NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 14 de Setembro de 2014
CULTURA AVIEIRA: A Barraca Avieira

Por: Lurdes Véstia (*)

 

 

C:\Users\lulu\Desktop\Avieiros\FOTOS\Profª Ana da Silva\Portefólio fotográfico das aldeias\Aldeia do Patacão_Alpiarça\Patacão 7.jpg

Barracas Avieiras em época de cheia

 

Como já referimos anteriormente os pescadores Avieiros estabeleceram-se no rio Tejo e no Sado, construindo uma cultura identitária e única, com base numa matriz comum, sendo as habitações de madeira assentes em estacas, espelhadas nos palheiros do litoral norte, uma das suas manifestações culturais. Se nas praias do litoral norte os palheiros eram construídos assentes em palafitas para evitar que as habitações fossem invadidas pelas areias varridas pelos ventos, no Tejo a utilidade das palafitas era a de permitir a passagem das águas do rio e assim defende-las na altura das cheias.

Essas barracas, ou palheiros, de acordo com as terminologias dos locais onde fundaram os seus assentamentos, e os materiais utilizados na sua construção, tinham basicamente a mesma tipologia de construção. Diz-nos Lopes Bento que esta forma de habitação terá surgido como adaptação ao ambiente: “(...) o pescador, porém, como o manejo da sua pesada alfaia o obrigue a não se distanciar muito da margem, quando caso mais frequente, a pesca é a sua exclusiva ocupação, adaptou a casa à instabilidade do solo em que habita. Vencer ou atenuar esta ação da dinâmica terrestre e principalmente na região onde ela se acentua com mais intensidade foi o que conseguiu com as habitações sobre estacaria”.

No Tejo, o termo palhota, com que se designavam em alguns locais as habitações dos Avieiros, derivava do facto de se utilizar palha, ou colmo, para as coberturas, material abundante nos terrenos agrícolas da Borda d´Água tagana.

A barraca (assim apelidada sem qualquer intuito pejorativo) era construída sobre estacaria e todo o material de construção utilizado era a madeira, com exceção do lar e da chaminé, que eram de tijolo e cal, e o telhado que era de telha e de duas ou quatro águas. Só mais tarde aparecem as estacarias feitas em betão de modo a oferecer mais consistência e durabilidade.

As tábuas que formavam as paredes achavam-se dispostas quase sempre verticalmente; só excecionalmente se viam tábuas atravessadas. As fachadas eram pintadas de cores garridas e muitas vezes da mesma cor que a embarcação de que eram proprietários, talvez como forma de identificação pessoal…Quando as barracas ficavam altas, subia-se para elas por uma escadaria externa, igualmente de madeira, que servia uma varanda,na frente do lado do rio, que permitia o acesso à porta principal. O interior da casa era geralmente composto por um ou dois quartos, dependendo do número de filhos, pintados de azul ou rosa conforme o sexo dos ocupantes, uma cozinha e uma sala. Muitas vezes a cozinha ficava fora da barraca por causa dos fogos.O recheio era adequado à sobriedade que caraterizava os pescadores. Regra geral a casa era o espaço da mulher e das crianças e a rua o do homem.

Ainda se podem ver várias barracas nalgumas das aldeias Avieiras, nomeadamente, Patacão, Caneiras, Escaroupim, Palhota e Porto da Palha. Umas em razoável estado de conservação mas a maioria a necessitar de urgente intervenção pois correm o risco de desabamento com o consequente esquecimento de uma arquitetura secular e única na Europa, a construção palafítica fluvial. Para que esta intervenção seja possível é urgente reconhecer o interesse do património e da cultura Avieira, como fatores de diferenciação e afirmação da genuinidade dos territórios, particularmente os mais fragilizados e marginalizados.

Foi neste tipo de habitação que cresceram os avós e pais da penúltima geração de Avieiros do Tejo.

 

1 -Professor catedrático convidado e presidente do Conselho Científico do Instituto Superior Politécnico Internacional.

 

(*) Mestre em Educação Social



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

"O medo tem alguma utilid...

Município de Azambuja ass...

Ano letivo 2019-2020 arra...

Tomar – Prisão preventiva...

Arroz é rei em novo event...

PSD visita operação de li...

Fórum Cultural em Arruda ...

CÂMARA MUNICIPAL DO CARTA...

Santarém retoma liderança...

União de Tertúlias de Aza...

Mercado de Outono e ofici...

ATIVIDADES PRIMEIRO FIM D...

ELA É UMA MÚSICA OCUPA VA...

Espaço Cidadão em Aveiras...

Politécnico de Santarém a...

Centro Cultural recebe se...

X Maratona BTT NO TRILHO...

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA A...

CÂMARA ENTREGOU FICHAS ES...

"Love Conquers All", no J...

Rock na Aldeia 2019

Município de Azambuja ass...

Parabéns Cátia Mateus!......

O Movimento Juntos pelo R...

Joana Bagulho toca Carlos...

NERSANT Business soma já ...

TEMAS DE SAÚDE: Sequelas ...

Não nascemos para sermos ...

‘Os homens e as mulheres ...

Sessões de Yoga para cria...

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds