser promovido a chefe, ouvi então surgir o nome de um colega reconhecidamente competente, e que logo fez erguer da cadeira um dos dinossauros-chefes: “Esse? Nem pensar. Esse tipo trabalha bem. Já “x” é melhor para ”coordenar”!” E o dito lá foi direito à tomada de posse num abri e fechar de olhos! Ora, não há maneira de se dar lugar ao arrojo, às novas ideias e às novas mentalidades, e cada vez se vê mais alguém na casa dos sessenta (não que tenha nada contra, evidente!), depois de ter feito figuras tristes neste ou naquele lugar público, ser promovido para outro ainda mais pomposo, como se tivesse feito uma lipoaspiração cerebral e lhe tivesse sido retirada toda a massa encefálica que estava “menos bem”. Por muito que queira ser politicamente correcta, e, por acaso, ou não, nunca o fui e muito menos pretendo agora começar a sê-lo, só me lembro de dizer: Em “politicamente correcto”: Que teimosia! Que impróprio! Que desadequado!”. E em “politicamente incorrecto: “Larguem esse velho osso e deixem essa besta (ou asno se for mais light) ir à vida! Raios partam!”


tags:

publicado por Noticias do Ribatejo às 08:50
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

16

19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Presidente da NERSANT des...

Eu estou aqui...

O tempo carrega em si a s...

TAGUS promove acções de v...

Câmara de Azambuja aprovo...

Ministro da Educação inau...

Concerto Solidário de ...

Estudo europeu alerta: Po...

Campanha “Calendário Soli...

Apresentação do Livro "O ...

arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds