NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 30 de Novembro de 2014
CULTURA AVIEIRA: Aldeia Avieira da Barreira da Bica

LURDES.jpg

Por: Lurdes Véstia

A Barreira da Bica, na foz do rio Alviela, encontra-se a cerca de dois quilómetros de Vale de Figueira, no concelho de Santarém, local onde se estabeleceu, durante décadas, uma colónia de pescadores Avieiros.

Ao local chamaram Barreira da Bica, pelo facto de existir, como hoje ainda existe, uma fonte de água pura vinda da encosta. A aldeia chegou a ser constituída por 28 barracas, adega, um forno comunitário (ainda existente) e os galinheiros que apenas guardavam os coelhos, visto que as galinhas viviam em plena liberdade. Por variados factores, como a poluição do rio Alviela, foi-se dando o abandono da aldeia até à desertificação total. A aldeia foi morrendo, sem gente, com as casas abandonadas, e com os barcos e apetrechos ao abandono no areal.

Sem Título.png

 Mulheres Avieiras da Azinhaga, Golegã, de regresso a casa depois da venda do peixe

 

“Elizabete da Bica”

Elizabete nasceu em 1932, em Salvaterra de Magos, quando os seus pais, andavam na pesca do sável, mas foi em Vale de Figueira (Barreira da Bica) que foi registada. "Vivíamos numa casa de madeira com estacas ao pé do rio Alviela".

Uma pescadora que bem cedo conheceu a dureza do trabalho no campo, desperdiçando a infância para ajudar a família de nove irmãos. Aos 21 anos casou com J. C., que também trabalhava no campo, e decidiram abandonar o trabalho na terra que não lhes pertencia e ir ao chamamento do Tejo, seguindo o exemplo dos pais.

Passaram muitas dificuldades "Foi uma vida muito dura". "No verão, dentro do barco, era um calor insuportável. No inverno, um frio de gelar".

Engravidou um mês depois de casar e até dar à luz, continuou a viver dentro do barco no rio. Depois do parto, passou um mês em terra com o bebé nos braços, para criar. Quando o filho completou 6 anos de idade, Elizabete e J. decidiram mudar de vida e assentar em terra. O menino tinha que ir para a escola e o barco tornava-se cada vez mais pequeno e inóspito para servir de lar. Além disso, a saúde de Elizabete exigia cuidados acrescidos pois havia contraído uma doença pulmonar.

Construíram, com as suas próprias mãos, uma barraca de madeira na aldeia Avieira da Barreira da Bica, à beira Tejo, com o pouco dinheiro que conseguiram amealhar na dura vivência de pescadores.

Tiveram mais um filho, que em bebé revelava uma saúde débil. O casal não abandonou o barco. Continuou a dedicar-se à pesca e entregar-se á cansativa faina do dia-a-dia. Uma tempestade destruiu-lhes a barraca onde viviam e tiveram que construir outra.

Mais tarde, depois dos filhos criados, J. decidiu comprar um pedaço de terreno e construiu uma casa em Vale de Figueira. A vida melhorou significativamente e Elizabete não mais deixou a sua casa. Passados anos J. C. morreu afogado no Tejo ao tentar salvar das águas o velho barco, num dia de fortes chuvadas.

A história de Elizabete

A narração de “Elizabete da Bica” foi marcada por momentos de alguma confusão no discurso, no entanto as memórias foram surgindo e a história revelou-se plena de significações. Percebe-se que a história de vida de Elizabete se confunde com a de tantas outras mulheres que vão substituindo o papel de filha pelo de mãe e mais tarde pelo de avó. A história de Elizabete fala de uma mulher com fortes vínculos ao lado feminino da família, herdando dele o seu papel de cuidadora e zeladora das maleitas e mal-estar da família: (...) a nha mãe e a nha avó é que ensinavam isso tudo à gente (…) Já não consigo arrebanhar... depois rezava-se um Padre Nosso e uma Avé Maria... a nha avó sabia muito bem rezar. Ela era da Vieira, elas iam à missa e sabiam a dótrina. Ela sabia todas as rezas e sabia todas as coisas... Sabia o pé retorcido, o cóbrão... mas isso ainda eu faço também...”

Já no seu papel de avó, Elizabete, conta a história de uma mulher envelhecida partindo da comparação e consideração entre o passado e o presente: (…) Já tenho dito a uma neta que aí tenho, com 12 anos, “na tua idade eu já estava farta de trabalhar, em casa e tudo” . A nha mãe ia fazer a venda dela e eu fazia tudo em casa. Eu e outra irmã minha”.

O dia-a-dia narrado por Elizabete resultou na construção de três fortes grupos temáticos: as relações familiares, as práticas religiosas e o papel da mulher dentro da comunidade.

Relações familiares: Elizabete socorreu-se de vários personagens da família para falar de si. Elizabete fala da morte para designar as relações de parentesco com a pessoa morta e para se relacionar com ela: “Não conheci os mês avós porque o pai da nha mãe morreu afogado no mar e o pai do mê pai...quando o mê avô morreu a nha avó ficou grávida do mê pai. Nem ele conheceu o pai. A nha mãe era C. e o mê pai M. Eu sou prima carnal do mê marido. O mê sogro chamava-se A. C. e a nha sogra era E. F., ela não sabia o nome porque ficou sem mãe de pequenina e toda a gente a chamava de E. P. Mas ela na era E. P., era E. F. A nha mãe deixou uma irmã na Vieira. Na Vieira ainda lá há família. A família do mê pai era B”.

LV: B. há também em Alpiarça, no Patacão...

E: É tudo da nha família...

Ou ainda: (…) os pescadores de antigamente eram todos da Vieira... pois!... o mê avô morreu afogado lá no mar... foram treze de uma vez que morreram e o mê avô coitado nunca mais apareceu. Ópois a nha avó veio cá para o Tejo. Elas faziam uma safra lá no mar da Vieira e depois quando estava melhor cá vinham pra cá. Ópois acabaram por ficar, ficou cá ela e pronto! ficou cá muita gente. A nha avó ficou viúva com cinco filhos e ópois casou outra vez com outro homem... pronto! E era assim...”

Outro aspecto observado foi a comparação que é feita, durante o decurso da narração, entre os personagens da família e os demais: “O mê pai gostava muito de trabalhar e a nha mãe. Foi fome, mas a gente nunca passámos fome. Lá ao pé da gente havia muita gente que passava fome. Porque o mê pai e a nha mãe iam vender o peixe a Alcanhões, outra vez a Alpiarça, era onde calhava. E quando a nha mãe vinha, já tínhamos almoçado. Ê arranjava uns peixes, a gente tínhamos sempre uns roibaquinhos, arranjava aquilo de caldeirada, outras vezes sopas e batatas. Pronto!, a gente comíamos e criámos bem. Os mês irmãos era tudo gente grande, eu é que era mais baixa. Nunca passámos fome. Porque o mê pai era muito corajoso, mas havia daqueles que não se tiravam ali de pé de casa... pois! Eu sei!”

Este método de falar de si através das relações familiares evidencia a construção da sua identidade dentro destas relações. Ora semelhança ora diferença, Elizabete vai-se colocando como mãe, filha, irmã e neta dependendo das relações que mantinha com os personagens que com ela conviviam. 

No quadro das relações interpessoais Elizabete falou ainda na sua história de violência doméstica, na falta de respeito nas relações entre homem e mulher, situação que era sentida e consentida em muitos lares Avieiros.

LV: Mas quem mandava lá em casa?

E: Dentro do barco eles respeitavam a gente e até gritávamos ordes…mas em casa…olhe lá… antes se uma mulher fosse a buscar o home à taberna, ia a levar porrada até casa….era uma ofensa muito grande!!!

LV: Eram as mulheres sempre que vendiam o peixe? Eram elas que geriam o dinheiro em casa ou eram os homens?

E: Eram elas. Eram as mulheres.

LV: E quando os homens precisavam de dinheiro para qualquer coisa?

E: Eles pediam às mulheres, pra fazer a barba...

E depois:

LV: Mas havia muita violência doméstica?

E: Ora…havia aquelas que levavam todos os dias !!! O mê hóme deu-me muitas vezes e às vezes até me dizia “Ó Elizabete amanhã levas mais!!! Porque sempre que te bato no outro dia matas mais uma galinha” ...Era assim…felizmente já não é.

Ao falar sobre a violência doméstica, sentida por tantas mulheres Avieiras, Elizabete espelha a divisão entre géneros, no qual o homem é reconhecido como tendo mais poder social do que a mulher que consegue aumentar o espaço para gerir as suas tarefas sociais mas não mudar a sua identidade.

A mulher Avieira revela-se-nos assim como indefesa, aceitadora das agressões, resignada e votada ao silêncio.

Práticas religiosas: Durante toda a narrativa Elizabete deixou bem clara a importância das práticas religiosas entre a comunidade Avieira. As crenças/ritos revelam aqui, positiva ou negativamente, a integração social, a influência dos laços familiares, os valores vigentes, a relação comunitária, entre outras. Na origem destas expressões populares pode-se, de facto, descobrir a consciência dos limites humanos perante forças transcendentes e a necessidade de dar sentido, apoio e organização à vida humana, sobretudo em alturas de perigo ou nos momentos cruciais da vida. Espelham, portanto, os anseios, os sofrimentos e as esperanças dos pescadores Avieiros.

 LV: Nessa altura não frequentavam muito a igreja, como é que era?

E: Na, na frequentávamos.

LV: Vocês nunca iam à missa?

E: Nunca íamos lá. Chegaram a ir lá fazer missas campais, na sei se já era casada ou se ainda era solteira. Até lá iam padres que andavam ainda no Seminário fazer missas campais. Iam lá ao pá da barraca do mê compadre Albertino fazer as missas campais.

LV: Tirando as missas campais, nem por mortes, nem por casamentos, nem por nascimentos os padres lá iam...Todos eram baptizados?

E: Todos.

LV: O senhor padre costumava vir aqui?

E: Na, vinha a gente lá.

A actividade piscatória e a ajuda divina: A actividade piscatória é o ser e o ter destas comunidades e o seu fruto dependia quer do esforço de cada um quer também da vontade dos “deuses”. O dia-a-dia era marcado por actos e atitudes que remetiam, muitas vezes, para o transcendental. Num universo povoado de medos e angústias, as forças malfazejas assumiam um papel importante.

Para enfrentar os temporais e as trovoadas recorriam a “receitas” verbais. Estes ritos evocam, comummente, acontecimentos sobrenaturais ligados à origem do mundo ou da própria religião.

Isto nos demonstra Elizabete:

LV: Vocês conheciam algumas daquelas rezas, a Santa Bárbara ou a S. Gerónimo?

E: Cantava muito isso...a nha avó é que ensinava isso tudo à gente...

Santa Bárbara se alevantou

Seu pé direito calçou...

Nosso Senhor (ou Nossa Senhora) encontrou...

Onde vais Santa Bárbara?

Vou espalhar a trovoada...

Santa Bárbara bendita

No céu está escrita...

Durante a entrevista e pelas palavras de Elizabete, ou até nos silêncios, sente-se que, em alguns momentos da sua vida, sentiu cansaço pelos diversos papéis sociais a que esteve obrigada. Este cansaço deveu-se sobretudo à dupla jornada de trabalho que Elizabete executava, pois para além das vulgares actividades domésticas, ela assumia o trabalho fora de casa e principalmente o trabalho nocturno da actividade



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

15
17

23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

ANGARIAÇÃO DE FUNDOS

ANGARIAÇÃO DE FUNDOS

Nova temporada do Teatro ...

ABRANTES: SL Benfica conq...

AFINAL, HÁ RUAS ENFEITADA...

ALPIARÇA : NOVO CONTINENT...

CARTAXO: TRÂNSITO ENCERRA...

ABRANTES: Intervenções do...

MUNICÍPIO ATRIBUIU HABITA...

18º Festival de Folclore ...

TAGUS – candidaturas aber...

Novas exposições nas ‘Gal...

Trail das Famílias 2019 n...

FESTAS EM HONRA DE NOSSA ...

Vem aí a 15ª edição dos “...

In. Santarém 2019 | PROGR...

CA Soluções de Crédito Fa...

Fabíola Cardoso propõe cr...

O tempo

1.ºTorneio Solidário Stre...

O Concelho de Azambuja ac...

NERSANT quer simplificar ...

VALADA ACOLHEU DIA INTERN...

13.ª Edição da Feirinha d...

“Galerias com Arte” receb...

MEIO MILHÃO DE EUROS PARA...

Festival de folclore ‘Rio...

CRÉDITO AGRÍCOLA COM RESU...

Município de Azambuja tem...

“Da Terra à Mesa” é o tem...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds