NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Quinta-feira, 30 de Abril de 2015
CARTAXO APROVA CONTAS COM MENOS DÍVIDA

unnamed.jpg

A Câmara Municipal do Cartaxo aprovou, na reunião de dia 27 de abril, as contas de 2014, com três votos a favor do PS, a abstenção dos dois eleitos do movimento independente Paulo Varanda – Movimento pelo Cartaxo (PV-MPC), e o voto contra dos dois vereadores do PSD. O documento – Relatório de Gestão 2014 – foi à sessão da Assembleia Municipal, para discussão e deliberação, no dia 29 de abril, na qual foi aprovado por maioria com o voto a favor do PS e de dois membros do PV-MPC, três abstenções do PV-MPC e cinco votos contra do PSD.

 

Presidente da Câmara diz que 2014 foi tempo de emergência para o Cartaxo

Pedro Magalhães Ribeiro apresentou o documento como sendo “muito mais que um relatório de contas. Esta é a descrição de um tempo de emergência, de um ano bastante difícil para o concelho do Cartaxo, mas também um ano de viragem. Mostra de modo muito transparente, com inteira verdade, a situação que encontrámos, o esforço que a comunidade e os trabalhadores despenderam e as decisões que tiveram de ser tomadas, para garantir serviços essenciais e a sustentabilidade futura das contas municipais”.

 

O presidente da Câmara reconheceu que encontrou o município do Cartaxo como “um dos mais endividados do país”. Descrevendo a situação municipal que encontrou em 2013 como “muito grave – o risco de rutura de pagamento de salários e de fornecimento de serviços essenciais era real, o pagamento a fornecedores, associações, freguesias, tinha anos de atraso, retenções dos descontos dos trabalhadores não tinham sido entregues à CGA o que já tinha dado lugar a uma dívida com título executório na Autoridade Tributária,  inúmeros processos de injunção e penhoras chegavam todos os dias à Câmara e nem a possibilidade de acesso ao PAEL tinha sido acautelada, com o Tribunal de Contas a aguardar respostas desde janeiro 2013”. Afirmando que “2014 foi um ano de imensas dificuldades, chegou ao fim com algumas soluções concretizadas e outras pelas quais ainda lutamos, sabemos que quase todo o caminho de consolidação orçamental está por percorrer”.

 

O presidente da Câmara reconheceu que as decisões que “nos esperam são difíceis, há que pagar dívida enquanto se faz o que está em falta – só para a reparação mínima das estradas do concelho, precisamos de 1 milhão de euros”. Apelando “a que quando chegar o momento, todos sejamos capazes de afirmar por ações, o que defendemos com palavras. Afirmo com convicção que este tempo não é para protagonismo políticos vãos, mas também reitero que ninguém deve ficar confortavelmente de fora das decisões a tomar no futuro”.

 

Resultados mostram efeitos da contenção da despesa

As contas de 2014 mostram “que os esforços de contenção de despesa corrente foram muito positivos”, afirmou o presidente da Câmara referindo que os custos com pessoal “que por definição são muito rígidos”, baixaram mais de 3% e no que respeita às horas extraordinárias, a poupança foi superior a 31%.

 

Os custos com fornecimento de serviços externos baixou 14%, em rubricas como “os combustíveis – 11% -, a eletricidade – 26,5% -, o consumo de água – 16% -, as comunicações – 21% e a publicidade e propaganda que teve um corte de 47%”, afirmou, referindo que “no total é quase um milhão e meio de euros que pudemos redirecionar para serviços essenciais e pagamento de dívida”.

 

O autarca frisou que a ”poupança corrente foi, no entanto, negativa. Para explicar de um modo claro – os valores recebidos do PAEL, 10,6 milhões de euros, entram nas contas como receita de capital, mas depois, quando entregamos esse dinheiro aos fornecedores para pagar as dívidas da Câmara, o valor tem de entrar nas contas como despesa corrente, o que obrigatoriamente desequilibra a poupança corrente e mostra números diferentes da realidade, felizmente, são só números”.

 

Apesar das dificuldades concluíram-se obras que se encontravam suspensas há vários anos, como a beneficiação da Rua do Prioste e do Moinho Saloio, assim como da Estrada de Santana.

 

Dívida diminui pela primeira vez desde 2008

O passivo exigível do município diminuiu pela primeira vez desde 2007, sendo que de 2008 a 2013 cresceu 68%. Para Pedro Magalhães Ribeiro “valorizar a primeira vez que a curva da dívida desde, depois de 8 anos consecutivos a subir, é um exercício de justiça para com os trabalhadores que contribuíram com o seu esforço para este resultado”.

 

As contas de 2014 mostram que o passivo exigível baixa 790 mil euros em relação ao ano anterior e a dívida estabilizou nos 46 milhões e 250 mil euros.

 

A dívida de curto prazo baixou 11 milhões e 560 mil euros, dos quais 10 milhões e 600 mil euros se devem a pagamentos PAEL. A dívida ao estado – Caixa Geral de Aposentações, ADSE e Segurança Social – baixou 31% o que representa um pagamento de 428 mil e 500 euros.

 

O presidente da Câmara frisou que baixar a dívida de curto prazo a terceiro de 25 milhões e 29 mil euros, para 14 milhões e 160 mil euros, é uma descida de 45% que se deve ao esforço de contenção da despesa, que disponibilizou verbas, e à capacidade resolver a grande confusão em que o processo PAEL foi deixado no anterior mandato”.

 

Câmara prepara contas para entrada do prejuízo da empresa municipal Rumo 2020

O resultado líquido de 2014 mostra um agravamento de 1,172 milhões de euros, em relação a 2013, com as contas a revelar que o valor final deste indicador é de 3.091.529,44 euros, negativos.

 

Fernando Amorim, vice-presidente da Câmara Municipal, com o pelouro de gestão e finanças, explicou que a extinção já aprovada da empresa municipal Rumo 2020, levou à “necessidade de integrar o direito de superfície que a empresa detém, no valor de 2 milhões 470 mil euros, mais o prejuízo de 2014, que foi de 1 milhão e 114 mil euros, o que soma 3 milhões 584 mil euros, sem esta necessidade, o resultado líquido das contas municipais, teria sido positivo”.

 

O vice-presidente avaliou o ano de 2014 como “uma prova de obstáculos na qual o município em 2014, ultrapassou todos os obstáculos e cortou a meta, mas não chegou em primeiro lugar. Afirmando que será o objetivo deste executivo chegar à meta em primeiro lugar”, o que o leva a “valorizar a diminuição de 790 mil euros à dívida, que baixou pela primeira vez em 7 anos, como um número pequeno em proporção ao seu passivo, mas enorme no esforço que exigiu à comunidade”, lembrando que só de serviço da dívida, foi carregado 1 milhão e 700 mil anos”.

 

Quanto aos resultados da Rumo 2020, o vice-presidente explicou que “tal como sempre previmos, a extinção da empresa municipal, tem impacto nas contas do município”, explicando que a empresa “tem uma estrutura de despesa fixa – na maioria são os recursos humanos que estão a trabalhar nas escolas -, não recebeu subsídios em 2014, em 2013 tinha recebido 805 mil euros, o que levou a levou a apresentar um prejuízo de 1 milhão 114 mil euros”, para além deste valor “o direito de superfície que recebeu da Câmara, tem agora de voltar ao património municipal, o que implica que a Câmara tem de anular das suas receitas, 2 milhões e 470 mil euros, que é um impacto enorme no resultado líquido do município, passando este de 492 mil euros positivos, para os 3 milhões e 91 mil euros”.

 

A encerrar a apresentação de contas, o presidente da Câmara valorizou os resultados de 2014 “ainda muito curtos para os problemas que enfrentamos”, frisando que o próximo grande desafio para o município, será o recurso ao Fundo de Apoio Municipal, que é obrigatório pelo excesso de endividamento e  que “apesar de ser a única solução que temos, eu apelido de Fundo de Asfixia Municipal”, defendendo a possibilidade de os municípios poderem negociar algumas das condições estabelecidas para que “este o FAM seja de facto um fundo de apoio e de recuperação”.

 

Apresentação do livro Celebrar

Livro vínico de Vasco d’Avillez é apresentado no decorrer da Festa do Vinho

 

Vasco d’Avillez, presidente da Comissão Vitivinícola da Região de Lisboa vem ao Cartaxo, no decorrer da Festa do Vinho, para apresentar o seu livro Celebrar. A apresentação está agendada para dia 1 de maio, às 18h30, no Pavilhão Municipal de Exposições.

 

Definido pelo autor como “um livro de histórias e de vinhos para quem acredita que à mesa não se envelhece”, Celebrar é o primeiro livro de Vasco d’Avillez e tem como objetivo ajudar o leitor a “selecionar o melhor vinho para celebrar os momentos de alegria e as datas do ano em que nos reunimos com a família e os amigos” e ensinar “a abrir, guardar e, sobretudo, apreciar cada garrafa e os segredos que esta encerra”.

 

 

De 30 de abril a 3 de maio, o Pavilhão Municipal de Exposições do Cartaxo vai receber a XXVII edição da Festa do Vinho.

 

O certame vai aliar as já tradicionais tasquinhas, nas quais o visitante pode saborear os petiscos locais, com a animação musical, as provas enogastronómicas e a exposição e venda de vinho, por parte dos produtores e casas agrícolas.

 

Serão quatro dias dedicados ao vinho, à gastronomia e às tradições populares.



publicado por Noticias do Ribatejo às 20:20
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

Ministro da Agricultura m...

Colégio de Fátima vence E...

Semana Aberta da Universi...

Secretário de Estado da E...

POLIEMPREENDE ATRIBUI 4.5...

Projeto AgriEmpreende rec...

FNA 19 continua a debater...

Circulação de Trânsito | ...

24 horas a pedalar em Cor...

Políticos de Palmo e Meio...

Crédito Agrícola distingu...

NOVO ESPAÇO DO CIDADÃO AG...

Atribuído prémio de Melho...

Operação Baco 2019

Sons de Verão animam as ...

Fim de Semana da Ativida...

Chamusca recebe de 11 a 1...

1300 crianças passam “UM ...

Jornalista Fernando Corre...

Conversas de Agricultura ...

Município do Entroncament...

Chamusca afirma-se como “...

Feira Nacional de Agricul...

Três nadadores de Almeiri...

CARTAXO NA FEIRA NACIONAL...

FERSANT celebra 30 anos c...

Município de Coruche Na ...

ÁGUAS DO RIBATEJO NA FEIR...

Mudança

1º Ministro na Feira Naci...

arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds