NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 30 de Junho de 2013
TEMAS DE SAÚDE: A glândula paratiroide

 Por: Antonieta Dias (*)

 

No nosso organismo existem quatro glândulas endócrinas que se alojam atrás da glândula tiróide. Nalguns casos podem existir seis ou até oito pares.

As glândulas paratiroides são caracterizadas por quatro pequenas formações ovais ou arredondadas, com um peso total de 25 a 40 gramas, com poucos milímetros de diâmetro e têm uma cor amarela.

Podemos mesmo afirmar que são os órgãos mais pequenos que temos no nosso corpo.

Existe uma complementaridade fisiológica entre as glândulas paratireoides e glândula tiroide, sendo a sua relação tão íntima que impossibilita a sua separação funcional.

Assim a paratormona (PTH) é responsável pelo controlo dos níveis de cálcio no sangue, associada à calcitonina que é produzida na glândula tiróide e à vitamina D.

É a paratormona que estimula a reabsorção do cálcio filtrado nos vasos sanguíneos, levando à diminuição urinária de cálcio, elevando assim os níveis deste mineral no sangue e contribuindo desta forma  para  a diminuição da reabsorção do fósforo, mantendo estáveis os níveis adequados destes elementos no organismo.

Por sua vez a paratormona é ainda responsável pela absorção do cálcio no tubo digestivo, proveniente dos alimentos que se ingerem diariamente, doseando os níveis plasmáticos,  sem contudo esquecer o papel da vitamina D, cuja preponderância é vital no equilíbrio orgânico.

A função destas glândulas é produzir uma hormona designada por paratormona, que regula a concentração de cálcio e fósforo no sangue e que ao entrar na corrente sanguínea produz um efeito sobre um ou vários órgãos do organismo, tornando-se imprescindível para o bom desenvolvimento do equilíbrio biológico do indivíduo.

Sempre que avaliamos um doente não podemos esquecer o componente hormonal, nem menosprezar a presença de sintomas como fadiga ou perturbações do humor que podem significar um sinal direto importante na deteção de um distúrbio endócrino que exige ser investigado.

Certo é que nalguns casos somos confrontados com um único sintoma de desregulação das pararatiroides  que se traduz numa fadiga física ou psicológica, que se pode vir a agravar-se durante o dia, e que não raras vezes é interpretada como uma situação de stress ou de esgotamento psicológico, não a imputando à responsabilidade hormonal.

Porém a paratormona é uma substância produzida por estas glândulas, sendo libertada, lançada na via sanguínea  indo depois atuar nos vários órgãos ou tecidos.

O diagnóstico destes distúrbios hormonais são determinados através de uma simples análise sanguínea que nos revela as concentrações hormonais  e nos permite concluir com certeza a etiologia das perturbações existentes no indivíduo orientado - nos então para o tratamento adequado desta complexa patologia.

Por outro lado a calcitonina que é uma hormona produzida pelas células parafoliculares da tiróide, exerce um efeito antagónico da paratormona, tendo como principal função a diminuição dos níveis sanguíneos de cálcio, sendo a sua ação principal inibir a libertação de cálcio.

Cumpre ainda relembrar que uma boa parte do cálcio existente no organismo está depositado no esqueleto, bem como o fósforo, contribuindo ambos para determinar a dureza dos ossos cabendo - lhe a responsabilidade na manutenção da densidade óssea, diminuído assim a vulnerabilidade para a ocorrência das fraturas, tão frequentes nos idosos que pela sua gravidade podem determinar a perda de autonomia pela incapacidade de recuperação integral da funcionalidade do órgão atingido.

Uma simples fratura pode desencadear uma disfunção familiar pelo facto de limitar a família  ou até impedi-la se ser o principal cuidador na recuperação e no acompanhamento da pessoa lesionada, obrigando muitas vezes à institucionalização do doente com todos os efeitos nefastos de uma adaptabilidade institucional, ambiental e funcional por vezes  de difícil resolução e nalguns casos acaba é até impossível de conseguir.

Em suma, o papel preponderante do funcionamento hormonal harmonioso das glândulas paratiteoides e da glândula tiroide, tem de ser entendido como um pilar importante na prevenção da osteopenia e osteoporose, sendo essencial para a recuperação funcional do indivíduo osteoporótico.

Importa,ainda referir que o exercício físico deve ser aconselhado e interpretado como um dos principais recuperadores da manutenção bio - orgânica do indivíduo.

Cabe assim ao médico motivar os seus doentes para a necessidade de estabilizar o equilíbrio dos níveis das concentrações plasmáticas do cálcio e do fósforo de forma a serem consideradas equilibradas e ajustadas ao perfil individual de cada um.

Resta ainda acrescentar que a prevenção da osteoporose é uma prioridade na economia da saúde, tendo em conta que uma elevada percentagem de fraturas estão relacionadas com perda da mineralização óssea na maioria dos casos evitável.

Estima-se que no Brasil 10 milhões de brasileiros sofrem de osteoporose. Na faixa etária dos 50 anos uma em cada três mulheres sofre desta doença  e cerca 75% dos diagnósticos só são descobertos quando o doente sofre uma primeira fratura.

Os dados apontam que cerca de 2.4 milhões de brasileiros são vítimas de fraturas sendo a etiologia devida a osteoporose.

Como recomendações importantes para a prevenção destas lesões aconselhamos a ingestão de cálcio numa dose de 1 000 mg por dia nas mulheres acima dos 50 anos, sem contudo, esquecer que a menopausa representa um enorme fator da vulnerabilidade para a mulher devido ao facto se ser vítima de uma queda abrupta dos estrogénios nesta faixa etária.

É com base na evidência científica que se demonstra que as zonas corporais mais vulneráveis para fraturas são os ossos do fémur, coluna vertebral, ombros e punho.

Cerca de 1,6 milhões de fraturas  que ocorrem no mundo são do colo do fémur, constando na literatura que apenas uma em cada quatro fraturas é adequadamente tratada.

Uma mulher que sofre uma fratura tem um risco de aproximadamente 27% de voltar a ter uma nova fratura nesse mesmo ano.

Estima-se que 33% das mulheres com mais de 55 anos sofre de osteopenia, classificando-se por osteopenia quando a massa óssea é 10 a 20% inferior ao normal. Sabe-se que um em cada 5 homens tem osteopenia.

Uma alimentação diversificada com um consumo diário de leite e derivados reduz o risco de osteoporose, um vez que o leite e derivados são as principais fontes de aporte de cálcio encontradas na alimentação.

Quando existe uma intolerância ao leite o suplemento do cálcio deve ser procurado nos vegetais, nomeadamente nos bróculos que são muito ricos em cálcio.

Em suma, sendo as fraturas um dos principais flagelos da saúde pública que oneram substancialmente o orçamento geral do Estado no sector da saúde, obriga-nos a  promover medidas preventivas destinadas minimizar o risco do seu aparecimento.”

(*) Doutorada em Medicina



publicado por Noticias do Ribatejo às 09:27
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

Traga as suas plantas par...

Município do Entroncament...

ExpoAlcanede dá a conhece...

Casa cheia em Benavente p...

Município da Chamusca ala...

Inscrições para a Univers...

Município do Entroncament...

JORNADAS DE CULTURA ATÉ 2...

Festival de música Cartax...

Tertúlia Festa Brava orga...

“Quando ela… é ele!” teat...

Professores dos 3 Agrupam...

CARTAXO VOLTA A APRESENTA...

Jovens atores da Chamusca...

Tomar dá o corpo ao manif...

Programa de Educação Pare...

“Chamusca das Três Graças...

ERROS GROSSEIROS NA ELABO...

Festival de música Cartax...

Há apoios do Portugal 202...

‘Santarém em Cena’ reúne ...

Teatro Sá da Bandeira ini...

Ceyceyra Medieval a 21 e ...

TEMAS DE SAÚDE: Doente on...

"O medo tem alguma utilid...

Município de Azambuja ass...

Ano letivo 2019-2020 arra...

Tomar – Prisão preventiva...

Arroz é rei em novo event...

PSD visita operação de li...

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds