NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 10 de Agosto de 2014
CULTURA AVIEIRA: O Projeto dos Avieiros

 Por: Lurdes Véstia (*)

 

Dentro do campo de ação do PROVERE/QREN (Programa de Valorização Económica dos Recursos Endógenos) foi apresentado, em janeiro de 2009, um projeto de investimento à CCDR do Alentejo, por um consórcio constituído por 39 entidades, que tem por base a cultura Avieira do Tejo. Esta apresentação foi antecedida de um período de maturação que se iniciou em 2006 e teve início numa ideia de desenvolvimento e de cooperação que agregou duas instituições: a AIDIA- Associação Independente para o Desenvolvimento Integrado de Alpiarça e o Instituto Politécnico de Santarém (IPS). Mais tarde ligaram-se ao projeto várias entidades individuais e Instituições de todo o país.

A proposta de investimento prevê: criar a primeira Rota Turística do Tejo, com base na cultura dos Avieiros; recuperar aldeias Avieiras; construir aldeamentos turísticos; promover a investigação sobre a viabilidade dos recursos do rio; e dinamizar um eixo fundamental para o desenvolvimento económico regional, com base no rio Tejo.

O objetivo principal é o de integrar várias atividades económicas tendo por base a cultura Avieira tagana. Com esta intenção de investimento prevê-se que o Tejo e toda a zona ribeirinha, desde o grande estuário até à Golegã, mudem o atual aspeto. O consórcio, liderado pelo IPS, integra empresas e investidores individuais, Câmaras Municipais, Universidades, Institutos Politécnicos, Paróquias, Associações para o Desenvolvimento e uma Associação empresarial.

 

“Quem se muda, Deus o ajuda” Ditado popular

 

Quem são os Avieiros

 

A escassez de trabalho e a falta de recursos económicos, em determinadas regiões do país propiciou, ao longo da história, registar em Portugal diversos movimentos migratórios internos que levaram as populações a deslocarem-se temporária ou definitivamente para outra região em busca de melhores condições de vida. Durante anos alguns grupos socioprofissionais viram-se obrigados muitas vezes à mendicidade. É o caso dos pescadores da região norte que, em grande parte, ganhavam a sobrevivência diariamente e viam-se obrigados a esmolar quando o temporal os impedia de pescar por algum tempo.

Esta situação de miséria cíclica aliada à escassez do pescado pelas múltiplas conjunturas da época parece ter sido um dos muitos fatores para uma emigração sucessiva da população marítima.

Numa fase embrionária as migrações de pescadores oriundos do litoral norte tiveram lugar apenas durante o Inverno, época em que fugiam da inclemência do mar e da concorrência dos arrastões espanhóis, em direção aos Vales do Tejo e Sado, procurando a subsistência nos locais que sempre atraíram populações em busca de melhores condições de vida.

Um dos movimentos migratórios mais importantes no país foi o dos pescadores oriundos das praias que se estendem de Espinho a Vieira de Leiria. Estes grupos de pescadores, que ficaram conhecidos por Murtoseiros (Murtosa), Ovarinos (Ovar), Vareiros ou Varinos (Aveiro, Ílhavo) e Avieiros (Vieira de Leiria), vinham desde a região da pesca por xávega até às margens tranquilas e férteis dos rios Tejo e Sado, deslocando-se de barco, diligências, comboio, carroças e muitos a pé.

A migração pendular dos Avieiros para as regiões da Borda d´Água ficou a dever-se principalmente à necessidade de abonarem melhores condições de vida para si e para os seus.

Pelas investigações já produzidas conclui-se que a grande massa migratória de pescadores para o Tejo corresponde á década de 1860/1869, em particular com maior incidência no ano de 1860.

Com o fim das campanhas do sável, lampreia, robalo e enguia, os Avieiros regressavam à Praia da Vieira, mas a fraca subsistência garantida pelo mar durante o Estio, fazia-os tornar cada vez com mais frequência ao rio Tejo e talvez por isso, no seu livro Avieiros, Alves Redol os alcunhe de “ciganos do rio” quem sabe por esta situação de nomadismo e precariedade a que eles estiveram sujeitos durante anos.

As dificuldades encontradas, quer pelas tarefas no rio quer pela vida cheia de complicações, exigiram sempre dos pescadores Avieiros e dos seus familiares uma dedicação total ao rio e à faina. Esta existência difícil substanciou-se na formação de comunidades muito fechadas, com costumes e formas de vida próprios, diferentes e estranhos para as comunidades já estabelecidas na Borda d´Água. Estas comunidades estavam, claramente, apartadas como consequência de vários aspetos essenciais como a religiosidade, o folclore, as crenças, entre outras.

 

(*) Mestre em Educação Social

 

Todos os domingos uma crónica assinada por Lurdes Véstia sobre a temática da “Cultura Avieira



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

Município de Azambuja ass...

Ano letivo 2019-2020 arra...

Tomar – Prisão preventiva...

Arroz é rei em novo event...

PSD visita operação de li...

Fórum Cultural em Arruda ...

CÂMARA MUNICIPAL DO CARTA...

Santarém retoma liderança...

União de Tertúlias de Aza...

Mercado de Outono e ofici...

ATIVIDADES PRIMEIRO FIM D...

ELA É UMA MÚSICA OCUPA VA...

Espaço Cidadão em Aveiras...

Politécnico de Santarém a...

Centro Cultural recebe se...

X Maratona BTT NO TRILHO...

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA A...

CÂMARA ENTREGOU FICHAS ES...

"Love Conquers All", no J...

Rock na Aldeia 2019

Município de Azambuja ass...

Parabéns Cátia Mateus!......

O Movimento Juntos pelo R...

Joana Bagulho toca Carlos...

NERSANT Business soma já ...

TEMAS DE SAÚDE: Sequelas ...

Não nascemos para sermos ...

‘Os homens e as mulheres ...

Sessões de Yoga para cria...

CÂMARA MUNICIPAL RECEBE C...

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds