NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Sexta-feira, 30 de Setembro de 2011
CARTAXO - Conversas na Taberna - Museu Cartaxo

 

“O maior património da nossa vida são as recordações”

 

 Luísa Pato, natural do Cartaxo, engenheira civil de profissão, que ao longo dos anos tem desempenhado um papel de relevo na vida comunitária do concelho, pelo seu trabalho como autarca e como dirigente de uma instituição de solidariedade social, foi a convidada da 37.ª Conversa na Taberna, que decorreu no dia 28 de Setembro, no Museu Rural e do Vinho do Concelho do Cartaxo.

 

De menina grande a grande mulher. A distância é curta. Luísa Pato foi uma menina acarinhada e boa aluna. Foi uma jovem irreverente e lutadora. Hoje é uma mulher afortunada. Por ter causas para defender, por acreditar nos sonhos e nas pessoas que a rodeiam. Continua com “um grande mau feitio”, mas em contrapartida, não perdeu a alegria e a espontaneidade.  Luísa Pato é natural do Cartaxo. Nasceu em casa, com 5,6 kg – uma “menina grande” que à nascença foi “atirada para uma gaveta” enquanto a parteira atendia a mãe. Teve uma infância “pacífica”, vivida na periferia da então vila do Cartaxo. As ruas não eram alcatroadas, nem muito movimentadas. Eram elas o palco das principais brincadeiras.  Frequentou o Colégio Marcelino Mesquita com distinção. A mudança para o liceu de Santarém “foi brusca”, porque “aqui era uma menina acarinhada, do quadro de honra, e no liceu passei a ser uma desconhecida no meio de tantas outras”.  Mas continuou a ser uma boa aluna. Fez o 7.º ano sem ir a exame e fez greve em 1975, quando o Governo quis passar a média de 12 para 17 para a dispensa das orais. No Instituto Superior Técnico de Lisboa, ingressou no curso de Engenharia Civil, uma área que já lhe era familiar, não tivesse sido o seu pai um dos grandes impulsionadores da construção civil no concelho.  Os tempos vividos na capital do país marcaram a sua juventude. “Não estudava muito e divertia-me imenso. Conheci gente belíssima e hoje sinto saudades dos tempos em que fazíamos directas”. Como aproveitou ao máximo os seus tempos de juventude, hoje compreende melhor os seus filhos. “Eles não fazem nada que eu não tenha feito na altura, ainda que com menos excessos”.   Em casa, é uma mulher entre homens. Casou ainda antes de terminar o curso e teve três filhos. Considera-se uma pessoa afortunada, em parte, pelas boas memórias que guarda do que viveu. “O maior património da nossa vida são as recordações”.  Decidiu acabar o curso aos 32 anos e entrou para a empresa do pai, com quem aprendeu muito. Foi também pela mão do seu pai que começou a frequentar a Santa Casa da Misericórdia do Cartaxo e hoje faz parte dos órgãos sociais desta instituição.  “Dá-me muito prazer participar na gestão desta instituição. Sou uma mulher de lutas, gosto de ter causas para defender”.  A política foi outra área que abraçou. Primeiro na Junta de Freguesia do Cartaxo, depois na Assembleia Municipal, Câmara Municipal – onde foi vereadora –, e agora mais uma vez enquanto membro da Assembleia Municipal.  Mas, assume, “estou na política em estilo de pré-reforma. A política é saudável desde que haja mudanças, caso contrário, habituamo-nos a minorar alguns problemas. Nessa altura, é o momento de sair”.  Reconhece o seu mau feitio. Quando os humores não são os melhores, as pessoas que lhe são mais próximas permitem que fale à vontade e adiam a conversa para o dia seguinte. É igualmente uma pessoa alegre, que tenta sempre encontrar o lado positivo, mesmo das piores situações.  “Eu era a única que conseguia contar um desgosto de amor a rir. É muito bom quando nos sabemos rir de nós mesmos. Temos de nos rir das nossas próprias desgraças antes dos outros o fazerem. Isso é muito saudável. E se procurarmos bem, em tudo de mal que nos acontece, encontramos sempre algo de bom”. Se não encontrarmos, a dança pode ser uma boa opção para esquecer os problemas. Pelo menos na Santa Casa da Misericórdia, Luísa Pato constata que a música é uma das artes “que mais mexe com os idosos”, que faz renascer neles sentimentos de alegria.  Luísa Pato adora dançar, embora pertença a uma geração “em que os rapazes deixaram de saber dançar. No pós-25 de Abril, era foleiro dançar. Felizmente hoje os jovens já não têm esse estigma”.  Talvez Luísa Pato tenha herdado esse gosto, porque o seu avô materno, feitor de quintas, era dançarino, sendo muitas vezes convidado pelos patrões para dançar nas suas festas. A sua mãe “também dançava muito bem”. Já o seu marido, não tem muita queda para a dança, mas também não se importa que Luísa Pato arranje par. Sendo “uma pessoa da terra”, acha o folclore “lindíssimo”, é adepta das touradas e gosta de um bom vinho à refeição. Sente-se bem nesta terra de tradições e de gente ainda muito ligada ao mundo rural.  Também ela quer manter essa ligação, com pequenas atitudes como a de ter uma horta. Só a chateia ter de se cruzar todos os dias com “um pequeno inimigo”. É que Luísa Pato tem uma outra particularidade, que nasceu com ela e a tem acompanhado ao longo da sua vida, motivando peripécias e algumas graças – a fobia pelos moluscos gastrópodes terrestres de concha espiralada calcária… mais conhecidos por caracóis.



publicado por Noticias do Ribatejo às 17:11
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

Inscrições para a Univers...

Município do Entroncament...

JORNADAS DE CULTURA ATÉ 2...

Festival de música Cartax...

Tertúlia Festa Brava orga...

“Quando ela… é ele!” teat...

Professores dos 3 Agrupam...

CARTAXO VOLTA A APRESENTA...

Jovens atores da Chamusca...

Tomar dá o corpo ao manif...

Programa de Educação Pare...

“Chamusca das Três Graças...

ERROS GROSSEIROS NA ELABO...

Festival de música Cartax...

Há apoios do Portugal 202...

‘Santarém em Cena’ reúne ...

Teatro Sá da Bandeira ini...

Ceyceyra Medieval a 21 e ...

TEMAS DE SAÚDE: Doente on...

"O medo tem alguma utilid...

Município de Azambuja ass...

Ano letivo 2019-2020 arra...

Tomar – Prisão preventiva...

Arroz é rei em novo event...

PSD visita operação de li...

Fórum Cultural em Arruda ...

CÂMARA MUNICIPAL DO CARTA...

Santarém retoma liderança...

União de Tertúlias de Aza...

Mercado de Outono e ofici...

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds