NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 31 de Maio de 2015
Cultura Avieira - Mulheres Avieiras porta-vozes da memória de um povo

LURDES01.jpg

Por: Lurdes Véstia

(continuação)

Identificaram-se como público-alvo todos os elementos constituintes da comunidade Avieira da Borda-d’água tagana, tendo-se, no entanto, restringido o estudo a duas mulheres, idosas, pescadoras Avieiras.

Para chegar às duas participantes deste estudo, percorreram-se vários caminhos. Na preparação, durante o mês de Junho de 2012 do 3º Congresso Nacional da Cultura Avieira, o Instituto Politécnico de Santarém e o Gabinete da Cultura Avieira, segundo proposta por nós apresentada, decidiram ser aquele o momento certo para homenagear pescadores Avieiros que, durante o seu percurso de vida, tivessem sido promotores de ensinamentos das aptidões e técnicas que dominam e que são consideradas de valor histórico e cultural para a comunidade Avieira, com o objetivo de divulgar e preservar esse património.

Nesse dia 12, foram promovidos a Porta-vozes da memória Avieira, três homens e três mulheres, que foram criteriosamente escolhidos pela Associação para a Promoção da Cultura Avieira – APCA, baseando a escolha no perfil, percurso de vida dentro da comunidade Avieira, espalhada pela Borda-d’água tagana, e domiciliados em aldeias distintas. Todos eles apresentavam traços comuns, mesmo não tendo convivência conjunta.

Sem Título.png

 Casal Avieiro a tratar das redes na Aldeia Avieira de Caneiras, Santarém

Dentre estes, uns mostraram indisponibilidade para serem entrevistados para a elaboração deste estudo e outros não se encontravam em condições físicas para o fazer. Dessa amostra, Isabel e Elizabete mostraram disponibilidade e até algum orgulho pelo facto de alguém se mostrar interessado em conhecer e partilhar as suas memórias e “heranças”.

Os indivíduos, considerados beneficiários do resultado do trabalho, foram tratados enquanto pessoas com sentimentos e necessidades específicas e não como objetos passivos e recetores da intencionalidade externa. Levou-se sempre em conta a participação ativa da comunidade Avieira, de acordo com o contexto e a visão da realidade social como um todo. É forçoso dar prioridade á visão e ao ponto de vista do indivíduo a partir da sua vivência quotidiana e não da necessidade do trabalho em curso, de modo a evitar a segmentação da realidade, geralmente provocada quando os trabalhos não levam em consideração o público-alvo.

História de vida

A recolha de dados é uma das etapas que nos permite preparar e aplicar um instrumento, tendo como intenção obter esses dados através de métodos específicos, que têm em conta as características do público-alvo e os objetivos desejados. Tendo em vista as especificidades do objeto de estudo optou-se por uma abordagem qualitativa, uma vez que o propósito é produzir sentidos caracterizadores que surjam da interação entre a entrevistadora e as informantes.

Geertz (1983) destaca que, nos escritos etnográficos, o que chamamos de “nossos dados” são efetivamente a nossa própria construção das construções de outras pessoas, do que elas e os seus conterrâneos se propõem “mostrar”. Este facto não está claro na medida em que a maior parte do que precisamos para compreender um acontecimento, uma cerimónia, um hábito, ou o que seja, está sugestionado á partida pela informação generalizada da “coisa em si” antes de ser examinada diretamente. Assim pode inferir-se que a análise antropológica é uma escolha entre as estruturas de significação e determinar a sua base social e a sua importância.

 

O realce do autor está na etnografia como uma descrição densa, isto é, “uma multiplicidade de estruturas conceptuais complexas, muitas delas sobrepostas ou amarradas umas às outras, que são simultaneamente estranhas, irregulares e inexplícitas, e que ele tem que, de alguma forma, primeiro apreender e depois apresentar” (p.20), e que se pode observar em todos os níveis de atividade do trabalho de campo: entrevistar informantes, observar rituais, escrever diário de bordo, entre outros. Neste sentido fazer uma monografia descritivo-interpretativa sobre as formas de vida de povos, dos seus usos, costumes, valores e lendas é como tentar ler um documento cheio de incongruências, emendas e comentários, escrito não com os sinais convencionais do som, mas como modelos temporários de um comportamento regulado.

Os métodos qualitativos em ciências sociais são compostos, essencialmente, pelas técnicas da entrevista e da observação participante, ou seja, são direcionados para procedimentos centrados na investigação em profundidade, conduzida de acordo com procedimentos regulares, repetidos e levados a cabo, sobretudo, em períodos mais centrados no médio e longo prazos. O objetivo destes métodos é o de permitir que a investigação possa recolher e refletir principalmente aspetos enraizados, menos imediatos, dos hábitos dos sujeitos, grupos ou comunidades em análise e, simultaneamente, possa sustentar, de modo fundamentado na observação, a respetiva inferência ou interpretação dos seus hábitos. Segundo Moreira (1994) “(…) os dois grandes métodos de obtenção de dados qualitativos são a observação participante ou etnografia, como é hoje cada vez mais designada, e a entrevista qualitativa, em profundidade ou não estruturada” (p.31).

Dentro da metodologia qualitativa, as abordagens biográficas caracterizam-se por um processo de reviver episódios e por um revisitar da própria vida. A memória é algo presente na existência do Homem, sendo de relevante importância que a sua recuperação seja feita de modo cuidadoso e ético e pode ser constituída por lembranças vividas a diferentes níveis: da história colhida como memória ensinada (educação escolar); da história recebida oralmente (tradições) e da história como vivência pessoal. É a vivência pessoal que se deve utilizar como fonte de esclarecimento do passado (Vidigal, 1996).

O conceito de história de vida, conforme Bertaux (1980) é o relato da vida ou de episódios da vida, contados tal como o indivíduo os vivenciou. Por sua vez, Haguette (1992) sugere que o método de história de vida confronta duas óticas metodológicas, podendo ser aproveitado como documento ou como técnica de captação de dados.

Ao utilizar o método da história de vida o pesquisador não confirma a autenticidade dos factos, pois o importante é o ponto de vista de quem os relata. Este método é um trabalho de pesquisa, que se constrói, basicamente, com uma recolha de dados de carácter biográfico, sobre um ou mais indivíduos, sendo que a principal fonte de informação, mas não necessariamente a única, são os próprios.

O conceito história de vida encerra metodologias e métodos muito distintos, quer pelo carácter da presença do pesquisador na recolha de dados, pela análise dos materiais recolhidos ou pelas hipóteses que avalia.

Este método permite recolher informações do percurso de vida de um determinado indivíduo, ou indivíduos, assim como conhecer a sua experiência, prática e ótica, e não há melhor forma do que obter estas informações através da voz do próprio, ou próprios. O processo serve-se da trajetória individual, procurando divisar as informações contidas na vida pessoal de um ou de mais informantes, proporcionando uma quantidade de pormenores sobre o objetivo da investigação. Deve-se portanto dar ao indivíduo liberdade para conversar livremente sobre a sua experiência pessoal em relação ao que é perguntado.

O Homem é, por excelência, um contador de histórias e essa possibilidade fascina-o desde tempos muito remotos, talvez desde a aquisição da linguagem, pois de todos são conhecidos os vestígios deixados quer do ponto de vista da linguagem, visual, ou oral, expressos em hieróglifos, ícones e fábulas.

Apesar de compreender algumas limitações, a história de vida deve ser entendida como um método capaz de produzir interpretações sobre os processos históricos que reportam a um passado recente, o qual, muitas vezes, só é transmitido por indivíduos que participaram ou testemunharam algum tipo de ocorrência. Quando um indivíduo relata as suas memórias, transmite emoções e vivências que podem e devem ser compartilhadas, convertendo-as em saber, fazer e saber-fazer, de modo a fugirem do esquecimento.

O método história de vida dá oportunidade de aprender a ouvir aquele, ou aqueles, que vivenciaram a situação que se quer estudar, o que implica considerá-lo como par, alguém que é ativo no estudo e que reproduz a sua própria vida; para tanto, deve-se promover uma aproximação com o sujeito, ou sujeitos, do estudo, praticando uma escuta ativa e não apenas tratá-los como simples objeto de investigação, numa relação impessoal e distante.

No presente trabalho de pesquisa o ponto de partida da entrevistadora foi a história oral de vida das informantes, que tal como refere Vidigal (1996) pode contribuir para ampliar os estudos da história local, dar um sentido à própria identidade, contribuir para o reforço do sentimento de pertença a uma comunidade e para a interiorização de valores. Com este método de trabalho procura-se sempre a trajetória de vida desde a sua origem até à sua chegada ao lugar de destino e, sobretudo, as inúmeras dificuldades e peripécias encontradas para se estabelecerem no novo território (inclusão social).

Durante as entrevistas (com perguntas de onde veio, porque veio e quais foram as dificuldades encontradas no novo lugar) a entrevistadora regista as suas experiências de vida, no que seriam em parte, as suas histórias orais de vida.

(continua)

 

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


23
25
26
27
28
29


posts recentes

XII Torneio de 24 Horas d...

Tertúlia Festa Brava (Aza...

CÂMARA MUNICIPAL DO CARTA...

Se procura novas experiên...

Sessão de Esclarecimento ...

Iniciativas no âmbito do ...

RUAS DO CARTAXO INVADIDAS...

Desfiles de Carnaval no E...

O Pátio das Cantigas – No...

Aniversário do Crédito Ag...

Município de Azambuja for...

EXECUTIVO MUNICIPAL EM VI...

Central Elétrica de Tomar...

Seminário sobre as novida...

Assinatura do Contrato Pa...

Festividades de Carnaval ...

SECRETARIADO DO PS CARTAX...

I Duatlo do Entroncamento

O MUNICIPIO DE AZAMBUJA C...

OFICINA DE TÉCNICAS RADIC...

24ª Edição do Mês da Engu...

Conversas com Café… “Adel...

Page 1 GAL DA REGIÃO CENT...

Executivo Municipal de Az...

Alunos e Município unidos...

SUSPENSÃO DO ABASTECIMENT...

CARTAXO: DESFILE DE CARNA...

ÓRGÃOS DO PS/CARTAXO TOMA...

Última semana – XIII Conc...

Suspensão no abasteciment...

arquivos

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds