NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 30 de Agosto de 2015
CONTO DA SEMANA: "Maria Elisa"

CATARINABETES.png

 Por: Catarina Betes


Quando os meus pais me deixaram em casa dos meus avós, tinha apenas dois anos. Por maior que fosse a necessidade, hoje olho para os meus filhos e não compreendo que força maior faria uns pais entregarem aos cuidados de uns avós idosos, uma criança de dois anos.
O meu pai arranjou trabalho em Lisboa no Ministério da Justiça e partiu com a minha mãe. A casa era pequena, a minha mãe ia procurar trabalho e como a vida na capital era cara, o melhor foi deixar-me ao cuidado dos meus avós maternos.
Durante muito tempo, esse facto não me causou estranheza.
Habituei-me a ver nos meus avós o alicerce familiar, eram eles que me levavam à escola, davam banho, levavam à missa ao Domingo. Tudo me parecia normal, porque o normal é o que conhecemos.
Apenas quando fui para a escola me interroguei uma ou outra vez porque não vivia com os meus pais, ao contrário das outras crianças que conhecia.
As poucas vezes em que o assunto foi mencionado, a minha avó disse-me sempre que quando os meus pais partiram, não era para ser assim.
Pensaram que pouco tempo depois lhes seria permitido vir-me buscar. Mas entretanto a minha mãe empregou-se na fábrica e como inicialmente trabalhava por turnos, era complicado ter uma criança para cuidar.
O que me intrigou mais tarde, foi que entretanto tenha nascido a minha irmã Joana e que ela sempre tenha vivido com os meus pais.
Um fim de semana por mês os meus pais vinham à terra. Traziam brinquedos, roupas, e no Domingo, depois do almoço, lá partiam os três, enquanto eu ficava no passeio, com o braço no ar, a acenar um adeus que não compreendia muito bem.
A minha avó Maria Elisa era uma força da natureza.
Além de mim, tomava conta de mais três netos, que moravam mesmo ao nosso lado, filhos da minha tia Rita. Fazia panelas de comida para todos, tratava da roupa, da horta, levava-nos à escola e tinha sempre um sorriso rasgado reservado aos netos. Quando os meus primos iam para casa, no fim do dia, eu ficava sozinha com os meus avós e confesso que os cheiros daquela casa ainda hoje me perseguem, em sonhos. O cheiro adocicado do café acabado de fazer, o cheiro a limão e canela do tacho do arroz doce que eu mantinha debaixo de olho à espera do momento de o poder rapar. O cheiro das couves acabadas de cozer e que eu comia sempre a resmungar.

250px-Taste-testing_the_cookie_dough_with_Grandm.j
Quando a minha avó Maria Elisa adoeceu eu tinha doze anos e andava já na escola industrial.
Os meus pais quiseram levar-me para Lisboa, mas eu fiz finca pé. Não existia no mundo nenhuma força capaz de me afastar da minha avó. Mesmo na cama, era ela quem dava as directrizes. Indicava ao meu avô o que havia a fazer e como deveria ser feito. Eu ajudava nas refeições e em tudo o que me era permitido, embora a minha avó ralhasse, queria que eu estudasse, que não perdesse tempo com os velhos.
Dei muitas vezes com o meu avô a chorar na horta, enquanto cavava a terra seca, afogando no trabalho a mágoa que o derrubava.
Os telefonemas dos meus pais eram diários, para a casa dos meus tios. Nunca quis falar com nenhum dos dois. Iniciei a minha fase de revolta. Revolta contra a doença, revolta contra a sensação que desde muito cedo me abargou os sentidos e que só nesse período começou a ter um nome…abandono.
Cinco meses depois de adoecer, Deus levou a minha avó. Amei-a como uma filha e enterrei-a com o amor de uma.
O meu avô foi viver com os meus tios na casa ao lado e eu fiquei sem argumentos para ficar. Foi pedida a minha transferência para Lisboa e parti, dorida por dentro, na fragilidade dos treze anos acabados de completar.
Adaptei-me aquele espaço e aquela vida familiar como pude.
Não posso dizer que a minha vida foi infeliz a partir daí, porque estaria a faltar à verdade.
Os meus pais fizeram o possível por me integrar e confesso que, com o passar do tempo e com muita paciência, foram relativamente bem sucedidos. Aprendi a conhecê-los e tentei compreender.
Hoje, quando leio uma história aos meus rapazes, ao deitar, deixo muitas vezes a minha imaginação voar até ao passado, e não é a casa de Lisboa que recordo. É a cozinha da minha avó Maria Elisa, onde passei horas e horas da minha infância, os seus braços à volta do meu corpo, as suas mãos enrugadas mas delicadas a aconchegarem-me os lençóis.

E por momentos fecho os olhos, inspiro profundamente e sorrio…porque no fundo da minha alma, sinto novamente o cheiro a limão e canela…do arroz… doce da minha infância.

Catarina Betes, “Não se Nasce Mulher Por Acaso”

 

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:05
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12


21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

TEMAS DE SAÚDE:

Intimidade

Município de Santarém co-...

Câmara Municipal de Salva...

REMODELAÇÃO DA SINALIZAÇÃ...

Análise de investimento r...

Santarém – Prisão prevent...

ENSINO SUPERIOR NO DISTRI...

Entroncamento comemora o ...

CARTAXO REFORÇA APOIO À V...

Conversas com Café… Comun...

Branca de Neve e os Sete ...

Dia Mundial da Alimentaçã...

Concursos Nacionais no CN...

A renovada Sinagoga de To...

Temporada da Música 2019

NERSANT está em Macau a p...

Centro Cultural Azambujen...

Tomar recebe Seminário Na...

Grupo Tradicional "Os Cas...

Município de Azambuja com...

Anselmo Borges em Tomar d...

Arranque do ano letivo 20...

CONSTRANGISMENTOS E EVENT...

Lançamento do Guia Percur...

Município do Cartaxo cele...

Município do Cartaxo cele...

Discoteca Lipp’s reabre p...

FESTA DAS VINDIMAS EM VIL...

Exposição e concerto evoc...

arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds