NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 28 de Junho de 2015
Cultura Avieira – Mulheres Avieiras porta-vozes da memória de um povo

Cultura Avieira – Mulheres Avieiras porta-vozes da memória de um povo

Cerzindo as duas narrações

LURDES01.jpg

 Por: Lurdes Véstia

 

Tivemos oportunidade de expor e de estudar as histórias de vida das duas mulheres Avieiras que se dispuseram a participar deste trabalho.

Estas histórias estão ligadas ao tempo e ao espaço. A passagem pelos lugares e as ligações interpessoais são um demorado pontear de histórias em que se combinam “cores e imagens” como num colorido tapete feito à mão.

Em seguida iremos apresentar o resultado do cerzido dos vários temas que encontrámos mais preponderantes e mais cheios de significações na análise de cada entrevista e que são manifestamente marcas da identidade Avieira.  

 Sem Título.png

Família Avieira da Barreira da Bica

a)Trabalho no feminino: Os jovens Avieiros começavam a trabalhar muito novos. Era, no entanto, estabelecida pelas famílias uma diferenciação muito evidente entre rapazes e raparigas, sendo estas as mais sacrificadas. Sempre que a família crescia as raparigas, que estivessem a frequentar a escola, deveriam abandonar os estudos para cuidar dos irmãos mais novos e fazer a lida doméstica. Se era considerado oficialmente pouco valorizado o acesso à instrução, para a generalidade dos jovens Avieiros, para as raparigas não era de todo relevante.

As mulheres Avieiras desde muito jovens tinham que tomar conta dos irmãos mais novos, da lide doméstica e ir exercer trabalhos agrícolas, onde trabalhavam de sol a sol e produziam quase tanto como os homens sendo todavia menos remuneradas.

Maria narra assim esta situação:

M: A nossa escola foi trabalhar. Eu à idade de 11 anos já tinha trabalhado, ferrei a trabalhar e nunca mais deixei, no campo, com enxadas.

LV: Com 11 anos a cavar?

M: A cavar e apanhar vides. Nessa altura não tinha força para atar um molhe de vides. Mas tinha que poder!!!

Gertrudes, por seu turno, comenta a situação com estas palavras:

G: Olhe lá! Nós éramos muitos irmãos e só um é que sabia ler! Eu tinha 11 anos e já andava com uma quarta de água à cabeça no meio das mulheres...era trabalho e do “gordo”…

“Os filhos não eram tratados como pessoas nem criados para alegria dos pais. (...). Não era uma questão de falta de amor, mas os progenitores estavam mais interessados na contribuição que os filhos podiam dar para o rendimento familiar (…)”. Esta opinião de Giddens (2001, p. 60) possibilita, talvez, ter uma ideia da realidade vivida pelas crianças Avieiras e perceber que as adversidades inerentes à instituição familiar terão certamente tido influência na qualidade das relações de vinculação estabelecidas e feito surgir vivências e sensações que terão influenciado a forma resignada com que posteriormente se modelaram as identidades.

A mulher, desde muito jovem, sempre desempenhou um papel muito importante na comunidade Avieira pois, para além do seu papel como filha, esposa, mãe, camarada do pescador, durante a faina e no concerto e fabrico das redes de pesca, era a gestora da economia doméstica, controlando o dinheiro proveniente da venda do peixe, nos mercados urbanos ribeirinhos, e era trabalhadora rural durante os meses de verão quando a faina estava mais fraca.

Nas comunidades piscatórias Avieiras são de facto as mulheres quem assume a condução da família, a resolução dos seus problemas, quer se trate de questões legais ou patrimoniais ou tão simplesmente questões tradicionalmente atribuídas às mulheres, como o tratar da casa e dos filhos. A mulher era a trave mestra da família. A literatura de Redol já apontava para que o facto do homem avieiro mandar na mulher mas que sem ela não tinha capacidade de se realizar.

Para identificar este tipo de organização familiar, em que a mulher assume um papel predominante, reapropriar-nos-emos do conceito de “matrifocalidade” ou sociedades “matricentricas”, conceito que qualifica um grupo doméstico centrado na mãe, estando o pai ausente ou detendo apenas um papel secundário.

À medida que as crianças crescem a mulher vai sendo gradualmente libertada do trabalho de cuidar delas com maior permanência, e quando as crianças começam a auferir alguns ganhos passam a contribuir para as despesas diárias do agregado familiar. É nesta fase que se começa a notar com maior clareza o padrão subjacente das relações dentro do grupo doméstico; a mulher passa do centro em redor do qual se desenvolvem os laços afectivos, para se tornar agora, em conjunto com os seus filhos, no centro de uma coligação económica e de tomada de decisões. Este crescimento da qualidade matrifocal ocorre, quer o esposo-pai esteja presente ou não (Smith 1996, p.42).

A multiplicidade de tarefas sempre fez parte da identificação da mulher Avieira e elas próprias se apodam, brincando, como “pau para toda a obra”.

M: A nha mãe ia fazer a venda dela e eu fazia tudo em casa. Eu e outra irmã minha.

Mais adiante:

LV: E na pesca como é que era?

M: Era muito bom … de noite pescávamos juntos, a mulher é a camarada do hóme, …depois da faina lá íamos vender o peixe…e eles ficavam a dormir na praia…boa vida, boa vida!!! Os hómes só pescavam e tratavam das redes… e nós éramos pau para toda a obra.

Até ao final do século passado era comum verem-se, logo de manhã após a pescaria, as mulheres Avieiras, normalmente descalças com a cesta à cabeça e muitas vezes os filhos pela mão ou à ilharga, fazer grandes caminhadas para vender o peixe, a granel, nos mercados das cidades ou vilas mais próximas da sua aldeia.

(continua…)



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

NERSANT apresenta tendênc...

74º Aniversário do Concel...

Azambuja é o município co...

Mercados de Natal em Deze...

Câmara Municipal de Salva...

É pró menino e prá menina...

CÂMARA MUNICIPAL COM VAGA...

Município de Azambuja ina...

Município do Entroncament...

Premiados Concursos Nacio...

Município do Entroncament...

Continuam os convívios de...

Ribatejo apresenta-se com...

Junta de Freguesia de Alc...

Comemoração do Dia Mundia...

Liga de Amigos da Secção ...

Câmara de Azambuja aprovo...

Município de Azambuja com...

Avisan’19 recebe Exposiçõ...

Município da Chamusca pro...

MUNICÍPIO DO CARTAXO CELE...

Câmara Municipal de Salva...

“Dia do Refeitório Aberto...

“É pró menino e prá menin...

CA Juniores dá asas à ima...

...

Rita Redshoes trouxe proj...

Porque nos perdemos dentr...

Obras avançam na Encosta ...

Uma viagem multissensoria...

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds