NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 24 de Agosto de 2014
As vivências Avieiras – Assentamentos avieiros

Como já se referiu, em Crónica anterior, os Avieiros com o decorrer do tempo foram-se fixando, definitivamente, nas margens do Tejo.

 

Por: Lurdes Véstia (*) 

 

São várias as causas apontadas para esta fixação e como refere Maria Adelaide Salvado “ (…) cá davam-se melhor, porque adoeceram dos pulmões e lhes fazia mal o ar do mar”. Com a fixação definitiva, surge a necessidade de encontrar um lar mais estável, resistente e confortável”.

 

 

 

Aldeia Avieira de Obras (Azambuja) 1941

 

Pouco a pouco na Borda d´Água Tagana começam a erguer pequenas barracas totalmente construídas em caniço e logo que as condições económicas o permitiam começavam a comprar madeira; aos poucos iam construindo as suas pequenas casas em comunidades de características muito peculiares. Assim se foram, aos poucos, fundando os assentamentos Avieiros. “ (…) pequenas, talvez para que as não vissem, ou tímidas para que não as mandassem destruir. Ou pequenas e tímidas por causa dos materiais e das agruras do tempo”.

 

 

 

Casas Avieiras em caniço. Mouchão de São Braz – Chamusca

 

As primeiras habitações nas margens do Tejo foram semelhantes aos palheiros de Mira e da Praia da Vieira de Leiria, a referência mais antiga e conhecida de palheiros data de 1875. A maior originalidade deste aglomerado de pescadores era exactamente a sua arquitectura de madeira onde as casas chegavam a atingir dois e mesmo três andares, possuindo dimensões não encontradas noutras praias e formavam a quase totalidade da povoação até ao final dos anos 60. Mais tarde transformaram-se em construções palafíticas, elevadas do solo e sustentadas por estacas de madeira ou por estacas de pedra, dependendo da zona onde queriam construir a casa, mas sempre para a manter acima do limite da água em época de cheias ou da subida das marés.

 

 

 

Palheiros da Praia de Vieira de Leiria, demolidos na década de setenta do séc. XX

 

Pela descrição de uma Avieira que entrevistei, as cozinhas eram construídas em madeira e exteriores às casas, diz ela que era ” (…) por via do fumo e essas coisas…”.

Existem descrições que dão conta que os pescadores Avieiros levantavam estas construções e as mudavam da localização original, para outra mais abrigada ou adequada, de modo a garantir maior conforto ao núcleo familiar.

Os Avieiros apelidavam as suas próprias habitações de “barracas” sem que isso tivesse um sentido depreciativo mas tão-somente pelo aspecto que estas tinham, todas em madeira e bastante rudimentares.

 

 

 

Aldeia Avieira de Caneiras (Santarém)

 

O Capitão-de-mar-e-guerra Baldaque da Silva na sua notável obra “Estado actual das pescas em Portugal”, publicada em 1892, e com base nos dados do Inquérito Industrial de 1890, referencia os seguintes portos fluviais no rio Tejo: Vila Franca de Xira, Alcochete, Aldeia Galega, Muge, Santarém, Constância e Abrantes.

Esta obra oferece-nos importantes referências sobre a pesca no Tejo e os homens e mulheres que exerciam a faina, “(…) em determinadas épocas do ano é muito importante a pesca que se faz no rio Tejo, não só em todo o estuário do rio, desde a embocadura até Valada, mas também para cima, até muito a montante de Abrantes”.

Em 1978, no Boletim Cultural da Junta Distrital de Lisboa, a Dra. Maria Micaela Soares referenciava cerca de oitenta aldeias de Avieiros desde Sacavém até Abrantes.

Em trabalho de investigação, efectuado para a produção da obra Avieiros – Dores e Maleitas, no Arquivo Histórico da Santa Casa da Misericórdia de Santarém, consegui referenciar os seguintes assentamentos no distrito de Santarém:

Almeirim - Vala de Almeirim, Benfica do Ribatejo, Casal Branco, Vale Tejolos, Azeitada

Alpiarça – Alpiarça, Patacão de Baixo, Patacão de Cima, Touco, Quinta da Torre, Torrinha, Gouxa, Vala Real

Azambuja – Porto da Palha

Benavente - Benavente

Chamusca – Porto das Mulheres, Porto do Carvão, Chamusca

Cartaxo -Valada; Porto de Muge, Palhota; Lugar de Sant´Ana

Coruche – Estação

Golegã - Azinhaga, Pombalinho

Salvaterra de Magos - Muge

Santarém - Barreira da Bica, Alfange, Ribeira de Str, Caneiras. Ómnias, Ponte do Vale de Str, Ponte Celeiro, Ponte Asseca, S. Vicente do Paúl, Vale de Figueira, Praias do Tejo.

 

Referências bibliográficas

Baldaque da Silva, António Artur, 1891, "Estado actual das pescas em Portugal". Lisboa, Imprensa Nacional.

Salvado, Maria Adelaide N. 1995, Os Avieiros, nos finais da década de cinquenta, Castelo Branco.

Soares, Maria Micaela, 1986, A cultura Avieira. Continuidade e mudança”, In Separata do Colóquio “Santos Graça” de Etnografia Marítima.

- Soares, Maria Micaela, 1997, Mulheres da Estremadura In Boletim Cultural da Assembleia Distrital de Lisboa, n. 83.

 

(*) *)Mestre em Educação Social



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


23
24
25
26
27
28
29


posts recentes

Iniciativas no âmbito do ...

RUAS DO CARTAXO INVADIDAS...

Desfiles de Carnaval no E...

O Pátio das Cantigas – No...

Aniversário do Crédito Ag...

Município de Azambuja for...

EXECUTIVO MUNICIPAL EM VI...

Central Elétrica de Tomar...

Seminário sobre as novida...

Assinatura do Contrato Pa...

Festividades de Carnaval ...

SECRETARIADO DO PS CARTAX...

I Duatlo do Entroncamento

O MUNICIPIO DE AZAMBUJA C...

OFICINA DE TÉCNICAS RADIC...

24ª Edição do Mês da Engu...

Conversas com Café… “Adel...

Page 1 GAL DA REGIÃO CENT...

Executivo Municipal de Az...

Alunos e Município unidos...

SUSPENSÃO DO ABASTECIMENT...

CARTAXO: DESFILE DE CARNA...

ÓRGÃOS DO PS/CARTAXO TOMA...

Última semana – XIII Conc...

Suspensão no abasteciment...

DESFILE DE CARNAVAL NO CA...

Programa das Comemorações...

Azambuja Terras do Torric...

Festival do Cogumelo da P...

Benavente – Militar resga...

arquivos

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds