NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Sexta-feira, 28 de Dezembro de 2012
CARTAXO: José Trindade na 50.ª Conversa na Taberna

 

“O Tejo é que era a minha atração e não a bicicleta”

 

No dia 26 de dezembro, voltou a falar-se de ciclismo na Taberna do Museu Rural e do Vinho do Concelho do Cartaxo. Desta vez, pela voz de José Trindade, filho do ciclista cartaxeiro Alfredo Trindade e que também se dedicou à modalidade, tendo em 1951 se sagrado Campeão Nacional.

 

José Trindade nunca teve a ambição de se tornar uma “figura ímpar” do ciclismo nacional, como foi seu pai. Em criança, fascinava-o mais as águas claras e límpidas do Tejo do que o fervor das corridas de bicicleta, que desde pequeno conheceu por intermédio de seu pai.

 

A sua infância foi passada a jogar à bola nas ruas de Valada, a andar a cavalo pelos campos da Lezíria, a correr na areia das margens do rio ou a nadar nas suas águas. “O ciclismo nessa altura não me dizia nada”.

 

Mas nos meandros da modalidade, muitos alimentavam as esperanças de o ver a seguir as pisadas do pai. A convite de Arnaldo Sobral, que organizava provas a nível nacional, Alfredo Trindade decidiu levar pela primeira vez o filho a uma corrida à Figueira da Foz. “Eu tinha 5 ou 6 anos, não tinha bicicleta e o meu pai deu-me uma pasteleira, sem guiador de corrida e sem travões. Mas eu não sentia inclinação para o ciclismo. O Tejo é que era a minha atração e não a bicicleta. Um rio de águas claras e límpidas, cheio de cardumes de peixes. Viam-se enguias, camarão e até mexilhão”.

 

O mundo rural que o rodeava e no qual a família tinha as suas raízes e fazia dele o seu sustento dizia-lhe muito mais do que as corridas. Gostava de correr pelos campos cultivados, de brincar nos picadeiros e de andar a cavalo. Divertia-se a apanhar mexilhão no rio ou “na bicha de rapazitos” que se formava junto ao Tejo para passar o melão das camionetas para os barcos.

 

Passou a andar mais de bicicleta quando acabou a Escola Primária e entrou para o Colégio Marcelino Mesquita. “Com 12 anos, vinha de bicicleta de Valada para o Cartaxo. Foram uns anos difíceis, porque tinha de fazer esse trajeto todos os dias, fizesse sol ou chuva”.

 

Com o seu amigo Eduardo Nicolau – filho de José Maria Nicolau e com o qual o seu pai, Alfredo Trindade, havia travado grandes e saudáveis duelos na estrada –, fazia corridas quase todos os dias. Eram apenas “duelos entre amigos”, mas que denunciavam as aptidões dos dois jovens para a modalidade.

 

“O José Maria Nicolau quando soube que eu tinha ganho uma corrida do Colégio ao filho dele desafiou o meu pai a comprar-me uma bicicleta. Mas ele queria que eu primeiro acabasse o curso e só depois pensasse no ciclismo”.

 

José Trindade começou a aperceber-se que “o bichinho da bicicleta estava a ficar cá dentro”. Quando acabou o curso, pediu uma bicicleta ao pai e foi treinar para o Sporting. “Eu nunca tinha corrido e ganhei no primeiro treino que fiz no Sporting”.

 

O pai quis que José Trindade fizesse, tal como ele, um estágio em França, e José Trindade rumou a Paris, onde “ganhou muitos conhecimentos sobre ciclismo”, mas nesse período, “a melhor coisa” nunca fez, que foram competições, porque o Sporting não tinha dado essa autorização.

 

Quando foi recrutado para fazer o Serviço Militar, o ciclismo passou para segundo plano. “Foram tempos difíceis, entrei para a Cavalaria 7, fui depois para Santarém e mais tarde destacado para Santa Margarida. A tropa não me dava tempo para treinar, por isso levava grandes tareias nas corridas”.

 

Ao longo da sua juventude, participou em muitas corridas, foi camisola amarela em muitas delas e em 1951 sagrou-se Campeão Nacional.

 

Não se sentindo totalmente realizado com a sua carreira de ciclista, José Trindade começou a pensar no seu futuro e no sonho que sempre alimentou em trabalhar um dia no Banco Nacional Ultramarino (BNU).

“Entre 400 candidatos para o serviço de Contabilidade Pública, fiquei classificado nos 10 primeiros, mas para o BNU fiquei mal classificado”. Depois de ter estado cerca de um ano a trabalhar em Lisboa na Contabilidade Pública, conseguiu entrar para o Banco, mas teve de ir para Felgueiras, para desgosto do pai.

 

Passou posteriormente pelas delegações de Torres Novas, Cartaxo, Cantanhede e Santarém. “Em todas as terras por onde passei, era sempre uma festa quando o meu pai me ia visitar, porque ele era muito estimado. Eu em qualquer sítio era sempre conhecido como o filho do Trindade”.

 

José Trindade gostava do que fazia, porque “antigamente estabeleciam-se muitas amizades nos bancos. Éramos verdadeiros amigos dos clientes. Hoje há as máquinas, é muito diferente”.

 

José Trindade admira muito o seu pai – o que ele foi enquanto corredor e enquanto homem. “Ele nunca gostou que eu fosse ciclista porque era uma profissão muito difícil e custosa e ele não queria que o filho passasse por aquilo que ele passou”.

 

Quando deixou as corridas, o seu pai dedicou-se à agricultura, uma área que ele sempre gostou. “Também aí ele foi sempre o mesmo lutador, queria sempre ser o melhor. E fazia o melhor vinho branco em Valada, tinha boas castas e orgulhava-se por fazer vinhos extraordinários”.

 

Também no mundo rural, José Trindade seguiu as pisadas do pai e depois de se reformar, em 1990, deu continuidade ao trabalho do pai na agricultura. Mas com “a crise que a vinha atravessou e a introdução das novas técnicas”, optou por arrancar a vinha. “Agora só vejo a terra, é uma grande tristeza”.

 

José Trindade tem hoje 81 anos e continua a viver em Valada, mesmo à borda de água. O rio já não é o que era, o ciclismo também não. Ainda assim, todas as manhãs gosta de estender o olhar por essas águas que se tornaram menos claras. Do ciclismo, guarda as memórias e os troféus. Destes, prefere contemplar os do seu pai – são mais preciosos porque contêm dentro as emoções das lutas empolgantes que Alfredo Trindade travou com o seu grande amigo e rival José Maria Nicolau e que fazem deles “dois grandes gigantes do ciclismo nacional”.



publicado por Noticias do Ribatejo às 12:20
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

Inscrições para a Univers...

Município do Entroncament...

JORNADAS DE CULTURA ATÉ 2...

Festival de música Cartax...

Tertúlia Festa Brava orga...

“Quando ela… é ele!” teat...

Professores dos 3 Agrupam...

CARTAXO VOLTA A APRESENTA...

Jovens atores da Chamusca...

Tomar dá o corpo ao manif...

Programa de Educação Pare...

“Chamusca das Três Graças...

ERROS GROSSEIROS NA ELABO...

Festival de música Cartax...

Há apoios do Portugal 202...

‘Santarém em Cena’ reúne ...

Teatro Sá da Bandeira ini...

Ceyceyra Medieval a 21 e ...

TEMAS DE SAÚDE: Doente on...

"O medo tem alguma utilid...

Município de Azambuja ass...

Ano letivo 2019-2020 arra...

Tomar – Prisão preventiva...

Arroz é rei em novo event...

PSD visita operação de li...

Fórum Cultural em Arruda ...

CÂMARA MUNICIPAL DO CARTA...

Santarém retoma liderança...

União de Tertúlias de Aza...

Mercado de Outono e ofici...

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds