NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 30 de Julho de 2017
A neta Belinha

FLORBELA

Por: Florbela Gil

 

Todas as sextas feiras, a minha avó Placidina, passava em casa da minha mãe para me levar a passar o fim de semana em casa dela. 

A espera era sempre com muita ansiedade, ali ficava eu em frente á janela, olhando os pombos e as andorinhas, que faziam desenhos no céu, era lindo. Avó chegava, e lá ia eu, toda contente.
 
Os tempos andavam difíceis, os meus pais, ganhavam pouco, tinham comprado um terreno para construir uma casa, com a ajuda da segurança social, que emprestou algum dinheiro para pôr as paredes em pé, mas a casa só ao fim de 20 anos é que passava a ser deles, até lá, pagavam a prestação para amortizar. 
Nasceu minha irmã.
O dinheiro, mais uma vez não chegava, com duas filhas, era difícil.
Pensaram em emigrar para a Guiné Bissau, já lá estava a irmã de minha mãe, com o marido, tinham uma pensão, no andar de cima, e em baixo, tinha padaria e pastelaria " O Império".
 Eles chamaram, em primeiro lugar o meu pai para ir trabalhar para a distribuição do pão.
Minha mãe, foi mais tarde ter com meu pai, levando as duas filhas consigo. 
A avó ficou triste, já lá tinha a filha mais nova, agora a mais velha e as netas também iam embora, foi difícil para ela.
A minha mãe, ia trabalhar para a pastelaria, vender os bolos.
Bem os pastéis de nata que lá faziam, eram de comer e chorar por mais. Eu que o diga. Os pasteleiros, tiravam os tabuleiros, cheios de pastéis, para a dispensa, onde iam arrefecer, e estavam cobertos de canela. Eu entrava lá sem eles verem, escondia-me debaixo dos tabuleiros e era comer,.....hum, tão bons. Fecho os olhos, e parece, que ainda hoje sinto o cheiro e o sabor do pastel quentinho com a canela.
 
Tinha nessa altura quatro anos e meio, lembro-me, de estar na varanda do primeiro andar e ver as tropas a marchar, com uma farda cinzenta, um chapéu cinzento com um berloque vermelho pendurado na ponta, que mais parecia um balde da praia enfiado na cabeça deles, com a arma ao ombro. As bombas rebentavam ao longe, pareciam trovões, e eu, ia esconder-me debaixo da cama. Lembro-me das chuvas torrenciais repentinas, seguidas dum sol brilhante que evaporava com a mesma rapidez que chovia. O que tornava o ar com muita húmidade e quente. Irrespirável! Pelo menos para mim. 
O clima para mim era pior. 
 
O meu pai lá fazia a distribuição do pão pelas tabancas, com uma carrinha, um colega também, mas esse colega, pouco tempo depois foi morto á catanada, porque era muito antipático para as pessoas. O meu pai era muito querido por eles, nenhuma criança africana que lhe pedisse um paposseco, ficava sem um. Ele dava pão a quem não tinha posses para comprar.
 
Voltando, a outras situações, na pensão, a minha tia orientava os quartos, tinha empregadas para ajudar nas limpezas e tratarem dos quartos, uma das empregadas, ia sempre limpar o nosso quarto, e cada vez que lá ia, saía cheia de pó de talco meu e da mana. Queria ser branca, como nós. A minha mãe fartava-se de rir. Mas tinha muito medo que nos raptassem. Éramos os brancos. 
Mas nunca houve problema.
 
O que aconteceu, foi que eu comecei a ter problemas de saúde, por causa do clima, não comia, emagrecia dia a dia.  Até que a minha mãe teve que me pôr no avião, fui entregue a uma hospedeira que ficou responsável por me entregar á minha avó quando chegasse a Portugal.  Era estranho, ter deixado os meus pais, e estar entregue a uma pessoa estranha, chorei muito, até me dar o sono, e quando acordei estava o avião a aterrar. Saí de mão dada com a hospedeira, levou-me até á minha avó. Assim que a vi, larguei a mão da senhora e corri para os braços de quem eu adorava.
Meses mais tarde a minha irmã também veio . 
 
Durante dois anos a avó Placidina tomou conta de nós, eu entrei para a escola primária. Deu-se a revolução do 25 abril, e os meus pais, quizeram regressar, pela gente. 
 
Dia de ir buscar pai e mãe ao aeroporto. Porta de saída dos passageiros, dizia a avó,"- olha, vem lá  mãe e o pai."
Mas dois anos sem vê-los, eu esqueci a cara. Vinham tantos homens e mulheres a sair,  que eu não reconhecia ninguém. Até que se esticaram uns braços para mim e para a mana. Foi muita emoção. Lembro-me de chorar agarrada ao pescoço do pai. Não queria deixá-los mais.
 
De regresso, a casa, agora era preciso os pais terem trabalho.
O meu pai arranjou, logo numa fábrica de peles, a mãe, arranjou mais tarde também. E a avó tomava conta nós. Não dormíamos em casa dos pais, porque eu já andava na escola primária, o meu pai ainda não tinha carro para nos levar a casa da avó.
 
Meses mais tarde, o pai lá comprou um carrito velho, mas andava. Assim já dava para ir levar- nos. Mas eu queria era dormir na casa da avó. 
 
A avó recebeu na sua casa os restantes netos, eu era a neta mais velha. Conclusão, ajudei a criar, a tomar conta dos meus primos todos, aprendi desde muito nova, a trocar fraldas de pano, a dar banho e biberões aos primos. Lavei no tanque muita roupa de bebé, muita fralda. Eu era a ajuda da avó.
 
Assim fui ficando, dia após dia na casa da avó, até me casar. Foi de casa dela que sai vestida de noiva. 
Foi com ela que aprendi tudo. O saber fazer comer, o tratar duma casa, o ser costureira. Foi a tê-la como exemplo, que sou o que sou hoje. 
 
Quem tiver a sorte de ter avós, saibam estimá-los. Pois podemos aprender muito com eles.  Para ti avó vai esta minha homenagem.
 
Termina assim a história da avó.


publicado por Noticias do Ribatejo às 07:50
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

20

25
26
27
28
29

30


posts recentes

Rancho Folclórico Casa do...

FESTAS DA VILA DA FREIXIA...

NERSANT incentiva PME a i...

Vila Nova da Rainha em Fe...

Festa da Amizade – Sardin...

Quer saber tudo sobre can...

TEMAS DE SAÚDE: Não destr...

A saudade tem nome?

FEIRA MEDIEVAL

Azambuja ao ‘rubro’ com M...

Torres Novas – Identifica...

NERSANT e Município inaug...

ASSEMBLEIA MUNICIPAL DESC...

Acordo de Geminação entre...

AQUApaper convida a desco...

Festa da Amizade – Sardin...

ESTÁDIO MUNICIPAL DO CART...

Projetos da Chamusca em d...

Município do Entroncament...

Criarei Apenas o que Não ...

Câmara de Santarém aprova...

Sea, David Fonseca, Tito ...

NERSANT realiza workshop ...

Novo livro condensa “Toma...

Agrocluster Ribatejo most...

Vamos eleger a Rainha das...

Entroncamento recebe o me...

SUSPENSÃO NO ABASTECIMENT...

Torres Novas – 4 detidos ...

PERCURSO PEDESTRE DA MATA...

arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds