NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 7 de Setembro de 2014
CULTURA AVIEIRA: Culinária Avieira - Uma cozinha de adaptação à vida à beira-rio
Por: Lurdes Véstia (*)

Uma comunidade é reconhecida como forte quando preserva os seus traços culturais, quando os desenvolve e os transmite de geração em geração. Alimentar-se vai para além de um simples ato de nutrição, é um ato social que está fortemente presente nas raízes de um povo e é uma componente fundamental e imprescindível do quotidiano das comunidades. A alimentação tem um significado simbólico, é arte, é cultura.

Previamente há que realçar a importância da gastronomia dentro da comunidade Avieira. É, geralmente, à volta de uma mesa que se realizam os encontros familiares e se consolida o espírito de coesão e de união da comunidade. É, igualmente, neste contexto de socialização primária que os mais novos, instigados a cumprir as regras sociais vigentes sobre o que comer, como comer e como fazer o comer, recebem as informações transmitidas pela família aqui no seu papel de intermediária entre os jovens e a sociedade. Regra geral, os grandes momentos de alegria das famílias Avieiras são acompanhados de eventos gastronómicos: casamentos, nascimentos, batizados, aniversários, isto é, todas as datas festivas e simbólicas.

A culinária Avieira não foge à regra geral descrita na teoria de que «é a arte de saber comer e beber bem». A culinária Avieira é cultura, é tradição, são raízes fortemente impregnadas na comunidade e que se vão passando de geração em geração. É esta união para preservar o que é deles e de mais ninguém que torna esta gente tão forte. Como diz a investigadora Maria Leonor Soares Leal, no livro «A História da Gastronomia», «cozinhar é uma ação cultural que nos liga ao que fomos, somos e seremos e, também, com o que produzimos, cremos, projetamos e sonhamos».

Tradição, adaptação e subsistência. Estes são os traços que identificam as origens da cozinha Avieira, esta arte culinária tem características mediterrânicas e é marcada pela presença das ervas do campo e de peixes do rio, como o sável, a saboga, a fataça a enguia ou o barbo.

A culinária dos Avieiros é fruto do ambiente natural de proveniência – Praia da Vieira – da cultura própria da comunidade e dos locais para onde migraram. A culinária Avieira foi, portanto sendo cruzada, ao longo do processo de assentamento (pelo menos desde 1833), com os recursos disponíveis, as necessidades e as práticas ancestrais da comunidade. Nos primeiros momentos, quando pretenderam sedentarizar-se nas margens do rio Tejo, os pescadores Avieiros não tiveram como alvo as zonas férteis da lezíria ribatejana. O objetivo primeiro foi encontrar um local para «levantar» um abrigo que os protegesse contra as intempéries. Esta procura levou-os até locais privilegiados na Borda d´Água onde se tornava fácil o acesso aos barcos. Só mais tarde os Avieiros construíram as suas «barracas» mais dentro das margens e perto dos campos cultiváveis. Como é óbvio foi nos produtos que a natureza, espontaneamente, lhes providenciava que os pescadores Avieiros encontraram a base da sua alimentação, limitando-se a colher, a pescar e a caçar. Durante muitos anos não praticaram qualquer agricultura. Sabe-se, pelos testemunhos recolhidos, que as ervas mais utilizadas pelas mulheres Avieiras na sua cozinha eram saramagos, cangarinhas, grizandas, pampostos, beldroegas e agriões selvagens.

Os Avieiros no seu dia-a-dia alimentavam-se essencialmente do peixe que pescavam: sável, saboga, fataça, enguia, barbo, robalo, boga, etc. Nas palavras de uma Avieira que entrevistei para a minha tese de mestrado: «A gente só comia saramagos e grizandas e pampostos. Só comíamos coisas dessas. Grizandas é uma erva que deita uma flor amarela e eu gostava muito daquilo. De pampostos eu não gostava muito porque era muito macio. Cangarrinhas, saramagos, fazíamos sopa disso. Os saramagos, o feijão, botava saramagos ou grizandas, botava um bocadinho de toicinho, um bocadinho de morcela, era o conduto, uns baguinhos de arroz e comíamos sempre. Mas nunca deu para mais. Beldroegas, eu comia em salada. Os agriões dantes eram uma coisa selvagem...Eu não me engraçava muito com o saramago, mas era tão importante que algumas pessoas tinham alcunhas de «Saramago». Nunca passámos fome... Porque dantes a gente... Havia muito rabisco, milho e feijão, na lezíria e a gente ia ao rabisco do milho e do feijão e depois tínhamos sempre feijão. E tínhamos azeite. Arranjávamos azeite do rabisco, fazíamos água-pé».

Hoje em dia a alimentação dos Avieiros é muito parecida com a de todos nós, se bem que possam apostar um pouco mais no peixe. No entanto a tradição ainda lhes recomenda algumas restrições… No que diz respeito aos antepassados não podemos esquecer que eram pessoas muito simples e pobres logo com uma alimentação muito «prudente». Do meu ponto de vista eles praticavam a típica dieta mediterrânica: peixe, batatas, todo o tipo de legumes e ervas que existiam ao longo do rio, fruta, azeite e vinho. Estes três últimos provinham do «rabisco» que faziam nos terrenos agrícolas vizinhos das aldeias e durante a noite quando andavam à pesca… Comiam melhor pelos casamentos e no Natal onde já aparece a carne de porco, de borrego e galináceos. Os porcos e os galináceos eram criados por eles mas os borregos eram muitas das vezes «negociados» com os donos dos terrenos em troca da limpeza e conservação das marachas do Tejo e pelo transporte do gado de margem para margem ou para os mouchões no leito do rio.

Das receitas conhecidas, temos: sável frito com açorda de ovas; arroz de sável; enguias fritas, grelhadas e de ensopado; fataça na telha e grelhada; arroz de lampreia; lampreia à bordalesa; lampreia grelhada. Para os dias festivos, ensopado de borrego e assado no espeto; porco no espeto da vara de salgueiro; galináceos corados e de arroz. E na sobremesa destaca-se o arroz doce com canela.




Entendo que a história de um lugar se escreve, também, através da sua gastronomia pois esta constitui um bem cultural quase tão valioso quanto o património material. A culinária Avieira tem sido alvo, ultimamente, de vários eventos espalhados pelas diferentes zonas ribeirinhas e tem vindo a assumir-se como um agente galvanizador de outras atividades, as quais, no seu conjunto, induzem um efeito multiplicador com capacidade para a criação e desenvolvimento de pequenas empresas, em muitos casos de cariz familiar, contribuindo, assim, de forma significativa para a criação de riqueza dentro das comunidades ribeirinhas. Penso que o crescente interesse do turismo pela culinária Avieira poderá ajudar a resgatar tradições prestes a desaparecer e a manter a identidade deste povo.

Deixo aqui o repto a alguém, da área da Saúde ou da Nutrição, para desenvolver uma investigação sobre uma teoria, que eu gostava de ver tratada, que diz respeito à ligação que faço no meu trabalho «Avieiros-Dores e Maleitas» entre a alimentação dos Avieiros, a verdadeira dieta mediterrânica, e a sua longevidade. Durante a minha investigação foi comum encontrar gente Avieira muito idosa, saudável que, na década de 60 do século passado, atingiam com facilidade mais de 80 anos, para ambos os sexos, quando a longevidade média era de 60 anos para os homens e 65 para as mulheres.

 

(*)Mestre em Educação Social

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
Janeiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11



29
30
31


posts recentes

ETAR DE TORRES NOVAS TRAN...

Chamusca prestou homenage...

CARTAXO: CINCO PERSONAGEN...

BAILANDO COM SOPHIA

"Vidas Íntimas" de Noël C...

Aline Frazão apresentou D...

NERSANT apresenta projeto...

OUTONO

"Hidro by night" no Compl...

DEPUTADA DE OS VERDES NA ...

Yoga para crianças na Bib...

RUA SERPA PINTO E LARGO S...

NERSANT desenvolve Score ...

SUSPENSÃO NO ABASTECIMENT...

HORA DO CONTO

Projeto "Hora do Conto" ...

CONSTRANGIMENTOS E EVENTU...

Exposição de Pintura “Exp...

Inscrições abertas para a...

Câmara de Santarém aprova...

“Revist’ó Fado na Tasca d...

Suspensão do abastecimen...

Animais Errantes - Progra...

Trail “guiado” e caminhad...

Concerto de Ano Novo com ...

PONTÉVEL VAI RECEBER SEIS...

Angolana Aline Frazão dá ...

Programa Melhor Turismo 2...

Palavras

Cineteatro São João receb...

arquivos

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds