NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 1 de Julho de 2018
Caminhada sem retorno

ANAFONSECA

Por: Ana Fonseca da Luz

 

 

Caminhada sem retorno

 

Dança-me nas mãos, toda a quietude adormecida, dos teus olhos de menina assustada, como se tivesses medo, que o tempo, de que tens saudades, voltasse para trás e te trouxesse as mágoas, que há muito fingiste ter esquecido.
Mas hoje, é domingo na tua alma e toda a tua essência vibra de uma felicidade fingida, mas que aos olhos dos outros, parece tão verdadeira e transparente como as lágrimas que não choras, não por vergonha, mas por valentia.
Apertas uma mão na outra, numa ânsia tão grande, que quase se ouve, apesar de dentro de ti, reinar um silêncio sepulcral.
Por que não choras?
Se chorasses talvez afogasses essas dores e renascesses, emergindo, renascida das coisas que te cravaram no peito…
Baixas os olhos, emudeces e pareces ignorar-me, porque as coisas que te digo, te magoam.
Resolvo dar-te tréguas e fingir que nada aconteceu, que nada nos separa a não ser o silêncio que constantemente brota das nossas palavras.
Deitas finalmente os teus olhos nos meus, como que pedindo desculpa…ou ajuda.
Hoje, não consigo decifrar os teus olhos.
Olho-te e vejo uma estranha…
Olhas-me e nem sequer me vês…
Para quê teimar em fazer esta caminhada?
Este é um caminho sem regresso.
Eu sei.
Tu sabes.
Mas ambos fingimos não saber…



publicado por Noticias do Ribatejo às 16:43
link do post | comentar | favorito

Caminhada sem retorno

ANAFONSECA

Por: Ana Fonseca da Luz

 

 

Caminhada sem retorno

 

Dança-me nas mãos, toda a quietude adormecida, dos teus olhos de menina assustada, como se tivesses medo, que o tempo, de que tens saudades, voltasse para trás e te trouxesse as mágoas, que há muito fingiste ter esquecido.
Mas hoje, é domingo na tua alma e toda a tua essência vibra de uma felicidade fingida, mas que aos olhos dos outros, parece tão verdadeira e transparente como as lágrimas que não choras, não por vergonha, mas por valentia.
Apertas uma mão na outra, numa ânsia tão grande, que quase se ouve, apesar de dentro de ti, reinar um silêncio sepulcral.
Por que não choras?
Se chorasses talvez afogasses essas dores e renascesses, emergindo, renascida das coisas que te cravaram no peito…
Baixas os olhos, emudeces e pareces ignorar-me, porque as coisas que te digo, te magoam.
Resolvo dar-te tréguas e fingir que nada aconteceu, que nada nos separa a não ser o silêncio que constantemente brota das nossas palavras.
Deitas finalmente os teus olhos nos meus, como que pedindo desculpa…ou ajuda.
Hoje, não consigo decifrar os teus olhos.
Olho-te e vejo uma estranha…
Olhas-me e nem sequer me vês…
Para quê teimar em fazer esta caminhada?
Este é um caminho sem regresso.
Eu sei.
Tu sabes.
Mas ambos fingimos não saber…



publicado por Noticias do Ribatejo às 11:33
link do post | comentar | favorito

DILUIÇÃO

ANAGRACIOSA

Por: Ana Graciosa

 

DILUIÇÃO

 

O que é um processo espiritual?
O que é fazer processo?
Fazer um processo espiritual é deixar-se diluir nas águas.
A diluição é um comando poderoso da alma.  A alma dilui-se no Universo.
Dilui-se na energia.
E essa diluição no todo é o que faz com que a alma seja
parte do todo, parte do Universo.
É nesse diluir que mora o segredo da comunhão.
O ser humano, tal e qual como está, tal e qual como
vive nessa energia densa aí em baixo, não está minimamente
preparado para se diluir.
Ele pensa que é matéria, não sabe que é energia.
Se ele soubesse que é energia, sendo a matéria um mero
invólucro, que serve para carregar as limitações físicas que
atraiu para poder trabalhar as suas fragilidades…
Se ele soubesse que a sua parte energética é a sua parte
mais poderosa…
Se ele soubesse que só se diluindo como físico, só se
diluindo como espírito ele encontrará a dimensão da alma
e finalmente se poderá fundir…
Se ele soubesse que o acordo que firmou antes de
encarnar lhe traz o dever de se diluir em energia para
melhor fazer a fusão que lhe irá devolver a unidade…
Se ele soubesse…
– E como fazer para diluir? Para chegar à frequência da
alma?  É fácil:
Diluir é deixar que cada coisa aconteça quando tem de
acontecer.
É saber que tudo no Universo tem um tempo propício,
e que as pessoas não deveriam bloquear o que está para
acontecer.
Se alguém de quem gostas te faz mal, por exemplo,
deves chorar. Chorar de tristeza. Chorar de tristeza por
teres atraído alguém assim, que é tão infeliz ao ponto de
magoar quem lhe quer bem. Só isso.
Só assim te irás diluir na própria emoção que sentes, e
nunca, nunca bloquear uma dor.
Aos poucos vais-te habituando à ideia de que a vida
traz emoções alegres e tristes, e que tudo flui se não deixares
escapar nada.
Sentir, sentir, sentir.
Mas as pessoas não fazem isto. Não se diluem em emoções
adversas.
As pessoas ficam zangadas, ficam com raiva, culpam as
outras, ficam endurecidas, e continuam as suas vidas com
um nó no peito, provocado por emoções que se recusaram
a aceitar.
Como eu sempre digo, não é preciso aceitar o facto de
nos fazerem mal, mas é preciso aceitar vivenciar a emoção
que esse acontecimento traz.
E assim vão vivendo, vida após vida, sem aceitar sentir,
sem aceitar vivenciar, sem jamais diluir.
E jamais também o ser entra na dimensão da alma.
E jamais o ser consegue se libertar.
E jamais irá ascender.

“Alexandra Solnado”

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 11:32
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Invista no seu desenvolvi...

MOMENTOS NO LARGO DIA 21 ...

Município aprovou atribui...

AR E CÂMARA DE BENAVENTE ...

Aprovada a adjudicação do...

Manhãs Botânicas no Jardi...

Street Food In.Str Magica...

CARTAXO PROMOVE TROCA DE ...

FESTAS DO PORTO ALTO ESPE...

RUAS ENFEITADAS DO PEREIR...

arquivos

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds