NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Segunda-feira, 2 de Agosto de 2010
UMA JUSTIÇA (INJUSTA) – UM POVO DE LUTO

   

Por: Anabela Melão

 

Quem não tem formação jurídica estará, por esta hora, a concluir, uma de duas coisas, que parte da malta de Direito, depois de queimar tantos neurónios e pestanas e de carregar quilos de manuais, ficou, definitiva e irreparavelmente, com os fusíveis fundidos, e que a outra parte (da malta de Direito) tem “rabo preso” com o poder político. Explicar a alguém o arquétipo da tripartição de poderes (legislativo, executivo e judicial) é obra vã. Nenhum português vai acreditar que os juízes decidem de forma independente. Começa a ficar difícil que alguém compreenda a (in)governabilidade do sistema judicial. 

 

Depois do Casa Pia, sobre que falaremos um destes dias, que sofre expedientes processuais (vulgo, rasteiras) que levam a adiamento sobre adiamento, começando a suspeitar-se, já que se avizinha a prazo de prescrição para os crimes a julgar, que tudo dê “em águas de bacalhau”, o Freeport põe qualquer cidadão, no uso pleno das suas faculdade mentais, de boca aberta. 

 

Vem a directora do Departamento Central de Investigação e Acção Penal, Cândida Almeida, admitir que o processo, apesar de concluído pelo Ministério Público, e após o arquivamento dos crimes de corrupção (activa e passiva), tráfico de influência, branqueamento de capitais e financiamento ilegal de partidos políticos pode ser reaberto, argumentando que "Foi levada a cabo uma cuidada e profunda análise da prova produzida e de diligências encetadas ainda sem resposta, por dependeram da cooperação internacional em matéria penal. Uma vez recebidas e caso determinem a alteração da decisão ora tomada, reabrir-se-ão os autos" (despacho final). Reconhecendo o "interesse na inquirição" do primeiro-ministro, José Sócrates, e do ministro de Estado e da Presidência, Pedro Silva Pereira, adianta que das "respostas eventualmente obtidas não resultariam alterações de fundo aos juízos indiciários, próprios desta fase, que subjazem ao despacho de arquivamento e de acusação deduzidos". 

 

Vem o Procurador-Geral da República anunciar a realização de um inquérito "para o integral esclarecimento de todas as questões de índole processual ou deontológica" que o processo possa suscitar e visando apurar "eventuais anomalias registadas na concretização de actos processuais", mas mantendo a posição de que não vai reabrir a investigação. Explicando também que a data de conclusão do processo (25 de Julho) foi proposta pela dita directora, "aceite pelo vice-procurador-geral da República a 4 de Junho", e que "o prazo podia ser prorrogado" se os procuradores ou Cândida Almeida o requeressem. "Não requereram a prorrogação porque não quiseram". "Os magistrados titulares do processo [Paes Faria e Vítor Magalhães] procederam à investigação, com completa autonomia, inquirindo as pessoas que julgaram necessárias e realizaram todas as diligências que tiveram por oportunas". Sobre as 27 perguntas elencadas pelos procuradores para fazer ao primeiro-ministro, Pinto Monteiro responde: "os investigadores dispuseram quase de seis anos para ouvir o primeiro-ministro e os procuradores titulares um ano e nove meses. Se não o ouviram, é porque entenderam não ser necessário". 

 

A dois anos de terminar o mandato, Pinto Monteiro vê-se no centro de uma polémica que evidencia um Ministério Público que vive num clima de guerra, equívocos e aparente decadência. Clima que pode agudizar-se se o inquérito terminar com penas disciplinas para os investigadores, em face da deslealdade que representa para a hierarquia terem arquivado o processo sem lhe perguntar se, perante as perguntas que queriam colocar ao primeiro-ministro, se mantinha a data de 25 de Julho para o fim do inquérito, determinada pelo vice-PGR. 

 

O bastonário da Ordem dos advogados tece duras criticas aos magistrados que conduziram o inquérito e diz que o episódio revela uma "indignidade inominável", Marinho Pinto entende que "o facto de os procuradores trazerem a público as perguntas que queriam fazer a Sócrates demonstra desrespeito pelo PGR", e considera que, nesta "crise", o PGR "merece a solidariedade do Estado e ver os seus poderes reforçados", e vai dizendo que, "bem ou mal, é preciso despolitizar e despartidarizar" esta magistratura. 

 

Não sabemos o estado de espírito de Pinto Monteiro, mas conhecemos o nosso, e inclinamo-nos a pensar que no Direito cada vez se faz menos e pior Justiça. Por isso somos assolados por uma enorme preocupação e tristeza.  

 

A Justiça veste de negro, mas isso não justifica que o povo esteja de luto! 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 18:38
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Câmara Municipal de Salva...

REMODELAÇÃO DA SINALIZAÇÃ...

Análise de investimento r...

Santarém – Prisão prevent...

ENSINO SUPERIOR NO DISTRI...

Entroncamento comemora o ...

CARTAXO REFORÇA APOIO À V...

Conversas com Café… Comun...

Branca de Neve e os Sete ...

Dia Mundial da Alimentaçã...

Concursos Nacionais no CN...

A renovada Sinagoga de To...

Temporada da Música 2019

NERSANT está em Macau a p...

Centro Cultural Azambujen...

Tomar recebe Seminário Na...

Grupo Tradicional "Os Cas...

Município de Azambuja com...

Anselmo Borges em Tomar d...

Arranque do ano letivo 20...

CONSTRANGISMENTOS E EVENT...

Lançamento do Guia Percur...

Município do Cartaxo cele...

Município do Cartaxo cele...

Discoteca Lipp’s reabre p...

FESTA DAS VINDIMAS EM VIL...

Exposição e concerto evoc...

Mudança

Quarta edição do CTX META...

Núcleo Interpretativo da ...

arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds