NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 18 de Março de 2018
Porquê!?

ANAGRACIOSA

Por: Ana Graciosa

 


Porquê!?
 

 

Há horas do dia, em que as saudades doem,

Que a hipocrisia corrói e nos entristece,

Que jamais devíamos acreditar, que quem te abraça, também é capaz de apunhalar…

Diz-me! Quem pode ser tão desumano?

Tu que eras tudo! Como consegues ser nada?

Tenho em meus olhos o teu sorriso,

Em meus lábios, o doce sabor dos teus,

Na minha memória, o calor do teu olhar,

Em cada poro da minha pele, o rasto das tuas mãos…

Há almas que se unem, sem que seja preciso estarem juntas,

Há dias, que sou mais tua que minha…

Diz-me! Que profundidade tem o meu ser?

Tu que me levas á lua! De que altura posso cair eu?

Há sentimentos que ultrapassam os limites da razão,

E emoções para as quais não temos explicação,

Fazes-me bem e … contigo o meu coração é feliz,

Mas… Mais feliz por mim do que por ti.

Sei-me por vezes inteligente, reverente, independente, intensa demais… mas também, imperfeita, rebelde, desobediente…

E Tu! Como será!

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 12:37
link do post | comentar | favorito

Um anjo passou por aqui

ANAFONSECA

 Por: Ana Fonseca da Luz

 

Um anjo passou por aqui

 

            A mesa estava posta a rigor. A toalha branca, de linho, que cobria a mesa, tinha sido do enxoval da minha avó. A partir do dia do seu casamento, sempre que havia festas na casa velha, essa toalha era posta na mesa. Será que a minha filha mais velha, que será a sua herdeira, a porá na mesa, nos dias em que houver festa, em sua casa? Acho que sim. Apesar de ser uma rapariga moderna, a Margarida é bastante conservadora, porque, tal como a minha mãe havia feito comigo, eu insistia em contar-lhe a história da nossa família e a orgulhar-se dela.

            Sobre a toalha branca, o serviço azul da Vista Alegre e os copos de cristal davam à mesa um toque especial, um toque de festa. Os castiçais de prata, presente de uma grande amiga, enriqueciam a mesa, sem, no entanto, a tornar demasiado pomposa. E que ficasse pomposa. Era Noite de Natal.

            A ementa era diferente da do tempo da minha avó e, até mesmo, da do tempo da minha mãe. Nesse dia, eu tinha optado por fazer algo de que nós gostássemos especialmente. Assim, a ementa era canja, a sopa preferida da minha filha mais velha, seguida de bacalhau com natas, o prato preferido da mais nova. Depois, leitão assado, o prato preferido do meu marido. E eu, que era a que tinha sempre mais trabalho na organização do jantar de Natal, escolhia os doces de que mais gostava: papos de Anjo e bolo de amêndoas com ovos moles.

            Era realmente um dia especial, a véspera de Natal. A lareira estava acesa e a casa tinha um cheiro adocicado, sem se tornar enjoativo. Ao canto, na sala de estar, uma grande árvore de Natal enchia de cor este dia. Mas, o que tinha realmente relevo era, sem dúvida, o presépio. Todos os anos era posto sobre a mesma mesa, mas a decoração era sempre diferente.

            Enquanto dava os últimos retoques, a ver se nada faltava, punha o CD do meu compositor preferido, Mozart. Corria a casa, a ver se estava tudo em ordem, se as toalhas da casa-de-banho estavam direitas nos toalheiros, se as colchas das camas estavam sem rugas, se as flores, nas jarras, estavam ainda tão viçosas como de manhã. Mas, como de costume, tudo estava impecável.

            Mozart enchia-me a alma de calma. Mas, para quê nervos? Afinal, era apenas mais um jantar de Natal. Não. Era o primeiro jantar sem a companhia da minha mãe. Ia ficar um lugar vazio na grande mesa. Um lugar vazio, tal como era agora o seu quarto. Passei pelo quarto dela, na vã esperança de a encontrar frente ao espelho, a pentear-se e a pôr mais um borrifo do seu perfume preferido, tal como a tinha encontrado, um ano antes.

            - Está pronta, mãe? Os manos estão a chegar.

            - Estou pronta. Mas, senta-te aqui, um minuto só.

            Sentei-me aos pés da cama, ela borrifou-me com o seu perfume e disse-me:

            - Sabes? Um anjo passou por aqui!...

            Não compreendi e perguntei-lhe:

            - Um quê?

- Um anjo, filhota! Um anjo passou por aqui, minutos antes de tu entrares.

A minha mãe sempre tinha tido paixão por anjos e tinha lido tudo sobre eles. No entanto, nunca tinha visto nenhum. Dizia apenas que os sentia.

- Como foi, mãe? Como sabe que era um anjo?

Falar de anjos com a minha mãe sempre tinha sido uma coisa normal. Costumávamos mesmo passar serões em que não se falava de outra coisa. As miúdas chegavam a preferir deixar de sair, só para ouvirem a avó contar histórias de anjos que só ela conhecia. Durante anos leu tudo o que havia publicado sobre anjos. Um dia, após terminar mais um livro, disse-me:

            - Este foi o último livro que li sobre anjos. Já sei tudo. A partir de agora, o que aprender não vai ser através de livros, mas através do coração.

            Não a questionei. Mas, adivinhando a minha curiosidade, ela disse:

            - Todos temos um anjo. Só não o vemos, se não tivermos um bom coração.

            Naquela última véspera de Natal, ela disse-me que um anjo tinha passado por ali.

            - Como sabe que era um anjo, mãe? - insisti.

            - Com o coração. Vou-te explicar. Olhei para o espelho e não me reconheci. Vi-me menina outra vez e senti o cheiro a charneca. Vieram-me as lágrimas aos olhos e, no peito, senti uma alegria inexplicável. O meu anjo cheira a flores do mato. Tens flores do mato nos teus arranjos de Natal? Não. Eu sei que não tens. Não te consigo explicar de outra maneira. Tens de entender com o coração. O meu anjo passou por aqui, para me dizer qualquer coisa que eu, infelizmente, não consegui compreender. Quem sabe se ele não volta mais tarde?

            Nessa noite, depois do jantar de Natal, depois dos pequenos abrirem os presentes e de encher um saco enorme com papéis de mil cores, a minha mãe disse-me que estava cansada. Que se ia deitar. Os netos abraçaram-na com ternura e nós, os filhos, desejámos-lhe, mais uma vez, Feliz Natal.

            Ficámos todos na sala, a tomar café e a fumar o último cigarro, enquanto as crianças remexiam nos seus presentes, com satisfação. Já tarde, todos saíram. As miúdas deitaram-se e o meu marido adormeceu no sofá, com as barbas postiças de Pai Natal.

            Como tenho um bocadinho a paranóia das arrumações, deitei mãos à obra, para deixar tudo impecável. De repente, o meu coração bateu mais forte e o cheiro a mato e a rosmaninho inundou-me por completo. Um arrepio percorreu a minha espinha e, largando tudo, corri para o quarto da minha mãe. Tinha de lhe contar.

Bati e entrei. A cama estava por abrir e a minha mãe repousava serenamente no seu sofá, perto da escrivaninha. Aberto, no seu colo, estava um álbum antigo, com fotografias já amarelecidas pelo tempo. Era o retrato do meu pai. Compreendi logo que a minha mãe estava sem vida. Apesar de o choque ser enorme, agradeci a Deus por tê-la presenteado com uma morte serena, como ela sempre Lhe tinha pedido.

Hoje, passado um ano, na jarra do seu quarto, pus um ramo de alecrim e rosmaninho. E posso dizer que um anjo passou por aqui.

                 in A Rua das Magnólias

 

 

 

 

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Setembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

22

25
26
27
28
29

30


posts recentes

Conversas com café… “Vamo...

Quarta edição do “Verão I...

Município da Chamusca: In...

Município da Chamusca: Mu...

Festa da Amizade Etnofolc...

Detida em flagrante por i...

A D. Custódia

PETIT GATÔ em Concerto na...

Segundo fim de semana da ...

CORUCHE INTEGRA O PROJETO...

NERSANT integra seminário...

Câmara de Santarém lança ...

XIV edição do FITIJ ofere...

DIA EUROPEU SEM CARROS CO...

CORTE NO ABASTECIMENTO DE...

UNIÃO CARTAXENSE – JOGO D...

Dia Mundial do Turismo ce...

Aproveite o que Santarém ...

Formação financiada já di...

ARRAIAL DO TORRICADO

Escola Superior de Educaç...

LIMPEZA E HIGIENICAÇÃO DE...

Município da Chamusca rec...

Acordo de Geminação entre...

CARTAXO ELEGEU REI E RAIN...

Câmara de Santarém assina...

Exposição “Sá da Bandeira...

CÂMARA MUNICIPAL DE SALVA...

Exposição Comemorativa 30...

SEMANA EUROPEIA DA MOBILI...

arquivos

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds