NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Terça-feira, 16 de Maio de 2017
CÂMARA APROVOU 3.º ADICIONAL AO CONTRATO DE CONCESSÃO COM A CARTÁGUA

unnamed (3)

 

CARTÁGUA ACEITOU REDUÇÃO DE TARIFÁRIO E DE TAXA DE RENTABILIDADE DO CONTRATO FIRMADO NO MANDATO ANTERIOR E IMPEDIMENTO DE ALTERAR PRAZOS DE PAGAMENTO DA FATURAÇÃO AOS CONSUMIDORES

  • Desacordo do atual executivo da Câmara em relação às condições estabelecidas no 2.º Adicional ao Contrato de Concessão da Exploração e Gestão dos Serviços Públicos de Distribuição de Água e de Drenagem de Águas Residuais do Cartaxo, assinado pelo anterior executivo com a Cartágua, conduziu a negociação com a concessionária, que em dezembro passado aceitou:
  • rever em baixa o tarifário em 0,6% nos próximos seis anos;
  • reduzir a taxa de rentabilidade do contrato (TIR) de 11,2% para 8,4%, abaixo da recomendada pela ERSAR, durante os 30 anos da sua vigência;
  • repor todas as prestações mensais que deixou de pagar ao município durante as negociações e que perfazem 690 mil euros; e
  • assegurar a construção da ETAR da Lapa/Ereira, a ampliação da ETAR de Valada e reconversão da ETAR de Pontével;
  • Negociação com a Cartágua determinou novo Contrato Adicional com a concessionária ao qual Pedro Magalhães Ribeiro exigiu que fosse acrescentada uma cláusula que “impeça a definição de prazos de pagamento anteriores ao último dia útil de cada mês, não só anulando as recentes alterações à faturação, como garantindo que no futuro não ocorrerão situações idênticas”.
  • Contrato adicional segue agora para parecer da ERSAR – Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos e parecer da Comissão de Acompanhamento, tendo ainda de voltar à Câmara para aprovação final, ao que passará pela Assembleia Municipal para deliberação daquele órgão e será, finalmente, submetido a visto do Tribunal de Contas.

 

Pedro Magalhães Ribeiro apresentou, na reunião pública da Câmara Municipal, que decorreu no dia 15 de maio, na Ereira, a proposta para o 3.º Adicional ao Contrato de Concessão da Exploração e Gestão dos Serviços Públicos de Água e de Drenagem de Águas Residuais do Cartaxo, e que estabelece as novas condições de concessão dos serviços à Cartágua. O contrato foi aprovado por maioria com três votos a favor do PS, duas abstenções do PSD e o voto contra do único vereador do PV_MPC (Paulo varanda-Movimento pelo Cartaxo), presente na reunião.

Presidente recusou aceitar o aumento do preço da água durante três anos promovendo auditoria técnica ao contrato

O documento sistematiza e define o resultado do acordo estabelecido em dezembro passado com a concessionária, depois da auditoria que Pedro Magalhães Ribeiro iniciou neste mandato. Aquando da reunião de Câmara, que contou com a participação de Carlos Conceição, em representação do Conselho de Administração da Cartágua, o autarca afirmou que a recusa em aumentar o preço da água, “no valor que foi decidido no mandato anterior, deveu-se ao facto de não termos encontrado no município, qualquer parecer técnico pedido pela Câmara Municipal para avaliar da justiça do aumento da água que veio a ser aprovado ”, referindo que os serviços do município não foram nunca chamados a intervir no processo, ficando o atual executivo sem informação que “garantisse que os pressupostos do contrato estavam corretos e eram rigorosos”.  

Perante esta ”falta, travámos o aumento do preço da água e iniciámos um processo de auditoria técnica que nos levou a efetuar um trabalho profundo e minucioso, que foi demorado, de análise conjunta ao contrato e que hoje nos permitiu ter chegado a este acordo, que para além de reduzir o aumento da água nos próximos seis anos em 0,6% – 0,1% ao ano –, reduz em quase 3% a taxa de rentabilidade em toda a vigência do contrato e garante os investimentos nas ETAR que o concelho aguarda há décadas”.

O presidente da Câmara explicou que “a transparência de todo o processo que levou ao s acordo estabelecido em dezembro passado, quer à proposta de contrato que aqui apresentamos, foi uma preocupação constante”, lembrando que foram efetuadas reuniões com as forças políticas, “quer separadamente com cada uma, quer uma reunião conjunta com a Cartágua, à qual apenas faltou o PV-MPC (Paulo Varanda-Movimento pelo Cartaxo)”, quer na disponibilização de toda a informação disponível, referindo que “no site da Câmara Municipal estão disponíveis mais de 6 mil documentos refentes a esta auditoria, para consulta de qualquer cidadão”.

O acordo e a proposta de contrato “dependeram de uma negociação complexa e difícil, mas cuja validação técnica quer pelos serviços municipais, quer por técnicos especializados nesta área, contratados para dar apoio aos nossos próprios serviços”, o que entende garantir “um acordo vantajoso para os munícipes quer em termos de tarifário, quer em termos de investimentos que são essenciais ao Cartaxo e às freguesias”.

O autarca referiu ainda que “nunca foi nossa intenção rasgar contratos”, afirmando que “a enorme responsabilidade dada pelos munícipes a quem gere a Câmara exige-nos mais do que apenas palavras de ordem. Exige firmeza, mas também obriga a ponderação e sensatez nas decisões”. Exemplos de municípios que decidiram “não cumprir os contratos firmados no passado, revelaram-se muito mais prejudiciais para a comunidade”, pelo que a nossa opção de “auditar do ponto de vista técnico, negociar dentro da lei e garantir equidade de tratamento para todos os munícipes”, permitiu que “hoje tenhamos uma proposta equilibrada, obras a decorrer em duas ETAR, a de Pontével e a de Valada, e a ETAR de Lapa/Ereira já com terreno para se iniciar”, estas “são obras que a população aguardava há décadas”.

Acordo estabelecido em dezembro passado já previa as alterações que agora farão parte do 3.º Adicional ao Contrato

Em dezembro de 2016, durante mais de uma hora, o autarca e o Presidente do Conselho de Administração da Cartágua, Carlos Conceição, responderam às dúvidas do público, de muitos autarcas e dos vereadores do PSD e do movimento independente, Paulo Varanda – Movimento pelo Cartaxo (PV-MPC), prestando esclarecimentos quer quanto aos termos do acordo então estabelecido, quer quanto às razões que levaram o executivo a não aceitar os termos do 2.º Adicional ao contrato assinado entre a concessionária e o anterior Executivo.

Carlos Conceição afirmou na altura que “chegámos a acordo, mas um bocadinho em desacordo”. “Após três anos de intensas, duras, difíceis, disputadas, aguerridas, tensas, reuniões”, referindo as “30, 40 ou 50 reuniões que tivemos, há aqui um conjunto de pressupostos que assumimos e há aqui uma delapidação fortíssima da Cartágua”. Declarando que a redução da TIR – de 11,4% para 8,4% –, se “somou a três anos sem qualquer atualização do tarifário”, o que disse representar menos um “milhão de euros de faturação pela não atualização da tarifa” – valor decorrente da não aceitação do aumento da água pelo atual executivo, enquanto as negociações decorriam. 

 Síntese das alterações ao contrato:

  1. inclusão de cláusula que garante aos munícipes que a Cartágua não poderá estabelecer prazos de pagamento de modo unilateral, criando diferenças de tratamento entre utilizadores do serviço, que terá a seguinte redação: 1. As faturas a emitir pela concessionária devem ter uma periodicidade mensal, com um regime único para todos os consumidores, e um prazo de pagamento não inferior a 20 (vinte) dias a contar da data da sua emissão; 2. Cada fatura não pode estabelecer o limite de pagamento anterior ao último dia útil de cada mês.”

 

  1. a ampliação, por parte da Cartágua e sem quaisquer encargos para o Município do Cartaxo, da ETAR de Valada (irá servir Valada, Vale da Pedra, Cruz do Campo e Casais Lagartos) e da  remodelação da ETAR de Pontével, (inclui sistemas recetores de Vale da Pinta e remodelação da estação elevatória final), num investimento total de 5,873 milhões de euros com cerca de 3,817 milhões de euros de fundos comunitários já assegurados e cujas obras já foram iniciados;

 

  1. o início da construção da ETAR da Lapa/Ereira, até 31 de dezembro de 2017, independentemente da aprovação da candidatura a fundos comunitários, sendo que a Câmara Municipal assinou o contrato de promessa de compra e venda do respetivo terreno no passado dia 4 de maio de 2017, pelo valor de 25 mil 218 euros, pelo qual já pagou 7 mil e 500 euros de sinal. Caso o cofinanciamento  comunitário não seja obtido previamente ao início da obra, a concessionária assumirá a quota-parte da responsabilidade da concedente,  conferindo àquela o direito de apresentar, para avaliação do Município do Cartaxo, um pedido de reposição do equilíbrio financeiro, nas condições do artigo 90.º.

 

  1. a redução da taxa de rentabilidade da empresa Cartágua de 11,2% para 8,4%, o que irá conferir maior estabilidade ao contrato em termos de necessidade futura de reajustamentos tarifários;

 

  1.  após 3 anos sem o aumento tarifário previsto no anterior mandato conseguiu-se, no processo negocial, reduzir o tarifário em 0,1% ao ano, pelo período de reajustamento, ou seja, durante 6 anos a atualização do tarifário terá a incidência corretiva de 4,9% em vez dos 5% do anterior contrato de 2013;

 

  1. a Cartágua irá pagar em 3 anos, com prestações trimestrais, as remunerações vencidas e não pagas, no montante cumulativo de 690 mil euros, para além das previstas nos restantes anos de vigência do contrato;

 

  1. o reforço da transparência do Contrato de Concessão com validação técnica especializada, uma vez que em 2013 o anterior Executivo Camarário não produziu qualquer parecer técnico documentado sobre a proposta de aumento do tarifário, saída da revisão contratual de 12 de março de 2013,  apresentada pela Cartágua.


publicado por Noticias do Ribatejo às 17:52
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

ALMOÇO DANÇANTE EM PONTÉV...

COMUNICADO DO MINISTÉRIO ...

Município de Azambuja pro...

Recolha de Sangue nos Bom...

DIA MUNDIAL DOS POBRES

NERSANT reclama Entidade ...

CARTAXO APROVA REUNIÕES D...

PROVA DE FALCOARIA EM SAL...

Governo aceita proposta d...

O «maior cruzeiro do mund...

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds