NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 15 de Abril de 2018
A luz dos meus olhos

ANAFONSECA

Por: Ana Fonseca da Luz

 

 

A luz dos meus olhos

 

            Mal ele nasceu e o peguei no colo, o meu coração encheu-se de alegria, mas uma alegria que eu não conseguia explicar. Era uma alegria diferente da alegria imensa que tinha sentido com a chegada dos meus outros filhos. Era uma alegria plena. É difícil de explicar. Só passando por ela. Não se explica por palavras.

            Porém, depois de o amamentar, olhei-o nos olhos ainda sem cor definida e li neles o amor.

            Ninguém me compreendeu, quando tentei explicar o que tinha sentido. Nem a minha melhor amiga me compreendeu, quando lhe disse:

            - O Tomás vai ser um menino especial.

            - Nem que parisses cem, todos iriam ser especiais - respondeu-me, não dando muita atenção ao que eu tinha dito.

            Mas a verdade é que o Tomás era mesmo especial. Passou a sua primeira infância agarrado à bainha da minha saia, coisa que os outros nunca fizeram, e o seu passatempo preferido era agarrar-me na cara e olhar-me dentro dos meus olhos, como se procurasse ler na minha alma, como quem lê num livro aberto.

            Olharmo-nos nos olhos passou a ser um jogo muito nosso, pois ele não fazia isso com mais ninguém, e eu sentia que este meu filho era mais meu filho que os outros, embora amasse os três de igual maneira.

            Quando ele tinha perto de cinco anos, num dos nossos jogos de olhos-nos-olhos, perguntei-lhe:

            - O que é que tu vês dentro dos olhos da mãe?

            Fiquei à espera de uma resposta infantil, o que seria próprio da sua idade, mas ele, sem desviar os seus olhitos castanhos dos meus, disse-me:

            - Vejo-me a mim. Estou dentro dos teus olhos. E estou sempre a voar.

            Pronto, pensei, já está a inventar. Já se está a comportar como um miúdo da sua idade se deve comportar. Mas ele continuou:

            - Eu vou ser um anjo. Ainda não sou, mas vou ser, quando for para a escola dos manos.

            Por uma fracção de segundos desviei o meu olhar do seu, mas ele agarrou-me a cara e continuou:

            - Quando eu for um anjo, tu vais chorar. Mas porquê? É tão bom ser anjo. Além disso, estou sempre dentro dos teus olhos.

            Não deveria ter dado importância àquela história do meu filho, mas a verdade é que dei. O que é que aquele menino me queria dizer com aquilo? O meu coração ficou pequenino no peito e um pressentimento estranho instalou-se na minha alma.

            Os nossos jogos-de-olhos continuaram, mas eu nunca mais tive coragem de perguntar ao Tomás o que é que ele via nos meus olhos. E, com o tempo, aquela angústia foi-se dissipando e o meu coração voltou ao seu tamanho normal.

            Uma noite, tinha o Tomás sete anos, quando acordou a chorar. Corri ao seu quarto e encontrei-o sentado na cama, a soluçar.

            - O que foi, bebé? Tiveste um pesadelo?

            - Não. Estava com saudades tuas. Fica um bocadinho comigo. Dorme comigo.

            - Está bem, eu durmo contigo, mas só até tu adormeceres. Eu apago a luz.

            - Não apagues ainda - disse-me, olhando-me nos olhos. - Deixa-me ver se as minhas asas já estão grandes.

            Os seus olhos encontraram os meus e consegui ver, nos olhos do meu filho, o que ele via nos meus. Vi o meu filho feliz, a rir e com umas asas pequeninas, mas fartas.

            Vi ou sonhei?

            Perto das onze da manhã, o telefone tocou e a xícara de café que eu tinha na mão caiu e ficou feita em mil cacos. O meu coração voltou a ficar minúsculo no peito e um arrepio percorreu a minha espinha. Corri para o telefone e atendi. Era da escola. O Tomás tinha dado uma queda grave, porque tinha saltado de um muro. Os colegas diziam que ele tinha saltado do muro para experimentar se já conseguia voar. Tinha batido com a cabeça numa pedra. Estava no hospital, em estado de coma.

            Telefonei ao meu marido e corri para o hospital. Não sei se fui a pé, se fui de carro. Não sei se corri, se voei. No mesmo instante, estava lá, apesar de achar que nunca mais lá chegava.

            Num quarto branco, numa cama branca, com lençóis brancos, o meu filho estava deitado, respirando de mansinho. Tinha uma mão sobre o peito e outra estendida ao longo do corpo. As minhas pernas não tinham força para se arrastarem até ao pé da cama. Foi com uma força que não era minha que caí sobre o seu corpo. Chorei, chorei, chorei...

            Passados dois dias, eu estava ao lado da sua cama, de onde já não saía desde o dia do acidente. O Tomás abriu os olhos. Tinham a mesma cor indefinida do dia em que tinha nascido e a alegria que senti foi parecida, por instantes, porque me pareceu vê-lo nascer outra vez. Mas foi fugaz a minha alegria.

            Com esforço, o Tomás procurou o meu olhar e, olhos nos olhos, disse-me, num fiozinho de voz:

            - Olha, mãe! Já sou um anjo!

            Levantou a mão que tinha sobre o peito e retirou uma pena branca, que depositou nas minhas mãos.

            Passaram-se já cinco meses desde que o Tomás morreu. Já não tenho mais lágrimas. Secaram com o amor quentinho que os meus outros filhos e o meu marido têm por mim. A pena branca que, ainda hoje, não sei de onde veio, trago-a sempre junto ao meu coração.

            O Tomás? O Tomás foi e será sempre a luz dos meus olhos.

 

«in A Rua das Magnólias»



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A chegada do frigorífico

AÇÃO DE FORMAÇÃO PARA VOL...

Município de Santarém e G...

Entroncamento com animaçã...

CÂMARA MUNICIPAL PEDE REF...

Assinatura de protocolos ...

Este Fim de Semana Aconte...

Fátima – Prisão preventiv...

Aproveite o que Santarém ...

Grande Final dos Jogos co...

arquivos

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds