NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Quinta-feira, 1 de Julho de 2010
Alpiarça- APELO AO POVO RIBATEJANO – RECORDAR A HISTÓRIA

Artigo de Opinião

Por: Anabela Melão

 

Um dos primeiros artigos que os meus dois mais queridos jornais ribatejanos, com os quais tenho a honra de colaborar (o Noticias do Ribatejo e o Jornal Alpiarcence), veio de um texto que escrevi sobre as lutas rurais de 1911 no Ribatejo, sempre a propósito da República. Tentei explicar que o seu (do povo ribatejano) conhecimento do movimento operário é extraordinário, porque, desde o início da República, manteve acesa a sua tradição de luta dos trabalhadores rurais. Ou seja, esta terra teve um proletariado agrícola coeso e consciente da sua força e com um temível poder reivindicativo. A primeira desenvolveu-se em duas frentes afastadas no espaço, a partir do vale do Tejo, desde a Chamusca até Lisboa, com o centro em Santarém, e acabou por ser o exemplo das paralisações e das reivindicações apresentadas em todo o País. Em Santarém, porque, para além de ser a capital, a sua posição junto do rio Tejo lhe exponenciou a sua apetência para o privilegiar como via de comunicação com Lisboa, assim permitindo uma interpenetração entre o proletariado rural e o urbano, cabendo a este um apoio dinâmico e porventura ideológico.

 Da história ficou-nos esta possibilidade de demarcar um território como espaço especialmente atingido por uma epidemia de revolta, uma insatisfação com o Poder Central, e a reverência a um povo que acreditou firmemente poder mudar o rumo da História.

Hoje, 1 de Julho de 2010, entram em vigor um conjunto de imposições que resultam de uma crise económica internacional, que imediata e directamente atingiu o País, como um raio que cai nas mãos de Santa Bárbara, sendo que Portugal não conseguiu aqui a força da Santa para paralisar o cataclismo. Com as medidas excepcionais do PEC (que me dispenso de comentar já que a elas tanto têm aludido ambos os jornais da minha preferência) todos veremos a nossa qualidade de vida ainda mais periclitante. Desde as crianças cujos pais olharão para os livros com um ar incrédulo, como que a dizer: “oh! Minha senhora (a da livraria ou a professora), o miúdo precisa mesmo disto tudo?”, sem disfarçar um ar indignado de quem está a pôr um colar de pérolas num focinho de um porco (expressão do meu avô valecavalense e que aqui quer dizer: “isto vale mesmo a pena? O gaiato vai a doutor?”). Aos jovens que teimarão em dizer que se amam e que querem casar e o banco lhes vai negar o crédito para o ninho ou aumentar as prestações que já pagam, a ponto de dizerem um para o outro: “Eh! Pá, vamos é voltar para casa dos velhos senão morremos à fome!”. Aos mais velhos que os vêm regressar, acompanhando este fenómeno da “geração canguru” (como se chama aos filhos que já estão nos trinta, trinta e tal, e não há maneira de abalar!), com um ar contristado. Aos que levam as mãos à cabeça e vêem perdido o sossego merecido, porque atrás dos filhos que perderam a casa vêm os barulhentos netos, de uma intrépida aleivosia, sobretudo se já forem adolescentes. Aos mais velhos que contam euro a euro a distribuição da sua magra pensão aos pequenos que ai hão-de vir por Agosto, dos seus filhos emigrantes (os poucos que ainda haja), ou pelo Natal.

 Desta vez, nem que venham aos molhos frente a São Bento, os ribatejanos conseguiriam alterar o rumo “natural” da ressurreição financeira do País. Desta vez, o problema é de todos e ninguém tem o poder de parar as contenções que nos são impostas via Bruxelas.

Poderão ter sido de luta aqueles velhos tempos da greves rurais de 1911, mas era uma época em que se podia culpar o Governo pelas maleitas que assoberbavam o povo, e vai daí vinha-se Tejo acima, direitos a Lisboa, e ah! Escalabitanos dum raio! Toca a demandar! Toca a exigir! Fazem até alguma saudade. Agora, nem uma peregrinação a Bruxelas obteria algum resultado palpável.

Perante isto, oh! Gente da minha terra! Animai-vos. Sois sobreviventes natos. Sois lutadores inquebráveis! Sirvam de exemplo a este povo. Dai-lhes um pouco da força genética com que os deuses vos bafejaram! Ide em frente! Já não virão agricultores em debandada até Lisboa, mas continuais a ser resistentes natos! Esteja um ribatejano no Algarve, em Trás-os-Montes ou e até em Lisboa, ah! Gente danada! Melhores dias virão. Este País precisa da vossa “genica”. A luta é a mesma. Os custos são os mesmos. Mas vocês são mais traquejados na dureza da vida. Venha daí o sopro do espírito ribatejano! Dai às gentes da urbe as vossas mãos calejadas pelos campos, as vossas peles torradas pelo sol, e o vosso sorriso fresco como a lezíria. Resistamos! Sobrevivemos! Que cada ribatejano dê a mão a um compatriota e lhe explique de onde lhes vem esta gigante estoicidade em estar e viver, para além das intempéries!



publicado por Noticias do Ribatejo às 18:45
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

16

19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Presidente da NERSANT des...

Eu estou aqui...

O tempo carrega em si a s...

TAGUS promove acções de v...

Câmara de Azambuja aprovo...

Ministro da Educação inau...

Concerto Solidário de ...

Estudo europeu alerta: Po...

Campanha “Calendário Soli...

Apresentação do Livro "O ...

arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds