NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 21 de Abril de 2013
TEMAS DE SAÚDE: “Diarreia do viajante”

Por: Antonieta Dias (*)

 

A diarreia aguda é  a doença mais comum em viajantes. Estima-se que 60% dos viajantes que viajam para países em desenvolvimento é de 1-3%.

Apesar de representar uma morbilidade significativa raramente se torna numa doença grave.

Os dados apontam que um terço dos viajantes alteram significativamente as suas actividades devido a esta patologia.

Define-se diarreia do viajante, sempre que surgem mais de três dejecções de fezes não moldadas em vinte e quatro horas, associadas a febre, dor abdominal, cólicas, tenesmo, náuseas, vómitos e presença de sangue nas fezes.

A tipologia do quadro clinico, divide-se em aguda aquosa se persiste por um período inferior a duas semanas, persistente se tem um período superior a catorze dias e inferior a trinta dias e por diarreia crónica sempre que a sintomatologia é superior a seis semanas.

Designa-se por disenteria sempre que surge sangue ou pus nas fezes, tenesmo/dor à dejecção.

Relativamente à  Epidemiologia, considera-se de baixo risco (<10%): na Europa Central e do Norte, Austrália e Nova Zelândia, Estados Unidos da América, Canadá e Singapura, de Risco moderado (10 a 20%) : Caribe. África do Sul, países Mediterrâneos e de Alto Risco (>30%): Ásia (excepto Singapura), África (excepto África do Sul), América do Sul e Central (incluindo o México).

Na maioria dos casos este quadro clínico, surge nas primeiras duas semanas de viagem, tem uma duração média de quatro dias sem tratamento, sendo que a história natural da doença, em 90% dos casos resolve-se numa semana e em 98% resolve num mês.

Considera-se que existem grupos de riscos, onde se incluem os doentes imunocomprometidos (fenómeno translocação facilitada) (VIH CD4+ <200/ul; défice de IGA; imunossupressores; QT…), doentes com acidez gástrica diminuída (bloqueadores histamina H2, IBP),crianças, idosos e viajantes que fazem turismo de aventura.

Todavia, não podemos exluír a possibilidade de o viajante comum adquirir esta doença em mesmo que se encontre alojado em Resorts de luxo ou quando viajam em Cruzeiros.

Os agentes etiológicos são maioritariamente vírus em Portugal e nos Países desenvolvidos, enquanto que nos Países em desenvolvimento, a responsabilidade do aparecimento da doença está associada a infecção por bactérias, sendo a E. coli a principal causadora desta doença seguida de outros agentes invasivos Camylobacter, Shigella e Salmonella não typhi, ficando as Aeromonas e Vibrões não cólera no grupo menos frequente.

Os protozoários (Giardia lamblia, Entamoeba histolytica, Cyclospora cayetanenis, Cryptosporidium), como agentes mais incomuns, porém, quando surgem manifestam-se por um quadro de duração significativa (superior a duas semanas).

Estas gastroenterites, são mais frequentes em viajantes regressados, sendo o tempo de incubação da doença de uma a duas semanas, sendo tratados com antibióticos.

Considerando a distribuição geográfica da tipologia dos agentes infectantes a E. coli (ETEC e enteroaderente) predomina na América Latina, Caraíbas e África (até 70% no México), a infecção por Campylobacter na Tailândia, Nepal e África, a Salmonella e Shigella, na África, Ásia e América do Sul, a Cyclospora c. é endémica no Nepal, Perú, Haiti e Guatemala, enquanto que a cólera surge habitualmente por surtos/epidemias. Apesar de haver a possibilidade de minimizar esta doença (cólera) com uma vacina a sua eficácia é pequena.

A diarreia bacteriana, manifesta-se com um quadro de início súbito, com dejecções aquosas abundantes vs sanguinolentas, cólicas ligeiras a moderadas vs dor abdominal severa, anorexia, náuseas, vómitos associada a febre inferior a 39ºC, desencadeando assim uma desidratação mais ou menos severa conforme a persistência dos sintomas.

Por sua vez as diarreias de etiologia vírica apesar do quadro clinico ter uma sintomatologia muito semelhante, não cursa na maior parte dos casos com a presença sangue nas fezes).

A diarreia por protozoários tem um início gradual de sintomas ligeiros (2-5 dejecções por dia).

Na maior parte dos casos as diarreias do viajante são facilmente resolúveis, mas podem cursar com complicações sendo as mais frequentes: desidratação; intolerância à lactose e sintomas gastrointestinais persistentes.

Como complicações mais raras, destacamos: Síndrome de Guillain Barré (Campylobacter); Síndrome Hemolítico-urémico (E. Coli 0 157: H7); Síndrome de Reiter ou artrite reactiva HLA-B27 positivo); Colite hemorrágica, Colite pseudomembranosa (após antibioterapia) e bacteriemia.

A diarreia persistente, tem uma duração superior a trinta dias, tem início durante a viagem ou até trinta dias após regresso e a sua incidência ronda 1 a 3%.

O diagnostico desta doença baseia-se na história clínica(duração, emagrecimento7estado nutricional, gastroenterite aguda inicial com intervalos assintomáticos, presença de comorbilidades (HIV; DM), medicação8antibioterapia, história de viagem.

Como exames complementares de diagnostico, investigamos: parasitológico de fezes, recolhem-se três amostras de fezes em três dias consecutivos (directo e pesquisas de antigénios); coproculturas, pesquisa de toxina Clostridium se existe história de antibioterapia; pesquisa de substâncias redutoras e lipídios e pesquisa de leucócitos, lactoferrina e sangue oculto.No sangue encontramos por vezes anemia, leucocitose, trombocitose, eosinofilia, sendo algumas vezes necessário fazer testes serológicos: transglutaminases IgA, endomísio IgA, reticulina IgA ou outros.

Se temos um quadro clinico de diarreia, febre num doente que viajou para uma zona endémica de malária, não podemos esquecer de fazer o despiste da malária (gota espessa/esfregaço) para determinar a existência ou não do Ag Plasmodium, e hemoculturas.

O tratamento empírico é feito com medidas de suporte sendo o antibiótico preferencial no caso em apreço o Metronidazol.

Em suma, viajar pode traduzir uma aventura e um risco acrescido na aquisição de doenças, sendo minimizado este perigo, desde que seja realizada uma consulta pré viagem e pós viagem, tendo em conta a profilaxia que é proposta ao viajante de acordo com a viagem do destino, o aconselhamento que é feito e o tratamento atempado, sempre que a doença surge.

(*) Doutorada em medicina

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 10:59
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Maio 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13
14

15
16

22
23
26
27
28

29
30
31


posts recentes

É dia de Degustação Gastr...

José Milhazes, Moita Flor...

Dia da Juventude junta ce...

Tabuleiros e Bons Sons fo...

35 anos Quinta do Bill

Chamusca dedica dia à pop...

Entroncamento celebra “ma...

I Feira da Educação, Form...

Município de Tomar lança ...

Município de Santarém con...

 Cemitério dos Capuchos t...

Visita à freguesia e aten...

Novos percursos pedestres...

Dia Internacional dos Mus...

Ascensão é na Chamusca

COMIDAS DO MUNDO E VINHOS...

AUTOCARRO LABORATÓRIO ASS...

Município da Chamusca é o...

SANTARÉM: Programa Via Ex...

INSCRIÇÕES ABERTAS para 4...

Tomar recebe no final da ...

TROCA DE CORRESPONDÊNCIA ...

Município da Chamusca dis...

Município de Azambuja hom...

Exposição Documental “Ass...

José Malhoa é o cabeça d...

SUSPENSÃO NO ABASTECIMENT...

Câmara de Santarém apoia ...

Espetáculo de artes de ru...

Informação sobre condicio...

tags

todas as tags

arquivos

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

DIRECTOR/rRESPONSÁVEL: António Centeio
Rua do Jardim, 2090-078 Alpiarça Telemóvel: 933 088 759
subscrever feeds