NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Sexta-feira, 29 de Outubro de 2010
CARTAXO - Manuel Barros na 28.ª edição das Conversas na Taberna

MÃOS QUE TRABALHAM, IDEIAS QUE DÃO FRUTO
 
Manuel Barros foi o convidado das Conversas na Taberna do mês de Outubro. Na sua viagem pelo passado, falou dos tempos áureos de agricultor – onde o vinho assumia um papel preponderante – e dos 21 anos em que foi autarca. No intervalo das duas funções, havia ainda tempo para o associativismo.
 
 
Manuel Barros fala da sua vida com orgulho, mas sem vaidades – ainda que motivos não lhe faltem para que lhe perdoássemos alguma imodéstia. Mas não. Prefere a humildade, essa postura que enobrece os homens.
 
Se de uma peça de teatro se tratasse, a vida de Manuel Barros poderia ser dividida em três actos: o vitivinicultor que tudo deve à riqueza da terra; o autarca que contou seis mandatos à frente dos destinos de uma freguesia; o dirigente associativo dinâmico, que criava e “salvava da crise” as instituições locais.
 
Comecemos pelo primeiro. “Nasci na agricultura. Aos 16 anos tive a infelicidade de ficar sem pai. Fui logo herdado e a partir daí passei a ser um pequeno agricultor”. Estávamos em 1960. Hoje, Manuel Barros, natural da freguesia da Lapa, tem 65 anos.
 
Nos anos 60 e seguintes, a agricultura prosperava. “Dava gosto viver dela”. O Cartaxo vivia os anos áureos da produção do vinho. “Eu tinha vinho, trigo, milho, feijão, grão. Tudo para consumir em casa ao longo do ano. Hoje, muita gente diz que a agricultura não dava para nada. Para mim, deu para tudo”.
 
Aos 19 anos casou e, após isso, deixou por três anos as suas terras ao cuidado do sogro para cumprir o serviço militar. Quando regressou, o seu património engrandeceu. “Em meados de 1969 voltei à agricultura. O meu sogro devolveu-me o que era meu e tudo o que era dele. Assumi e a vida foi evoluindo”.
 
Durante 25 anos, Manuel Barros teve também uma pequena mercearia com taberna, que deixou nas mãos da esposa. Era “um part-time que entretinha a esposa” e criava entretenimento na povoação. “De manhã, os homens vinham matar o bicho. À noite, depois das duras horas passadas no campo, vinham beber a sua cigana. Quando o horário mudava e eles passavam a ter duas horas para a sesta, vinham também beber o seu copito”.
 
A sua forte ligação ao cultivo da terra e a sua experiência na produção de vinho fez dele um especialista em matérias de enologia. Tanto é que foi convidado no início da década de 70 para ser comissário de vinhos de uma das maiores e mais importantes casas vinícolas da região: as Caves D. Teodósio.
 
“Comprava naquele tempo vinhos a granel a pequenos produtores na ordem dos dois milhões de litros. Eram comprados a produtores da zona de Manique, Maçussa, Casal de Além, Vila Chã de Ourique, Vila Nova de S. Pedro, Lapa. Nos anos 90 as Caves D. Teodósio foram vendidas ao Cruz e Companhia, e como a região não se identificava muito com ele, porque até chegava a enganar os produtores no grau, não quis trabalhar com ele”.
 
Outra grande casa o acolheu – os Bernardinos e Carvalho, na qual ainda hoje é comissário. “Há 12 anos que trabalho com eles e é uma casa que continua a esgotar os vinhos a granel dos produtores”.
 
Com a redução do preço do vinho, os pequenos produtores começaram a fazer contas à vida e a produção no concelho, assim como um pouco por toda a parte, tem vindo a baixar. “A zona onde se consegue comprar mais vinho é a Lapa e Vila Chã de Ourique. Há 15 ou 20 anos, o vinho vendia-se a 30 e tal cêntimos. Agora dão-me autorização para não comprar acima dos 33 cêntimos. Neste momento ainda compro cerca de um milhão e 200 e tal mil litros, mas já lá vai a altura em que dava gosto ser agricultor”.
 
E foi ainda nesses tempos em que a agricultura significava rentabilidade que Manuel Barros abraçou outra grande causa. “Fui o primeiro presidente de Junta na freguesia da Lapa eleito democraticamente, em 1976. Até aí as pessoas eram convidadas para o cargo”.
 
Fez três mandatos consecutivos, depois saiu, porque “nunca gostei de me viciar nos cargos. Estamos a viciar os outros e a nós próprios”. Abandonou a política durante quatro anos e regressou, para mais dois mandatos. Saiu novamente, regressando à Junta de Freguesia mais uma vez.
 
“Foram mandatos com maiorias absolutíssimas. Eu só me candidatava porque sabia que as pessoas tinham confiança em mim e eu confiava no eleitorado. Foram 21 anos na Junta, não estou arrependido e a acredito que as pessoas também não se arrependem de me ter tido como presidente”.
 
No “intervalo da política”, dava o seu tempo às colectividades. Em 1984 tomou a iniciativa de fundar o Rancho Folclórico da Lapa, com João Herculano. “Não havia subsídios, hoje se calhar há subsídios a mais. Mas dava gosto estar à frente de uma associação. Hoje perde-se muito o ritmo, antes não se perdia e havia mais voluntariado”.
 
Só os trajes para o rancho custaram à então recém-criada colectividade 900 contos, mas “quando os dançarinos estrearam os fatos, já estava tudo liquidado”.
 
Manuel Barros tomava os punhos das iniciativas, e depois saía, deixando a obra nas boas mãos dos seus conterrâneos. Foi assim com o Rancho, e foi assim com a Banda. “Numa altura em que a banda estava em risco, fui também presidente. Eu acudia nas crises que surgiam e depois saía”.
 
Deixou também a política com um sentimento de dever cumprido e com o orgulho de, nos seus últimos anos de autarca, ter conseguido concretizar uma obra que foi sempre a sua ambição: o Centro de Dia.
 
O terreno foi doado à Junta de Freguesia pelo casal Luís Leonardo Bento e Francelina Garrido. Manuel Barros criou uma Comissão de Obras e o Centro de Dia nasceu. “Foi sempre uma ambição minha, e para lá caminho!”. Primeiro teve o cargo de presidente da Assembleia Geral e há ano e meio que assumiu o cargo de presidente da direcção.
 
Graças à sua humildade, Manuel Barros reparte o sucesso das suas conquistas com outros companheiros de causas. “Não podemos fazer só o que a nossa cabeça manda, temos de ouvir também o que outras cabeças pensam”. Venham de lá então essas ideias, porque ideias de mais nunca fizeram mal a ninguém…
 



publicado por Noticias do Ribatejo às 19:01
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

15
17

23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

FESTIVAL MATERIAIS DIVERS...

Tributo a David Bowie no ...

ANGARIAÇÃO DE FUNDOS

ANGARIAÇÃO DE FUNDOS

Nova temporada do Teatro ...

ABRANTES: SL Benfica conq...

AFINAL, HÁ RUAS ENFEITADA...

ALPIARÇA : NOVO CONTINENT...

CARTAXO: TRÂNSITO ENCERRA...

ABRANTES: Intervenções do...

MUNICÍPIO ATRIBUIU HABITA...

18º Festival de Folclore ...

TAGUS – candidaturas aber...

Novas exposições nas ‘Gal...

Trail das Famílias 2019 n...

FESTAS EM HONRA DE NOSSA ...

Vem aí a 15ª edição dos “...

In. Santarém 2019 | PROGR...

CA Soluções de Crédito Fa...

Fabíola Cardoso propõe cr...

O tempo

1.ºTorneio Solidário Stre...

O Concelho de Azambuja ac...

NERSANT quer simplificar ...

VALADA ACOLHEU DIA INTERN...

13.ª Edição da Feirinha d...

“Galerias com Arte” receb...

MEIO MILHÃO DE EUROS PARA...

Festival de folclore ‘Rio...

CRÉDITO AGRÍCOLA COM RESU...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds