NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 28 de Outubro de 2012
SANTARÉM:Cancro da mama

Por: Antonieta Dias (*)


O mês de Outubro é o mês internacional do Cancro da Mama. Trata-se de uma patologia que pelas suas característica gera um impacto negativo na vida da mulher, não só pela gravidade da doença em si, como pela consciencialização da transformação morfológica que pode vir a sofrer devido à abordagem terapêutica mais ou menos invasiva, que irá ser definida pelas recomendações preconizadas que no caso em apreço exige.

Estima-se que na Europa surjam todos os anos 430.000 novos casos e que uma em cada dez mulheres venha a desenvolver a doença antes dos 80 anos.

O cancro da mama é de etiologia desconhecida. Porém, existem alguns dados que indiciam que as contusões violentas na mama só por si, não são responsáveis pelo aparecimento da doença, porém exigem uma maior atenção e vigilância, que não pode em circunstância nenhuma ser desvalorizadas.

 Sempre que uma mulher sofre embates mamários de impacto intenso, deve ser observada e investigada periodicamente pela eventual perigosidade, que estes acidentes podem originar, sem contudo, esquecer de alertar a mulher para a necessidade de fazer uma palpação mamária mensal regular e para recorrer ao seu médico assistente se notar alterações no tecido mamário  habitual.

Convém ainda esclarecer que esta doença não é contagiosa, sendo que o contacto com estas doentes, não gera doença na outra pessoa.

Alguns estudos efectuados revelam a existência de alguns factores que evidenciam um risco aumentado de cancro da mama, que passamos a descrever:

1-Relativamente à idade da mulher a incidência do cancro da mama aumenta com a idade, sobretudo acima dos 60 anos (já na menopausa), em que as mulheres apresentam um risco mais elevado quando comparadas com as mulheres em idade fértil.

Quanto aos antecedentes pessoais, nas mulheres que tiveram cancro da mama(numa só mama) têm um risco aumentado de ter cancro na outra mama também.

Quando na história clínica revela antecedentes familiares, de cancro da mama, designadamente mãe, avós, tias ou irmãs, sobretudo se surgirem nas faixas etárias mais baixas (antes dos 40 anos), o risco de vir a desenvolver um cancro é ainda maior.

Importa, contudo referir que as alterações celulares no tecido mamário, como por exemplo a hiperplasia atípica ou o carcinoma lobular in-situ, aumentam o risco de cancro da mama.

Nas mulheres submetidas a estudo genético, se o mesmo revelar a presença de certos genes como por exemplo(BRCA1, BRCA2), o risco também aumenta.

Relativamente aos genes, os estudos genéticos realizados nas famílias com antecedentes de cancro da mama, revelaram a presença de alterações genéticas específicas, pelo que se aconselha a realização dos testes genéticos de rastreio, nas mulheres cuja historia familiar é positiva para esta patologia, com o objectivo de minimizar o risco e fazer o diagnóstico precoce desta doença.

Outros estudos efectuados revelaram que a neoplasia da mama tem uma incidência maior na raça caucasina (brancas), quando comparadas, com mulheres africanas, ou asiáticas.

Relativamente à história ginecológica, os dados apontam para um maior risco em mulheres, cuja menarca (1.ª menstruação), foi precoce antes dos 12 anos de idade, nas mulheres que tiveram a  primeira gravidez depois dos 31 anos de idade, nas que tiveram uma menopausa tardia (depois dos 55 anos de idade), nas nulíparas (mulheres que nunca tiveram filhos), nas mulheres que durante a menopausa são submetidas a terapêutica hormonal de substituição( estrogénios, estrogénios e progesterona, por períodos iguais ou superiores a 5 anos e nas mulheres submetidas a radioterapia ao peito, sobretudo antes dos 30 anos, nomeadamente mulheres com linfoma de Hodking, havendo aqui um aumento ainda maior nas mulheres que fizeram tratamentos antes dos 30 anos.

Em termos morfológicos o risco também está aumentado em mulheres mais velhas com uma densidade mamária elevada para esta faixa etária, nas obesas, sendo este risco superior na pós-menopausa, devido a um aumento da gordura corporal(o tecido gordo produz mais estrogénios).

Alguns estudos revelaram ainda que as mulheres que aumentam de peso na pós menopausa, também têm uma incidência maior de cancro da mama.

Importa, ainda referir que as mulheres inactivas, isto é que não praticam qualquer actividade física e que ingerem bebidas alcoólicas em excesso têm também um risco aumentado de cancro da mama.

Em suma, alguns factores de risco podem ser modificáveis, a fim de evitar ou minimizar o aparecimento desta patologia, havendo por isso necessidade de implementar medidas antecipatórias, como sejam a adopção de estilos de vida saudáveis, o cumprimento de esquemas de prevenção protocolados de vigilância periódica (realização de ecografias/mamografias de controlo), a diminuição da ingestão de substâncias alimentares favorecedoras do excesso de peso, a implementação da pratica de exercício físico regular. Ensinar, estimular e motivar a mulher para a necessidade de fazer a palpação mamária de forma regular, sempre a seguir ao período menstrual (na idade fértil) ou no primeiro dia de cada mês quando já se encontram na menopausa, são aspectos importantes a desenvolver.

Apesar dos progressos no diagnóstico precoce e no tratamento adequado, a sobrevida após dez anos, ainda é de cinquenta por cento.

Calcula-se que nos países europeus, uma em cada onze mulheres virá a sofrer de neoplasia (cancro) da mama, o que determina um grave problema de saúde pública devido à frequência elevada e mortalidade desta doença.

A incidência da doença varia de país para país, sendo nos países industrializados mais elevada, calculando-se que seja de quatro por cento ao ano, e que atingem mais as mulheres acima dos cinquenta e cinco anos de idade (após a menopausa).

Para melhorar a sobrevida destas mulheres é necessário fazer a detecção precoce da doença e instituir tratamentos eficazes.

Compete aos profissionais da saúde estar mais atentos para os dois picos etários em que a incidência se revela mais elevada a qual abrange o grupo das mulheres com idades compreendidas entre os 45 e os 48 anos (1 em cada 4 casos ocorre nesta faixa etária) e no grupo dos 65 aos 75 anos (três quartos dos casos surgem neste grupo).

Por todas estas razões podemos concluir, que a prevenção, o diagnostico precoce e o tratamento atempado são determinantes para impedir ou minimizar os efeitos deletérios desta doença.

(`) Doutorada em medicina



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Agosto 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

...

Torneio de Sueca do Conce...

Comemorações do Dia Inter...

Município da Chamusca atr...

Município de Azambuja dá ...

AS PISCINAS MUNICIPAIS DO...

Chamusca recebe “Rua das ...

MERCADONA ABRE HOJE LOJA ...

Requalificação de Arruame...

Galeria Municipal do Entr...

Recolhas gratuitas de lix...

Município de Santarém mar...

Entroncamento vai ter cur...

Cineteatro da Chamusca re...

Município de Santarém apo...

REI E RAINHA DAS VINDIMAS...

Entroncamento realiza Tor...

Município de Azambuja vol...

“Artéria” – Programa de A...

Candidaturas abertas para...

VI Festa do Emigrante

Município de Azambuja com...

Já avançou a empreitada d...

Programa de Voluntariado ...

SUSPENSÃO NO ABASTECIMENT...

Associação Cultural e Rec...

AZAMBUJA: Empreitada de R...

Recolha de Sangue e Dador...

Assembleia Municipal apro...

CÂMARAS MUNICIPAIS DO CAR...

tags

todas as tags

arquivos

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

DIRECTOR/rRESPONSÁVEL: António Centeio
Rua do Jardim, 2090-078 Alpiarça Telemóvel: 933 088 759
subscrever feeds