NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 11 de Fevereiro de 2018
RALLY VILA MEDIEVAL DE OURÉM - 2018

41

 

 
Decorreu na tarde de sábado a apresentação pública e à imprensa da edição de 2018 do Rally Vila Medieval de Ourém, um projeto do CCR do Olival (Olival Motorizado), que mais uma vez irá contar com o apoio expresso da Câmara Municipal de Ourém.
A edição deste ano surge mais ambiciosa, aliás na linha do esperado, após os sucessos anteriores desta organização, estendendo o traçado aos limites do Município de Ourém, do Bairro ao Agroal, passando pela zona histórica de Ourém e pela área urbana da cidade, que terá oportunidade de voltar a sentir as emoções de uma superespecial no último dia da competição.
Rally que irá para a estrada nos dias 24 e 25 de Março, com um esperado leque de pilotos de primeira linha, um envolvimento paisagístico de referência e muito, muito público nas estradas para viver as emoções do desporto motorizado e neste caso do já conhecido e admirado Rally Vila Medieval de Ourém.
Uma apresentação que teve presenças de peso na esfera municipal, como foram os casos do presidente Luís Miguel Albuquerque, dos Vereadores Isabel Costa e Rui Vital e do Presidente da Assembleia Municipal, João Moura.
A oportunidade serviu ainda para proporcionar a assinatura do protocolo de colaboração do Município com o CRO Olival, em relação ao apoio financeiro a conceder à organização do Rally. A edição deste ano conta como padrinho o Campeão Nacional Vitor Pascoal. São cerca de 162 Kms dividos pelas especiais : Castelo, Agroal,Pegadas de Dinossauro e Super Especial Município de Ourém. A prova candidata ao Campeonato de Portugal de Ralis em 2019,pontua para o Desafio Kumbo,Troféu CIN TEAM Baia ( Prova extra) Challenge 1000 e abre o Campeonato Regional Centro na sua fase de asfalto. 
 

42

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 18:32
link do post | comentar | favorito

Quando a vida rima

ANAFONSECA

Por: Ana Fonseca da Luz

 

Quando a vida rima

 

Não sei se te conte… Tenho vontade de te contar e, ao mesmo tempo, tenho medo de que te rias de mim… Conto? Não conto? Conto. Vou novamente confiar em ti. Afinal, em quem mais poderia eu confiar?…

Estás à minha frente, com esse ar de menina desamparada e com essa cara de princesa de contos de fadas que me desarma sempre. É que tu nem és assim tão bonita, mas tens uma cara tão sonhadora, um ar tão etéreo que qualquer pessoa, mesmo sem te conhecer, tem vontade de te contar tudo, até os segredos mais íntimos, aqueles que nem em confissão se dizem.

            Não sei se te conte... A dúvida instala-se novamente em mim, quando me olhas com esses olhos carregados de mel e essa boca de morango que eu quero só para mim…

Mexes-te na cadeira e eu noto-te impaciente, quase sofredora, quando, afinal, quem sofre sou eu. Trocas a perna, ajeitas o cabelo e penduras o teu olhar no meu. O mel escorre-te dos olhos escuros e eu fico desarmado, indefeso, perante a tua impaciência tão mal disfarçada.

Continuo a olhar-te e tu a mim.  Da minha boca nem um som se atreve a sair. Tenho calor, tenho frio, a gravata incomoda-me e, de repente, reparo como a minha camisa é feia. Esta manhã, quando a escolhi para o nosso encontro, achei-a fantástica. Mas agora… Só vim de gravata, porque sei que gostas de homens arrumadinhos…Se soubesses como esta maldita gravata me incomoda!…

De repente, o teu braço, que repousava em cima da mesa, ao lado da xícara do café, ganha vida e ajeita-me o nó da gravata.

– Adoro a tua gravata! – dizes-me e eu quase me derreto pelo chão. Nesse momento, senti necessidade de te dizer alguma coisa inteligente…Poético, mesmo!

– Pu-la, a pensar em ti!

            “Pu-la, a pensar em ti! Pu-la, a pensar em ti!”  Mas, onde raio tenho eu os neurónios?

Ela sorriu, com aquele sorriso sempre franco e eu ganhei mais um pouco de confiança em mim. Afinal não tinha dito nenhum disparate…

– Gosto da maneira como dizes as coisas. Pareces um menino crescido – diz-me, olhando-me ora nos olhos, ora na boca.

Deixo de ver com nitidez, deixo de ouvir os barulhos que me cercam e só te oiço e vejo a ti. Manhosa como só tu, percebes a minha aflição e martirizas-me, tirando-me o cabelo dos olhos, deixando deslizar suavemente a tua mão quente pelo meu rosto, que deve estar sem cor. E é nesse momento que os deuses me segredam ao ouvido que é agora ou nunca. Mas, afinal o que sou eu, um homem ou um rato? Pelos vistos um rato, porque, se eu fosse um homem, já lhe tinha dito tudo o que me sufoca, tudo o que eu sei que ela sabe que eu sinto.

Ela olha o relógio, balança a perna traçada, que, por sinal, de tão bem feita que é, ainda me enerva mais. Ajeita o cabelo comprido para trás da orelha e pergunta-me, com uma voz tão doce como os seus olhos:

– Afinal, tinhas uma coisa tão importante para me dizeres… Estou à espera…morro de impaciência.

Morde o lábio, num gesto que eu conheço tão bem e espera que eu fale, olhando-me nos olhos. Um homem não devia sofrer assim. Esta coisa de paixão é boa é para as mulheres. Como é que eu, um homem tão vivido, me deixei enredar nesta teia de sentimentos, que, há tanto tempo, estavam adormecidos?! Terei eu 18 anos? Mas onde foi que eu errei? Será castigo, por ter fingido que amei tantas mulheres? Isto só pode ser Karma… Malditas mulheres! Quando pensamos que sabemos tudo sobre elas, quando pensamos que solucionámos o mistério que se chama “mulher”, vem uma e troca-nos as voltas. Voltamos à estaca zero… Não sabemos nada sobre este bicho perigoso, sedutor e manhoso.

A perna dela já parou de balançar. O mel dos olhos acentua-lhe o olhar e a mão que me ajeitou o cabelo com tanto carinho parece-me agora mais calma sobre a mesa… Não sei se lhe conte… De repente, do nada, ela pega no guardanapo que está na mesa e começa a escrever, numa letra redonda e perfeita.

– Sabes o que te queria dizer?

– Não –  responde e continua a escrever, levantando apenas o olhar uma fracção de segundos, para me olhar.

            Como uma torrente, as palavras soltam-se da minha boca e digo tudo… O quanto a amo, o quanto ela me faz falta, que não imagino a minha vida sem ela, e todas aquelas coisas ridículas que uma pessoa apaixonada diz e que, mesmo que não façam sentido, são pura poesia para quem diz e para quem escuta.

Toda ela é um sorriso.  Toda ela é uma promessa.

Eu, eu começo a sentir que todo este martírio valeu a pena. Nunca hei-de perceber as mulheres, mas é realmente aí que reside a sua beleza, no seu mistério, nas coisas que não dizem e que nós temos de adivinhar e no mel dos seus olhos, que nos deixam gulosos por mais e mais.

Levantámo-nos para ir embora. Já na porta, o empregado detém-me. Entrega-me o guardanapo onde se destaca a sua letra bonita. Ela já está na rua. Apresso-me a ler o que escreveu, como um menino que  tem medo de ser apanhado a fazer uma coisa que não deve. Era um poema…

 

“Mas, meu amor, eu te digo ainda…

Que a boca da mulher é sempre linda

Se dentro guarda um verso que não diz!

 

Amo-te tanto! E nunca te beijei…

E nesse beijo, Amor, que eu não te dei

Guardo os versos mais lindos que te fiz!”



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Maio 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

19

25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Torres Novas espera receb...

Secretário de Estado das ...

“Conversas com café…” com...

CÂMARA REIVINDICA INTERVE...

MAIS PARTICIPAÇÃO, MELHOR...

Vereadores do PSD na Câma...

CORTE NO ABASTECIMENTO DE...

III Trail CPCD Sentieiras

14ª Corrida das Pontes | ...

Entroncamento celebra o D...

arquivos

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds