NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 30 de Abril de 2017
“A MORTE SAIU À RUA NUM DIA ASSIM…”

MARINAMALTEZ.png

Por Marina Maltez

 

“A MORTE SAIU À RUA NUM DIA ASSIM…”



Assim começava mais uma das muitas letras que pela voz de Zeca Afonso chegavam aos ouvidos do povo português e incitavam à luta pela liberdade. Talvez a única luta que se justifique. Porque se nascemos livres e iguais não se justifica a opressão, o estabelecimento de regras e deveres que claramente violam esse direito sacrossanto de todo o ser.

E aqui centremo-nos unicamente no caso português. 25 de Abril de 1974, a senha marcada ecoou na hora certa. “Grândola, Vila Morena” dava o mote para a queda de um regime opressivo, criminoso já que às mãos do mesmo pereceram inocentes, muitos dos quais em breve recordados no Forte de Peniche, tal como o actual governo anunciou neste dia sempre emblemático na nossa cultura, história e política. Nomes recordados em estátuas, placas, pracetas e tantos mais que permanecerão no anonimato marcaram esses anos em que o povo aguentou em silêncio até que soltou o grito de liberdade há muito preso nas gargantas de corpos cansados pelo trabalho e desgastados pela fome.

 Quantas vidas terão sido ceifadas? Quantos ainda trazem as marcas de anos de sofrimento, de tortura, de fuga, de dor e angústia? Quantos ainda se viram ao menor som com medo que alguém os leve e os faça cair no eterno esquecimento?

Não sou desse tempo. Sou daquelas gerações que estudam pelos livros. Tive a sorte de crescer e ter bem por perto João Gonçalves Malhão, um lutador antifascista que ficou cego por horas de tortura. Era um deleite para mim ouvir as suas muitas histórias que gravei religiosamente em cassetes depois de massacrar o Pai até me comprar um gravador! Os livros são a minha paixão, mas a Voz das Gentes é a minha Vida! São lições de história ao vivo, que jamais esquecemos, que nos ficam na memória gravadas a ferro e fogo e que se tornam exemplos, modelos a seguir conforme o Tempo passa e a personalidade se vai moldando.

Assisti, de forma global, às celebrações que se fizeram pelo país, aos inúmeros discursos e discursos sobre os discursos e espectáculos de canto, sessões de poesia e mais estátuas, bustos ou placas toponímicas e claro, muitos mas muitos cravos!

Não os critico. São as formas de honrar o dia e todo o seu simbolismo. O que me preocupa é que cada vez mais as camadas mais jovens sabem que se trata apenas de um feriado. Um dia que tem qualquer coisa a ver com cravos e uma música que se ouve neste dia sobre uma terra alentejana. Ou então é aquele dia a meio da semana em que os pais não trabalham e se vai passear.

Acredito que este foi um período da nossa História que não pode cair no esquecimento. É mera opinião, vale o que vale, mas os tantos que morreram só serão honrados (não com placas e coroas de flores) mas com uma verdadeira e incisiva educação cívica que explique às nossas crianças e jovens o que foi, o que simboliza, os valores que encerra este dia. E talvez assim possamos construir novas personalidades. Interventivas. Dinâmicas. Conscientes dos seus direitos, mas também das suas obrigações. Porque francamente…é ridículo que no país, independentemente da eleição, ganha sempre a abstenção. Centenas, milhares de portugueses ignoram de forma intencional esta obrigação nascida e cimentada em vozes que foram caladas, em lutas verdadeiras no cenário das ruas….e lá a morte saía à rua….e ceifava e ceifava…

Hoje a morte, pelo menos por cá, já não saí à rua. Hoje tudo pode ser dito. Filhos batem nos pais já idosos. Mulheres continuam a ser agredidas. As crianças no recreio brincam às lutas e volta e meia lá vai o INEM socorrer alguma. Alunos agridem professores. Professores agridem alunos. A claque A mata alguém da claque B e ainda destrói uma bomba de gasolina pelo caminho de regresso a casa. E…isto sim enche-me de vergonha e peço perdão aos que morreram para que eu hoje pudesse escrever livremente….os nossos políticos são porventura quem mais ceifa a carteira de todos os portugueses sempre com desculpas de um futuro melhor. Qual futuro? Como podemos projectar o futuro que deitamos no lixo a herança do passado e delapidamos o presente em tanta banalidade, em tanta corrupção, em tanto esquema medonho que fica por julgar. E num país em que Ricardos vivem em mansões após roubar milhões mas uma funcionária é despedida por dar uma refeição a uma criança….eu evoco Zeca e sim, gostaria que a morte saísse à rua e ceifasse as ervas daninhas deste jardim!

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 07:50
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

AQUApaper convida a desco...

Festa da Amizade – Sardin...

ESTÁDIO MUNICIPAL DO CART...

Projetos da Chamusca em d...

Município do Entroncament...

Criarei Apenas o que Não ...

Câmara de Santarém aprova...

Sea, David Fonseca, Tito ...

NERSANT realiza workshop ...

Novo livro condensa “Toma...

Agrocluster Ribatejo most...

Vamos eleger a Rainha das...

Entroncamento recebe o me...

SUSPENSÃO NO ABASTECIMENT...

Torres Novas – 4 detidos ...

PERCURSO PEDESTRE DA MATA...

Concerto de Cordis & Vito...

SUSPENSÃO NO ABASTECIMENT...

TEMAS DE SAÚDE: Serviço N...

56ª Feira Nacional de Agr...

Ser presente é uma escolh...

Ministro da Agricultura m...

Colégio de Fátima vence E...

Semana Aberta da Universi...

Secretário de Estado da E...

POLIEMPREENDE ATRIBUI 4.5...

Projeto AgriEmpreende rec...

FNA 19 continua a debater...

24 horas a pedalar em Cor...

Políticos de Palmo e Meio...

arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds