NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Sexta-feira, 29 de Abril de 2011
cartaxo - Rafael Periquito na 33.ª Conversa na Taberna

Rafael Periquito na 33.ª Conversa na Taberna
A VIDA É FEITA DE ENCONTROS E DE DESPEDIDAS


 
Nascer e morrer são “dois lados da mesma viagem”. Rafael Periquito, de 66 anos, tem uma vida cheia, não só de alegrias, mas também de algumas tristezas. Às suas amarguras junta ainda as dos outros. São ossos do ofício… Foi o trabalho de agente funerário e de marceneiro que trouxe à 33.ª Conversa na Taberna, realizada no dia 27 de Abril.
 
Quando se dá a hora da partida, cada um segue o seu caminho. Rafael Periquito tem o seu trilho já bem traçado. Sabe de cor o que fazer, sem que os sentimentos o assolem. Os anos dedicados a levar os que partem até à sua última morada fazem deste momento – para tantos difícil de enfrentar – uma prática comum, uma rotina de trabalho.
 
“O negócio houve sempre em casa desde que eu nasci. Tínhamos uma carreta, que ardeu no primeiro fogo da serração. Quando a marcenaria começou a cair, começou a funerária a subir”.
 
Era a mãe de Rafael Periquito que forrava cuidadosamente os caixões, inicialmente feitos na serração da família. Desde pequeno que em casa se lidava com a arte de trabalhar as madeiras e com a morte dos outros.
 
Mas houve desgraças que também lhes bateram à porta. “Na noite seguinte após completar os meus 20 anos, ardeu a serração. Começou aí um ciclo difícil, que piorou quatro anos mais tarde, com o segundo incêndio”.
 
O pai tinha uma serração e uma oficina com operários de marcenaria e carpinteiros. “Logo rapazito, comecei a aprender a estufar. Eu queria era trabalhar, mas o meu pai não queria que eu trabalhasse sem antes estudar. Era teimoso, queria que eu fosse alguma coisa na vida”. Acabou por lhe fazer a vontade e concluir o Colégio à noite.
 
Deu depois continuidade aos negócios do pai, adivinhando as dificuldades. “Depois dos incêndios, foi sempre a trabalhar de noite e de dia, com milhões de dificuldades. Às vezes sem ter dinheiro para comprar um parafuso. Cheguei a não confiar em nada, mas depois veio o 25 de Abril e para mim foi como passar do copo de vinho para a garrafa de litro e meio”.
 
E nesse dia de conquista da liberdade, Rafael recorda-se da ida a Benfica para a entrega de um grande móvel de madeira, feito por medida. “Só demos pelo 25 de Abril porque o cliente nos disse”. A sua firma acabou por fazer os móveis dos 28 andares desse prédio de Benfica.
 
Naquela altura, “ainda era preciso saber ser marceneiro. Agora basta ter habilidade para comprar a caixa, interpretar os bonecos e montar o móvel em casa”. E a oficina da família sempre prezou por ter bons profissionais. “Há uma coisa que deve ser única na minha empresa – os cinco operários que tínhamos, quando eu nasci já lá estavam e quando se reformaram é que se foram embora. Estiveram lá mais de 50 anos”.
 
“Ganhei muito dinheiro, mas também trabalhei muito”. O melhor professor que teve foi o seu pai, que foi “um gestor de categoria”.
 
Rafael Periquito deixou de fabricar móveis há dez anos. A oficina não está fechada, mas poucos trabalhos de madeira faz. Em parte, mantém as suas portas abertas por consideração àquele espaço, que tantas alegrias – e tantas tristezas – lhe proporcionou. “Ainda há dias gastei dois mil euros para pôr uma máquina que tem mais de 50 anos a trabalhar, com pena de ficar parada e se estragar”.
 
O negócio dos serviços funerários correu melhor. E ainda que para muitos seja difícil lidar com os mortos, eles passaram a significar para Rafael Periquito uma forma de sustentar a vida. Durante os últimos 30 anos, Rafael tem feito uma média de 170 funerais por ano. Fazendo as contas, foram mais de cinco mil enterros.
 
Quantas histórias não haveriam por contar… “Uma vez, estávamos a vestir um morto e reparámos que ele tinha a carteira no bolso do casaco. Fomos a abri-la e dou de caras com o meu retrato! Estávamos a vestir o meu casaco ao morto por engano. E uma outra vez trouxe o morto errado da morgue do hospital de Vila Franca para Vila Nova de São Pedro!”.
 
Rafael Periquito lembra ainda o funeral do Miranda, que tinha uma taberna e foi quem lhe ensinou “a beber copos de vinho”. Fez-lhe o funeral com a bandeira do Benfica em cima do caixão.
 
“Ele dizia-me que era eu que lhe iria fazer o funeral e que me deixava o dinheiro para pagar o serviço na mezinha de cabeceira. E deixou. Tinha lá dinheiro para pagar 10 ou 20 funerais”.
 
Quando chegar a sua vez de partir, Rafael Periquito não sabe quem o vai levar, mas sabe precisamente para onde vai. “Para o n.º 400, do Cemitério do Cartaxo. O terreno já está comprado”.



publicado por Noticias do Ribatejo às 12:08
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

Ceyceyra Medieval a 21 e ...

TEMAS DE SAÚDE: Doente on...

"O medo tem alguma utilid...

Município de Azambuja ass...

Ano letivo 2019-2020 arra...

Tomar – Prisão preventiva...

Arroz é rei em novo event...

PSD visita operação de li...

Fórum Cultural em Arruda ...

CÂMARA MUNICIPAL DO CARTA...

Santarém retoma liderança...

União de Tertúlias de Aza...

Mercado de Outono e ofici...

ATIVIDADES PRIMEIRO FIM D...

ELA É UMA MÚSICA OCUPA VA...

Espaço Cidadão em Aveiras...

Politécnico de Santarém a...

Centro Cultural recebe se...

X Maratona BTT NO TRILHO...

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA A...

CÂMARA ENTREGOU FICHAS ES...

"Love Conquers All", no J...

Rock na Aldeia 2019

Município de Azambuja ass...

Parabéns Cátia Mateus!......

O Movimento Juntos pelo R...

Joana Bagulho toca Carlos...

NERSANT Business soma já ...

TEMAS DE SAÚDE: Sequelas ...

Não nascemos para sermos ...

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds