NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 28 de Setembro de 2014
CULTURA AVIEIRA: Uma visão da captura de sável, no rio Tejo, na Idade Média

 

Por: Lurdes Véstia (*)


 

 

A Pesca, tacuinum sanitatis casanatensis (XIV century)

 

Segundo Maria Helena da Cruz Coelho (“A pesca fluvial na economia e sociedade medieval portuguesa”, in Cadernos Históricos, 6, “Actas do Seminário Pescas e navegações na história de Portugal (século XII a XVIII)”, Lagos, 1995) a bacia hidrográfica portuguesa “abrange 298,52 Km2, para uma área de 88,619Km2 e a navegabilidade de 11 dos principais rios estende-se por 812 km”, por esta leitura facilmente se percebe que o território português, pouco extenso, é no entanto razoavelmente rico em rios, não só pelos que nascem em solo nacional, como os que nele vêm desaguar, facilitando a fixação das populações junto das suas águas e dos seus portos naturais.

Coelho escreve que “a Idade Média, foi, sem dúvida, a idade do ouro do peixe, e por conseguinte da pesca de água doce, que jamais veio a conhecer uma tal projeção”. E Castro refere que “(…) uma parte da labuta diária do Homem medieval fosse dedicada a arrancar do seio das águas as diversas espécies comestíveis e o sal, desde as lampreias aos mariscos, às baleias e às numerosas variedades piscícolas, fluviais e marítimas”.

O cruzado Osberto de Bawdsey, em 1147, exalta o papel de destaque da atividade pesqueira ao asseverar que “o peixe era tanto que alguns acreditavam que no rio Tejo, para dois terços de água, sobrava um terço de peixe (…)”. A pesca fluvial deveria, na época, ser quase tão importante como a marítima, sofrendo depois uma acentuada diminuição até à contemporaneidade, como se atesta pelas palavras de Redol “(…) e por ali andei com eles, pescando à noite com as artes mais pequenas, ou partilhando o trabalho dos lances nas companhas do sável entre queixas dos mais velhos ainda lembrados dos tempos em que o Tejo era um jardim de peixe.

Jaime Cortesão refere que são numerosos os documentos que certificam que, nos séculos XIII a XV, existia um vínculo comercial marítimo entre Santarém e a Flandres, Sevilha, o Norte de África e o Algarve. Em 1420, nas réplicas do rei D. João I sobre as dúvidas que levantou a obrigação da dízima nova aos escrivães da portagem de Lisboa, verifica-se que era vulgar a circulação do pescado e de diversas mercadorias, por rio, de Lisboa para Santarém. Era fácil para os barcos de Setúbal, Pederneira (bairro da vila da Nazaré que foi sede de um dos concelhos dos coutos de Alcobaça) e de fora do reino navegarem pelo rio Tejo diretamente até à então Villa de Santarém

Meios e modos de pesca

O rio Tejo desde tempos imemoriáveis que é famoso pelos seus sáveis que eram pescados, para além do método tradicional, também com armadilhas que eram primitivamente feitas com ramos de árvores entrelaçados ou vergas e posteriormente passou-se para um aparelho, que medeia o simples uso de ramos de árvore e o de utensílios mais proveitosos e impõe um fabrico mais difícil do que o simples corte de ramas, as “vargas”, deu-se essa mesma designação a alguns tipos de redes chamadas de “abbargas” que seriam constituídas por canas ou caniços entremeados que retinham os peixes. A prova de que as vargas foram utilizadas no rio Tejo, para a pesca dos sáveis, está num documento escrito por D. João I: “Item que sse pescam muitos saavés no Rio do Tejo, assy com as avargas do Infante dom anrrique meu filho”.

No que diz respeito a nassas e covos, “grandes cestos de vime entrançado ou de fio de cânhamo de boca larga e que iam estreitando fixados em determinados pontos (…)”, aparecem abundantes alusões nos documentos analisados para a execução deste texto.

D. João I, em 1394, solicita que não se deitassem covões com pedras para sibas (chocos ou sépias) nem outros peixes nas rias de Vagos, Aveiro, em Ovar e noutras regiões em redor, porque ali circulavam muitos navios de marear e estas armadilhas enleavam-se neles e provocavam grande dano. A este propósito Castro menciona que a “predominância de cada um destes processos dependia do condicionalismo geográfico de índole física e da influência das relações económicas estabelecidas”.

Num documento de 8 de Fevereiro de 1420 refere-se que os sáveis capturados no rio Tejo e rio de Alpiarça eram salgados em Lisboa e depois comercializados em Ceuta, o que pesava na balança comercial do território. Em Lisboa cresciam as vozes dos que se insurgiam contra este comércio intensivo com Ceuta pois segundo elas retirava da boca dos mais pobres os sáveis e outros pescados, com a alegação de que os rios eram livres a todos os que neles quisessem pescar.

Após a leitura de alguns documentos somos levados a ponderar que se pescava de forma abusiva, sobretudo em dias considerados magros, facilitando a extinção de algumas espécies, o que pode justificar o número excessivo de proibições de utilização de instrumentos considerados perigosos e regulamentos de pesca. No século XIV, no reinado de D. Afonso V, as queixas da população eram tantas que este teve que lhes pôr fim, sendo o primeiro rei, em Portugal, a regulamentar a pesca.

Já em 1462, D. Afonso V, impõe que os caniços dos canais da pesca dos sáveis no Tejo e no Zêzere fossem construídos de rama ou verga como as mantas da terra, com um palmo de largura e espaçados de dois dedos. Nesses caniços não se podia colocar esteiras ou outro objeto de forma a não matar as “savatelhas” (sabogas ou pequenos sáveis), que nadavam para o mar onde se criavam, e ter-se-iam de deitar vivas ao rio se ficassem presas nos caniços. Em Carta régia, D. Afonso, sustentou que acontecia que os sáveis que fugiam das “avargas e savaares e nassas” avançavam rio Tejo acima, onde desovavam, e que por Agosto e Setembro as “savatelhas” que se geravam seguiam pelos rios até ao mar onde se iam criar. Refere ainda que os que tinham canais faziam caniços de verga fechados e muito juntos e lançavam-lhes esteiras e redes miúdas dobradas, fazendo com que o pequeno peixe ao entrar nelas morre-se provocando um desequilíbrio para o crescimento da espécie. Estes pequenos peixes eram vendidos como se fossem sardinhas, levando à diminuição de sáveis, ano após ano.

D. Afonso V, em 1474, persistiu nesta questão e proibiu outras formas de apanhar os sáveis, impedindo os pescadores do rio Tejo de empregarem “bogueiros” e “lavadas” (classe de redes) e que utilizassem “copéis” nas redes, onde a semente do sável poderia morrer, pois estes eram feitos de redes de malha extremamente miúda impedindo a fuga de peixes muito pequenos e acabando por desequilibrar o ecossistema piscícola.

 

(…) Continua na próxima Crónica

 

(*) Mestre em Edcucação Social



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

Traga as suas plantas par...

Município do Entroncament...

ExpoAlcanede dá a conhece...

Casa cheia em Benavente p...

Município da Chamusca ala...

Inscrições para a Univers...

Município do Entroncament...

JORNADAS DE CULTURA ATÉ 2...

Festival de música Cartax...

Tertúlia Festa Brava orga...

“Quando ela… é ele!” teat...

Professores dos 3 Agrupam...

CARTAXO VOLTA A APRESENTA...

Jovens atores da Chamusca...

Tomar dá o corpo ao manif...

Programa de Educação Pare...

“Chamusca das Três Graças...

ERROS GROSSEIROS NA ELABO...

Festival de música Cartax...

Há apoios do Portugal 202...

‘Santarém em Cena’ reúne ...

Teatro Sá da Bandeira ini...

Ceyceyra Medieval a 21 e ...

TEMAS DE SAÚDE: Doente on...

"O medo tem alguma utilid...

Município de Azambuja ass...

Ano letivo 2019-2020 arra...

Tomar – Prisão preventiva...

Arroz é rei em novo event...

PSD visita operação de li...

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds