NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 29 de Julho de 2012
TEMAS DE SAÚDE: Lesões no Desporto

Por: Antonieta Dias (*)


Apesar da melhoria e progressos nos processos de treino, nos equipamentos e nas técnicas cirúrgicas, e independentemente do nível de capacidades ou experiências, ninguém que participe em competições ou em programas de actividade física está imune ao risco de lesões (Gould e Udry, 1994).

A área de investigação que mais tem contribuído para o estudo dos factores psicossociais de risco nas lesões desportivas é, sem dúvida, o estudo do stress associado aos acontecimentos da vida dos atletas e a sua relação com a ocorrência de lesões (Heil, 1993; Pargman, 1993; Williams e Roepke, 1993).

A interacção entre os componentes cognitiva e fisiológica da resposta ao stress, sobretudo em situações desportivas geradoras de elevados níveis de stress, influencia em maior ou menor grau a probabilidade de ocorrência de lesões. No que se refere à avaliação cognitiva das lesões desportivas geradoras de stress (ex: competição, treino, titularidade, etc.), tal avaliação pode, por vezes, originar ou produzir respostas emocionais inadequadas ou desajustadas que, por sua vez, podem predispor um atleta para um maior risco de lesões. Tal deve-se, em grande parte às mudanças fisiológicas e atencionais que acompanham as avaliações cognitivas de carácter negativo.

A presença de reacções emocionais negativas ou desadaptativas interfere assim no bem estar psicológico dos atletas lesionados, mas também pode interferir na reabilitação da lesão e nos níveis de aderência, adesão e motivação adequadas às tarefas e actividades de reabilitação. Por isso Buceta (no prelo) refere a importância de prestar atenção à natureza stressante das lesões desportivas e salienta a necessidade de considerar os vários aspectos e momentos do stress pós-lesão: o stress da hospitalização e das intervenções cirúrgicas, o stress na reabilitação das lesões, o stress no regresso à actividade desportiva habitual, o stress dos atletas lesionados, que têm de competir nesse estado e o stress dos atletas lesionados que são obrigados a abandonar a prática desportiva. Não se pode assim dizer que é apenas a presença de stress que contribui para aumentar a vulnerabilidade às lesões desportivas. Estas, por sua vez, podem também aumentar a vulnerabilidade à experiência do stress.

As lesões constituem um dos obstáculos mais significativos ao rendimento bem sucedido em contextos desportivos. Sendo virtualmente uma preocupação diária no desporto, os efeitos das lesões no bem estar psicológico dos atletas e no rendimento posterior são bem evidentes. Paralelamente, a capacidade de resistir às lesões e de recuperar rapidamente quando se está lesionado é um factor importante e decisivo na longevidade desportiva e no sucesso dos atletas (Heil, 1993).

Em face do elevado tempo, energia e esforço dispendidos pelos atletas para a obtenção de níveis máximos de rendimento, uma lesão pode constituir muitas vezes um acontecimento traumático da vida, com consequências físicas e psicológicas imprevisíveis.

Recentemente, vários estudos têm documentado a importância atribuída por treinadores e atletas aos aspectos e factores psicológicos na reabilitação e recuperação das lesões (v.g., Levleva e Orlick, 1991; Wiese e Weiss, 1987).

Posteriormente, Booth (1987) estimou em cerca de 17 milhões o número de lesões desportivas que ocorriam anualmente entre os atletas americanos.

Simultaneamente, um estudo de Mueller e Blyth (1987), considerando apenas a modalidade de football no ensino secundário dos EUA, apontava para 10 mortes, entre um milhão de lesões por ano. Do mesmo modo, Zemper (1989) referia que quase um em cada dois atletas universitários de football americano sofria de uma lesão grave que o impedia de participar na competição.

Paralelamente, Booth (1989) apresentava dados que indicam que, em cada ano, um terço dos cerca de 15 milhões de joggers dos EUA apresentavam lesões músculo-esqueléticas.

Por sua vez, Hardy e Crace (1990) referem que, anualmente, e só nos desportos amadores dos EUA, quase metade de todos os participantes em actividades e práticas desportivas sofre uma lesão que os impede de participar ou competir (um quarto destas lesões exige pelo menos uma semana de inactividade total). Talvez por isso, Boice e Sabolewski (1989) consideravam que a incidência de lesões era tão séria nas crianças, adolescentes e adultos, que as lesões substituíram as doenças infecciosas como principal causa de morte ou deficiência.

Heil (1993) salienta que, para além das lesões físicas, os atletas “arriscam-se” a outras “lesões” médicas e psicológicas, em consequência da sua participação na prática desportiva. O síndrome da sobrecarga de treino, as desordens da alimentação e o abuso de drogas exemplificam bem tais consequências: “elas têm um impacto directo na saúde e no rendimento e, por sua vez, aumentam o risco de lesão física” (p.5). Estas lesões têm os seus custos financeiros e pessoais e limitam o potencial sucesso desportivo.

No entanto, e apesar dos avanços tecnológicos na segurança dos equipamentos e na melhoria da metodologia do treino, as lesões continuam a aumentar em todos os desportos (Hanson, McCullagh e Tonymon, 1992).

A gravidade das lesões desportivas tem levado, na última década, muitos investigadores no domínio da Medicina e da Psicologia Desportiva a abordarem este problema.

De entre a literatura existente, salienta-se um crescente número de estudos e trabalhos sobre os aspectos e factores psicológicos associados às lesões desportivas e sua reabilitação e recuperação (ver Heil, 1993: Pargman, 1993; Williams e Roepke, 1993). Embora sem dúvida alguma, alguns factores de natureza física e diversos factores de ordem psicológica parecem contribuir também para uma maior predisposição e/ou vulnerabilidade às lesões, muito temos ainda que investigar, para aprofundar e fundamentar os conhecimentos.

Em suma, no trabalho de recuperação da lesão, é fundamental a avaliação de determinadas variáveis extremamente importantes no processo. Para além da avaliação da lesão, do seu impacto emocional e da dor associada, no período pós-lesão é importante avaliar também variáveis como a adaptação e aderência ao programa de reabilitação, progresso terapêutico, certas variáveis desportivas e a tendência do atleta para o evitamento ou “fuga”.

É dever do médico especialista em medicina desportiva, empenhar-se no programa de reabilitação e no acompanhamento do atleta lesionado, de forma a minimizar ou impedir que uma lesão se torne num insucesso da sua carreira desportiva.

(*) Doutorada em Medicina



publicado por Noticias do Ribatejo às 05:56
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

Inscrições para a Univers...

Município do Entroncament...

JORNADAS DE CULTURA ATÉ 2...

Festival de música Cartax...

Tertúlia Festa Brava orga...

“Quando ela… é ele!” teat...

Professores dos 3 Agrupam...

CARTAXO VOLTA A APRESENTA...

Jovens atores da Chamusca...

Tomar dá o corpo ao manif...

Programa de Educação Pare...

“Chamusca das Três Graças...

ERROS GROSSEIROS NA ELABO...

Festival de música Cartax...

Há apoios do Portugal 202...

‘Santarém em Cena’ reúne ...

Teatro Sá da Bandeira ini...

Ceyceyra Medieval a 21 e ...

TEMAS DE SAÚDE: Doente on...

"O medo tem alguma utilid...

Município de Azambuja ass...

Ano letivo 2019-2020 arra...

Tomar – Prisão preventiva...

Arroz é rei em novo event...

PSD visita operação de li...

Fórum Cultural em Arruda ...

CÂMARA MUNICIPAL DO CARTA...

Santarém retoma liderança...

União de Tertúlias de Aza...

Mercado de Outono e ofici...

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds