NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 30 de Setembro de 2018
A menina Elvirinha

ANAFONSECA

Por: Ana Fonseca da Luz

 

 

A menina Elvirinha 

 

 

A menina Elvitinha não era santa, não senhora, mas também não havia dúvidas que quando morresse ia direitinha para o céu, onde S. Pedro havia de a aguardar, de braços abertos, ansioso que ela parasse com tanta reza, porque até Deus já devia estar cansado de tanto terço rezado e de tanta novena. 

Mas adiante, a menina Elvirinha já andava a rondar os setenta anos e a verdade é que continuava virgenzinha da Silva, porque sempre tinha afastado todos os rapazes que de algum modo tinham mostrado interesse por ela. 

A mãe bem tentou que a sua Elvira lhe desamparasse a loja e casasse com o filho do Ernesto padeiro, que além de ter um palminho de cara também tinha algo de seu, mas Elvirinha logo avisou a mãe que só a Deus se entregaria e que nenhum homem havia de a ver em trajes menores, isso é que era bom! 

O pai logo deitou por contas que a filha para sempre ficaria encalhada lá em casa, para mal dos seus pecados. 

Elvirinha, alheia a tudo o que a mãe e o pai lhe diziam sobre a necessidade de casar e ter um homem que a sustentasse, continuava entregue aos seus dois amores, o Pai do Céu e os bordados. onde era uma verdadeira artista. 

Mas certo dia, há muitos anos, era ela uma pirralha com pouco mais de dezoito anos, ainda de soquetes de renda pelos tornozelos, eis que aparece um novo padre na aldeia, ainda a cheirar a cueiros e com cara de menino de coro, a rezar missa, dia sim, dia também. 

Elvirinha, no primeiro dia que viu o padre Pedro a deitar a benção ao seu rebanho no fim da missa, tomou-se de amores por ele e julgou que uma vez que o padre era um enviado de Deus, não seria pecado nutrir aqueles sentimentos tão singulares e avassaladores, sentimentos que ela até então desconhecia. 

Depois de conhecer o senhor padre, Elvirinha passou a andar de cabeça no ar, sempre a picar-se na agulha, na cor das linhas e no ponto Rococó da toalha da D. Elisabete da sapataria. 

Missas? De manhã, à tarde e à noite, sempre na primeira fila, para que o padre Pedro visse o quanto ela era dedicada ao Senhor. 

As coisas correram bem, quer dizer, aquele amor platónico da Elvirinha, correu bem, até ao dia em que o senhor prior, no fim da missa, estando ela ainda de joelhos recolhida em oração, lhe fez uma festa na cabeça e lhe perguntou: 

-Menina Elvirinhanão se quer confessar? Se quiser, estou por sua conta. 

Quando o padre Pedro lhe tocou nos cabelos, toda ela ficou com pele de galinha e um arrepio medonho deixou-a sem força nas pernas. Se ela estivesse de pé, se calhar tinha caído, ai tinha, tinha. 

A igreja já estava vazia. Naquele instante era só ela, o padre Pedro, e os santos da igreja, Santa Rita de Cássia, São Sebastião e o Altíssimo, claro. 

E a Elvirinha, já recomposta, mas muda, acompanhou o padre Pedro até à sacristia para que ele a ouvisse em confissão. 

E ali, os dois, sozinhos, frente a frente, sentados nuns banquinhos de madeira, a Elvirinha abriu-se com o padre Pedro e confessou-lhe tudo o que sentia por ele, não omitindo nada, esperando que ele lhe desse umboa penitência por tamanho pecado. 

E o Padre Pedro, não foi de modas e deu-lhe a penitência ali mesmo, com a imagem de S. Bartolomeu, que parecia estar de castigo na sacristia, a olhar incrédulo para eles.  

Elvirinha nem queria acreditar quando sentiu o corpo do padre colado ao seu, a língua dele a entrar na sua boca, os dentes a bateram nos dentes e os gemidos a soltarem-se da garganta dos dois. 

E ela sem força nas pernas e ele, ele cheio de força a querer desbravar-lhe a camisa e pôr à mostra o seu peito onde o coração lhe rebentava. Ele colado a ela e ela colada a ele... 

Mas foi nesse momento que o milagre se deu, e a grande espada de metal de S. Bartolomeu caiu no chão, fazendo um estrondo tão grande que os dois se afastaram assutados e de pernas bambas. 

-Perdoe-me, menina Elvirinha, balbuciou o padre Pedro, com a batina meio descomposta, enquanto ela abotoava os botões da sua camisa branca, que estava em desalinho, deixando adivinhar um peito farto e nunca desbravado. 

Elvirinha benzeu-se três vezes e disse-lhe: 

-Isto foi um sinal, senhor prior, um sinal que Deus me quer só para Ele, e saiu a correr sem olhar para trás, com o gosto do padre Pedro na boca e com o cheiro de macho em todos os seus poros. 

A partir desse dia, Elvirinha passou a ir à missa apenas ao domingo e a ficar na última fila.  

O padre Pedro ficou pouco tempo por ali. Diziam as más línguas que o padre tinha abandonado o sacerdócio, porque tinha uma amante na capital e que até era pai de filhos. 

Elvirinha, nunca mais esqueceu o gosto do padre Pedro, é verdade, mas se já antes tinha jurado a si mesma que jamais se entregaria a nenhum homem, a partir desse dia, reforçou o juramento e passou a dedicar-se de alma e coração ao que a fazia feliz, rezar e bordar... 

 

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 07:30
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Janeiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11



29
30
31


posts recentes

ETAR DE TORRES NOVAS TRAN...

Chamusca prestou homenage...

CARTAXO: CINCO PERSONAGEN...

BAILANDO COM SOPHIA

"Vidas Íntimas" de Noël C...

Aline Frazão apresentou D...

NERSANT apresenta projeto...

OUTONO

"Hidro by night" no Compl...

DEPUTADA DE OS VERDES NA ...

Yoga para crianças na Bib...

RUA SERPA PINTO E LARGO S...

NERSANT desenvolve Score ...

SUSPENSÃO NO ABASTECIMENT...

HORA DO CONTO

Projeto "Hora do Conto" ...

CONSTRANGIMENTOS E EVENTU...

Exposição de Pintura “Exp...

Inscrições abertas para a...

Câmara de Santarém aprova...

“Revist’ó Fado na Tasca d...

Suspensão do abastecimen...

Animais Errantes - Progra...

Trail “guiado” e caminhad...

Concerto de Ano Novo com ...

PONTÉVEL VAI RECEBER SEIS...

Angolana Aline Frazão dá ...

Programa Melhor Turismo 2...

Palavras

Cineteatro São João receb...

arquivos

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds