NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 4 de Julho de 2010
TORRES NOVAS-Sem portagens nem horários a cumprir
De Torres Novas à Guarda demora-se quase cinco horas sem usar a scut. À média de 53 km/h, só dá mesmo para apreciar a vista. Naquele tempo chamavam-lhe IP6. Inaugurada em 1995, a auto-estrada ligava o nó da A1 de Torres Novas ao Entroncamento, Constância e, um pouco mais tarde, Abrantes. Uma revolução para populações para quem todas as direcções da bússola significavam horas de viagem. Dez anos depois, o IP6 passou a ser a A23. A partir de 2004 Castelo Branco, Covilhã e Guarda tornaram-se destinos possíveis para deslocações de ida e volta no mesmo dia. A A23 é a maior das sete Scut que o Governo quer portajar e uma das que trouxe impacto mais profundo às regiões por onde passa. Para quem faz dos camiões o ganha-pão, a A23 significa uma vida nova. Carlos Luz, director da empresa de camionagem Luz e Irmão – sediada em Riachos, Torres Novas –, lembra as longas jornadas em que se vinha de Espanha por montes e vales. Hoje faz contas ao que aí vem – o projecto do Governo de introduzir portagens nesta Scut a isso obriga. "Só no serviço internacional temos oito carros que fazem a A23 três vezes por mês. Fazendo as contas por alto, se a portagem custar 40 euros até à Guarda, estamos a falar de um acrescento da despesa de 25 mil euros por ano. Os clientes não estão dispostos a pagar mais", diz o empresário, que leva mercadoria para toda a Europa, sobretudo Espanha, França, Bélgica e Luxemburgo. Alternativas? "Não há, não temos como fugir à auto-estrada. Temos horários a cumprir e as despesas com o gasóleo aumentariam imenso". INÍCIO DA ODISSEIA São 09h30 da manhã quando começamos o percurso entre Torres Novas e a Guarda, pelas estradas nacionais usadas antes de aparecerem o IP6 e a A23. Até Abrantes, a Estrada Nacional 3 passa por Vila Nova da Barquinha, Tancos e Constância. Há pouco trânsito, e a vista sobre o Tejo é irresistível para quem vai em passeio. Mas o alcatrão atravessa vilas e lugares, semáforos e passadeiras. O conta-quilómetros raramente passa dos 60 km/h. À porta do hospital de Abrantes, Américo Ferreira prepara--se para voltar a casa, depois de uma consulta. É de Constância, demorou 15 minutos a chegar – metade do que precisaria se viesse pela estrada velha. Os três hospitais da região (Torres Novas, Tomar e Abrantes) dividem entre si as valências, obrigando os utentes a deslocarem-se entre eles conforme as maleitas. Ortopedia em Abrantes, Cardiologia em Torres, Oftalmologia em Tomar, por exemplo. "A A23 é fundamental. Temos de andar sempre de um lado para o outro, se vierem as portagens vai ser um transtorno", diz Américo. De domingo a domingo, Lourenço Silvestre, 57 anos, carrega a sua velha carrinha de caixas de cerejas e vem desde Alpedrinha (na serra da Gardunha) até ao hospital de Abrantes. Junto à entrada, vende caixas de 2 kg a cinco euros. "Não se ganha muito, mas vale a pena vir. Se puserem portagens na auto-estrada, deixo isto". A viagem pela estrada nacional demora 02h30, mais uma hora do que se vier pela A23. Ele nem quer ouvir falar em portagens: "só servem para nos atrapalhar a vida". À saída de Abrantes, a A23 segue a norte do Tejo. A alternativa é apanhar a EN118, a sul do maior rio da Península Ibérica. Em direcção ao Gavião, o piso até nem está mau, mas as curvas não permitem grandes velocidades. Nem o camião que segue pachorrento, sem passar dos 60 km/h. Para ultrapassá--lo é preciso aproveitar as poucas rectas que permitem fazer a manobra em segurança. MONTES E VALES Já estamos no Alentejo. A EN118 segue pelo Gavião e Nisa antes de virar para norte. Ao fim de 100 km e quase duas horas de viagem, chega-se a Nisa. Terra famosa pelos queijos e enchidos, que chegam aos gourmets da capital através da A23. É para Lisboa que Pedro Granchinho, sócio-gerente da Salchinisa manda a maior parte da produção da sua fábrica. Os chouriços, cacholeiras e painhos cruzam a A23 e depois a A1 para chegar à mesa dos alfacinhas. "O negócio vai andando, mas com dificuldades. Com portagens não sei se aguentamos o preço dos transportes", diz. De Nisa para norte, é preciso apanhar a N18. É preciso subir pelos montes para chegar de novo ao Tejo. A paisagem volta a ser deslumbrante, nem tanto para quem tenha pressa. Perto de Vila Velha de Ródão há quem torça pelas portagens na A23. Em Sarnadas do Ródão, a bomba da Galp é um cenário fantasmagórico. Dos oito postos de abastecimento, só quatro têm máquinas em funcionamento. A explicação para o abandono está ali a 50 metros – a A23 desviou todo o trânsito, condenando ao fracasso umas bombas que "chegaram a ter 16 postos a funcionar e a dar emprego a 33 pessoas", conta a funcionária, uma das três pessoas que ainda ali trabalham. Para ela, as portagens são "uma esperança" de que o negócio conheça melhores dias. Mais 45 km, feitos em outros tantos minutos, e chega-se a Castelo Branco. À entrada, as fábricas, stands de automóveis e armazéns alinham-se junto ao acesso da A23, num claro sinal de que a estrada serve de motor à economia da região. Depois da cidade, a N18 segue paralela à auto-estrada durante largos quilómetros. O trânsito é escasso e consegue-se andar depressa até ao ponto em que a A23 entra (literalmente) pela serra da Gardunha adentro, através de dois túneis. A EN18 sobe a serra, passando por Alpedrinha. Às quatro e meia da tarde, Lourenço Silvestre, o vendedor de cerejas, já regressou de Abrantes. "Faço o trajecto em hora e meia, a auto-estrada deixa-me à porta de casa". NA TERRA DE GUTERRES Já do outro lado da Gardunha, Donas é vila famosa pelo seu filho mais dilecto. Ali nasceu o engenheiro António Guterres, o primeiro-ministro que inventou o conceito das auto-estradas sem custos para os utilizadores. No café Pontãozinho, Ana Maria Silva vaticina que o seu conterrâneo "não vai gostar nada de ver aqui as portagens". E explica: "a A23 mudou a nossa vida, agora podemos ir aos supermercados de Castelo Branco e da Covilhã". A N18 passa pelo centro do Fundão, onde meia dúzia de rotundas e vários semáforos impedem uma marcha veloz. São mais 20 enfadonhos quilómetros até à Covilhã, onde todos reconhecem a importância da A23. "Montei este negócio por causa da auto-estrada e na perspectiva de esta não ter portagens. Se o meu mercado se ficasse pela população da Covilhã, esta loja não tinha razão de ser. Preciso de atrair gente de Castelo Branco e da Guarda". Fala José Soares, dono de três lojas de bicicletas, uma das quais especializada. Vende máquinas sofisticadas, que podem chegar aos 7 mil euros. "Com portagens, há menos hipóteses de as pessoas circularem entre cidades. Estou a perder oportunidades", explica. Falta ainda mais um suplício. Até à Guarda, a N18 sobe a montanha, não fosse esta a cidade mais alta do País. Seis camiões TIR impedem o velocímetro de passar dos 50 km/h. "A subida por Santa Cruz para se entrar na Guarda é terrível", admite Luís Celínio, advogado na cidade e presidente do Clube Escape Livre, que há 20 anos organiza eventos de todo-o-terreno e passeios turísticos na região. "A A23 e a A25 (que vai de Vilar Formoso a Aveiro) mudaram tudo. Hoje conseguimos ir a Lisboa em duas horas e meia e também ao Norte do País. As pessoas de fora ficam surpreendidas com a facilidade com que hoje se chega à Guarda". Luís até é um defensor do princípio do utilizador--pagador, mas defende que neste caso "não há estradas alternativas", pelo que espera que haja "bom senso". A viagem de 247 quilómetros de estradas nacionais entre Torres Novas e a Guarda demorou 04h50m. O regresso faz-se pela A23. São 212 km, em menos de duas horas. A não ser que o intuito seja ver a paisagem, a alternativa à Scut é ter paciência. Muita paciência... PAGAR É CERTO, MAS QUANDO E COMO? O Governo adiou para 1 de Agosto a adopção de portagens nas três Scut do Norte, Grande Porto, Norte Litoral e Costa da Prata, mas os utilizadores das outras quatro (A25, A24, A23 e A22) só podem respirar de alívio até 1 de Janeiro do próximo ano, altura em que avança o pagamento nestas vias. O Executivo propõe isenções para os residentes de 46 municípios atravessados por estas auto-estradas – que têm um índice de poder de compra inferior à média nacional – mas a medida ainda está a ser negociada. A ideia é polémica, até porque concelhos como a Guarda ou Torres Novas (com índices de 92% e 91% em relação à média nacional), poderão passar a pagar a breve prazo. Quanto à forma de pagamento, esta ainda não está definida. A ideia do chip electrónico parece ter caído, pelo que os condutores poderão ter de usar a Via Verde para circular nestas estradas. De Norte a Sul do País, cresce a contestação de autarcas, movimentos cívicos e populações. http://www.cmjornal.xl.pt


publicado por Noticias do Ribatejo às 20:11
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

16

19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Presidente da NERSANT des...

Eu estou aqui...

O tempo carrega em si a s...

TAGUS promove acções de v...

Câmara de Azambuja aprovo...

Ministro da Educação inau...

Concerto Solidário de ...

Estudo europeu alerta: Po...

Campanha “Calendário Soli...

Apresentação do Livro "O ...

arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds