NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Terça-feira, 29 de Setembro de 2015
I CORRIDA DAS VINDIMAS ENCHEU AS RUAS DO CARTAXO

 

  • Correr para competir ou apenas para se superar a si próprio e caminhar para praticar desporto com o incentivo dos amigos, foram algumas das razões que levaram centenas de pessoas à I Corrida das Vindimas.
  • Pedro Magalhães Ribeiro deu a partida para a Corrida e afirma que a Câmara quer ver a prova crescer de modo sustentado e que integre toda a população.

 

Mais de 350 pessoas participaram na I Corrida das Vindimas, organizada pela Câmara Municipal e Associação Escola de Atletismo Rui Silva. Prova com dois percursos – corrida de 10 Km e caminhada de 5 Km –, que ocupou as ruas do Cartaxo na noite de sábado, dia 26 de setembro.

Foi na corrida que a competição pelos primeiros lugares da classificação, foi mais renhida – Bruno Batista, júnior do Clube de Natação de Rio Maior, cortou a meta aos 32:29.00, sagrando-se vencedor da geral, seguido de Paulo Pinheiro, da Associação Jorge Pina, com 33:07.79, na terceira posição ficou Filipe Vitorino, também do Clube de Natação de Rio Maior, com 34:00.86.

Rita Ribeiro, da Escola de Atletismo Rui Silva foi a primeira atleta feminina, completando a prova em 41:50.56, seguida por Marina Ferreira que terminou em 43:04.61, a terceira da geral feminina foi Alexandra Portela, com 43:50.33.

Na caminhada participaram grupos de amigos, famílias e até animais de estimação que, equipados a rigor, completaram os 5Km ao lado dos donos. Foi nesta prova que Gentil Duarte, presidente da Assembleia Municipal, Pedro Magalhães Ribeiro, presidente da Câmara e Fernando Amorim, vice-presidente da Câmara, participaram.

O presidente da Câmara – que deu o toque de partida para o percurso de competição –, assegurou que “o que pretendemos é recuperar o espírito do Grande Prémio de Atletismo Rui Silva, numa prova que alie a competição à possibilidade de todos poderem participar”, afirmando a vontade do município “em trabalhar para que a prova cresça de modo sustentado. Queremos muitos atletas, mas o que queremos, de facto, é que se torne uma grande festa do desporto, que envolva toda a população, das associações aos comerciantes, das empresas à comunidade escolar”.

O autarca congratulou-se com o facto de nenhum atleta ou participante na competição ter sofrido qualquer acidente – os Bombeiros Municipais instalaram postos de socorro e acompanharam a prova ao longo dos percursos –, e agradeceu a participação das associações e coletividades que se instalaram na Praça 15 de Dezembro, e animaram a festa até à publicação dos resultados e entrega dos troféus.

Os Besoiros, da Sociedade Filarmónica Pontevelense, animou a festa desportiva, fazendo esquecer que a noite de outono acabou um pouco fria e garantindo o ambiente de festa que se prolongou pela noite dentro 

A I Corrida das Vindimas encerrou a Semana Europeia da Mobilidade que decorreu de 17 a 26 de setembro e contou com a participação de todos os grupos informais de corrida e caminhada – são já quatro em diferentes freguesias do concelho –, e associações ligadas ao ciclismo e BTT.

O programa incluiu um passeio pela cidade com o historiador Miguel leal, que mostrou um outro modo de aprender a história do Cartaxo – percorrendo as suas ruas. Para assinalar o Dia Europeu sem Carros, o programa contou ainda com um encontro de veículos alternativos – ao Cartaxo vieram os carrinhos de rolamentos das Festas de Pontével, assim como muitos pessoas, de todas as idades, que encheram a Praça 15 de Dezembro, no centro da cidade, com transportes alternativos e não poluentes.

 

 

JOVENS GUIAM VISITA EM NOME DA TRADIÇÃO

  • O Vinho a Vinha e o Mundo Rural foi o tema escolhido pela Câmara Municipal do Cartaxo para o desafio que, todos os anos, coloca aos candidatos e candidatas ao título de Rei e Rainha das Vindimas do Concelho do Cartaxo – dar a conhecer as suas freguesias.
  • Pedro Magalhães Ribeiro, presidente da Câmara, lembrou que “esta eleição envolve centenas de pessoas, para além dos candidatos e das suas famílias, população e associações, envolvem-se na organização”, o que considera só ser possível “pela função de preservação da memória e da identidade locais que, em todas as freguesias, se reconhece a esta eleição”.

 

O dia 26 de setembro começou cedo para as candidatas e para os candidatos a Rei e Rainhas das Vindimas do Concelho do Cartaxo. Acompanhados pelos presidentes e representantes de junta de freguesia e por familiares, os jovens marcaram encontro na Lapa, para um dia de viagem por todo o concelho – com alguns nervos e boa disposição, lá partiram para mostrarem o que cada freguesia tem de melhor.

 

O Vinho, a Vinha e o Mundo Rural, foi o tema proposto aos candidatos para a visita guiada que prepararam com o apoio das famílias, das juntas de freguesia, das associações locais e da população. Para além dos momentos especiais – visitas a lugares únicos ou encenações e reconstituições dos tempos de antigamente –, os jovens aproveitaram para falar das suas terras com o entusiasmo que alguns revelaram ser, também, fruto da investigação que fizeram para a prova – atividades económicas, gastronomia, festas populares e religiosas, património histórico, lendas, associações locais, origem da toponímia ou dos nomes das suas freguesias –, nada deixaram ao acaso.

 

O presidente da Câmara, Pedro Magalhães Ribeiro, que acompanhou os candidatos durante a paragem em Vila Chã de Ourique reconheceu  que “o entusiasmo que estes jovens colocam na sua participação e o orgulho com que defendem cada uma das suas freguesias é notável e essencial. Se quisermos construir uma comunidade que assuma as suas especificidades como fator de valorização, num mundo cada vez mais globalizado, precisamos manter vivas as nossas tradições”.

 

Lapa e Ereira mostraram como a vinha e o vinho marcam a economia da freguesia e o património cultural do povo

Beatriz Costa e Nuno Franco foram os primeiros a fazer da sua prova, um convite a viajar no tempo. Os candidatos da União de Freguesias de Ereira e Lapa, receberam a comitiva junto a uma taberna centenária – aTaberna do Alfaiate –, com a voz cristalina de uma jovem, elemento do TAJE (Teatro Amador Juvenil da Ereira) a dar as boas-vindas à comitiva com a canção Senhor Vinho a dar o mote para o tema que marcaria toda a visita.

 

Encarnando eles próprios os primeiros donos do estabelecimento, que é dos mais antigos do distrito, os candidatos vestiram-se a rigor e recuaram a 1889 – data em que a Taberna abriu portas. Num pequeno e muito divertido diálogo contaram a história do estabelecimento que se confunde com a própria história da Lapa e mostraram como o trabalho nas vinhas marcava a vida social da altura. Foi precisamente para uma vinha, na Ereira, que os candidatos conduziram, logo de seguida, a comitiva.

 

Tal como os trabalhadores que, em tempos idos, percorriam a pé a distância entre a sua casa e os campos cultivados, onde trabalhavam de sol a sol, também a visita seguiu por um caminho de terra até à vinha onde outros jovens terminavam a vindima e entoavam canções que são parte do Cancioneiro do Ribatejo. Foi na vinha, entre as cantadeiras, que os candidatos falaram das diferenças entre aqueles tempos e os dias de hoje – os braços de trabalho e o conhecimento passado de geração em geração, foram sendo substituídos pelas máquinas. Também às castas tradicionais “como a mourisca, o bastardo ou a labrusca, outras se foram juntando, sempre com a preocupação em melhorar ainda mais a qualidade do vinho, que antes era conhecido como vinho presunto, por ser de cortar à faca” explicou o Nuno que garantiu “a economia girava à volta do vinho, que empregava toda a mão-de-obra disponível”.

 

Os candidatos convidaram a comitiva a imitar os trabalhadores e trabalhadoras de outros tempos, dançando ao som da marcha, já que “era na vindima que o povo mais manifestava a sua alegria”, afiançou a Beatriz. Terminados os trabalhos, todos regressaram à Ereira – a comitiva continuou o seu percurso pelo concelho e os trabalhadores voltaram a casa com os cestos de uvas – em rigor, voltaram à sede do Rancho Folclórico da Ereira, ao qual pertencem.

 

Adega Cooperativa como palco de sucesso para os vinhos do Cartaxo

Rita Figueiras foi a segunda candidata a prestar a sua prova. Ainda sem companheiro para a ajudar a apresentar a União de Freguesias do Cartaxo e Vale da Pinta, a jovem não se fez rogada e respondeu ao desafio escolhendo a Adega Cooperativa do Cartaxo para mostrar uma outra faceta do tema – explicando como a produção do vinho, apesar de já não ser o que era no que respeita aos processos de trabalho, se mantém viva por ter se ter sabido transformar e modernizar, aliando a tradição à constante aposta na qualidade.

 

A candidata foi recebida na Adega por Pedro Gil, enólogo responsável por vinhos que, desde há anos, arrecadaram diversas medalhas de ouro e prata, em concursos nacionais e internacionais.

 

Mas foi à Rita que coube em exclusivo conduzir a visita, levando os elementos da comitiva por um percurso que reproduziu o que se poderia chamar – o caminho da uva ao vinho. Desde a chegada dos tratores carregados dos doces frutos, até ao momento em que as garrafas são fechadas nas suas caixas de cartão, para seguirem para todo o país e para muitos lugares no mundo.

 

As uvas são pesadas e analisadas logo à entrada da Cooperativa – a candidata explicou como esta chegada é da máxima importância, “pois não é só o peso que define a quantia a pagar ao produtor, na verdade é o açúcar das suas uvas, que define o valor da sua carga”. Depois de pesadas, o circuito apenas tem paragens para que as uvas se transformem em algo muito mais valioso, o vinho – que encerra em si sabores, aromas e tonalidades que lhe conferem a identidade única do Ribatejo.

A visita terminou no laboratório onde, entre vidrinhos e amostras, o enólogo controla diariamente a transformação da uva em vinho, criando o produto final.

 

Candidatos de Vila Chã de Ourique visitam Quinta do Falcão

Ana Sério e Nuno Ribeiro vestiram-se a rigor para conduzir a visita a uma freguesia onde pequenos terrenos e extensas propriedades exibem vinhas e fazem adivinhar a forte ligação da terra ao vinho e ao mundo rural. Os candidatos escolheram a Quinta do Falcão para falar, precisamente, da importância da agricultura na vida da população.

 

A chegada à Quinta do Falcão oferece ao visitante um cenário idílico de início de outono – com o sol do meio dia a iluminar as vinhas já vindimadas, que se estendem em linhas retas de vermelho escuro e verde vivo, pelos campos. Ana e Nuno falaram da Quinta, das vinhas novas e das alterações introduzidas no processo de cultivo, produção e comercialização que, a par do respeito pela tradição, terão dado aos vinhos desta casa agrícola o reconhecimento nacional e internacional, que hoje lhe está reservado.

 

Entrados no conjunto de edifícios da Quinta – testemunho da arquitetura ribatejana –, os candidatos mostraram os jardins que hoje acolhem festas e eventos privados e os estábulos onde os cavalos descansam junto ao picadeiro coberto. Para encerrar a visita, ficou a promessa do sabor original do Arroube – doce tradicional que junta os frutos da época ao mosto da uva e que a Ana e o Nuno ofereceram aos outros jovens que os acompanham nesta eleição.

 

Foi à freguesia de Vila Chã de Ourique que coube este ano acolher a visita guiada à hora de almoço – refeição que serviu também para as jovens e os jovens se conhecerem melhor antes das provas que a partir de agora terão de prestar. O almoço foi confecionado e servido no recinto de festas, pelo Rancho Folclórico “Os Campinos” de Vila Chã de Ourique.

 

Valada guarda segredos entre as terras negras de aluvião e as águas do Tejo

Tânia Batista e João Duarte conduziram a visita à maior freguesia do concelho – “em termos territoriais”. Chegando a um dos aglomerados da freguesia, Porto de Muge, Tânia destaca desde logo a ponte que liga as duas margens do Tejo e foi inaugurada por D. Carlos I que lhe atribuiu o nome de Ponte Rainha D. Amélia.

 

Seguindo em direção à aldeia de Valada, os candidatos descreveram a freguesia que recebe, há dois anos consecutivos, o Festival Reverence e a Agroglobal – feira agrícola que ocupa de dois em dois anos as terras do Mouchão da Fonte Boa e recebeu na sua última edição mais de 20 mil pessoas.

 

A ladear o caminho, estendem-se as terras pretas de aluvião, das mais férteis do país, onde ao longo ano se produz tomate, melão, milho, brócolos e vinha – que nos últimos anos tem vindo a conquistar cada vez mais terreno e dá corpo a vinhos de qualidade reconhecida pelos consumidores mais exigentes, no país e no estrangeiro. Tânia e João falam com entusiasmo do lugar dos vinhos de Valada na vida da freguesia e do país – eram vendidos a lote e seguiam em cartolas para as tabernas de Lisboa.

 

Foi a uma das quintas desses tempos que os candidatos levaram a comitiva – verdadeiro museu, testemunho de uma época. A quinta era das mais avançadas na produção de vinho branco e tinto, na adega guarda ferramentas únicas, tonéis, mecanismos e, quem sabe, memórias das gentes que ali passavam os meses das vindimas, barrões e barronas que tinham pouco mais do que uma esteira para pernoitar e produziam mais de 100 pipas de vinho “num ano bom”, como explicou a Tânia.

 

De Valada, João contou aos visitantes muitas outras histórias – a da 1.ª prova de velocidade que trouxe a Valada centenas de pessoas que encheram os comboios vindos de Lisboa, o Rei D. Carlos I e a Rainha D. Amélia, ou a da Quinta Mota de Frade que acolheu a população na cheia de 1979, ou a da aldeia da Palhota, resultado dos pescadores de Vieira de Leiria que ali se fixaram, construindo a aldeia palafita. Tudo, enquanto do outro lado do dique “temos a paisagem mais linda e espetacular que se possa imaginar”, afirmou a Tânia, trazendo a todos a imagem do rio Tejo e das suas margens tranquilas.

 

Candidatos chegam a Vale da Pedra mesmo ao lavar dos cestos

Em Vale da Pedra foi a Andreia Palma e o Tiago Carneiro que conduziram a visita. Os trajes que envergavam faziam adivinhar que, chegados a Vale da Pedra, teriam gente de outros tempos à sua espera, e assim foi. À saída da vinha juntaram-se a quem trazia os últimos cestos carregados de uvas – estava terminada a vindima e os trabalhadores dirigiam-se para a Adega da Quinta do Vale da Pedra para, sob o olhar atento do “patrão e da patroazinha” pisarem as uvas e encherem as pipas. Enquanto trabalhavam afincadamente, a Andreia e o Tiago falavam de hábitos antigos e de ferramentas a que poucos já conhecem a utilidade.

Os trabalhos dos candidatos mostraram também como a organização social estava dependente dos trabalhos no campo – o papel de cada um foi retratado por elementos do Rancho Folclórico de Vale da Pedra –, das raparigas namoradeiras, passando pelo acordeonista que animava a adiafa e os escassos intervalos nos duros trabalhos da vindima, até à capataz que era a ligação dos trabalhadores aos patrões, donos das terras e das vinhas.

E como não há vindima que não termine em festa, lá se chamou o acordeonista para animar a adiafa, não sem antes a capataz, o patrão e a patroazinha assegurarem que estavam encontrados os reis das vindimas para o novo ano – com as coroas a passarem da Cátia para a Andreia e do Bruno para o Tiago, antigos e novos reis, juntos no mesmo baile que celebrou a união do povo em redor de um dos seus mais importantes sustentos – o vinho.

 

Pontével recuou no tempo para receber os candidatos

Ana Rita e Miguel Ângelo foram os guias da última visita do dia. Na vinha improvisada, os trabalhos foram mostrados por gente que os conhece com as palmas da sua mão – da plantação do bacelo, à enxertia, passando pela empa, é longo o tempo e o esforço até se chegar à vindima. Depois passaram à adega, onde o trabalho continua e os candidatos ensinaram aos visitantes novas palavras – pisa, ingaças, malhais, ou chinse.

Mas nem só da vinha e do vinho se fazia a vida no mundo rural dos seus bisavôs, e os candidatos contaram com dezenas de figurantes, população que voluntariamente envergou fatos antigos para mostrar como em Pontével se organizava a vida diária, e de como muito dessa vida se passava junto do Rio e da Fonte, essenciais quando “não havia água canalizada”. Os candidatos mostraram o trabalho árduo das lavadeiras que riam e lançavam graças enquanto esfregavam a roupa, ou os namoricos das raparigas e rapazes que iam buscar água à fonte.

Da vida diária, fazia parte a cozedura do pão e a Ana Rita levou a comitiva até à casa do forno, para contar como nasceram as Caspiadas ou as Pipias. Um pouco mais à frente, foram as costureiras que receberam os candidatos, numa homenagem a Venilde Anastácio, costureira e mulher que marcou a vida associativa de Pontével, pela postura solidária e de empenho na intervenção cultural e social.

Como não há ida à fonte e namorico que não dê em casamento, a reconstituição da vida neste mundo rural de outrora, terminou com os noivos a celebrarem a sua união e os candidatos a convidarem a comitiva para a festa. À mesa, foram o pão e vinho, mas também os doces únicos em Pontével, que encerraram um dia repleto de descoberta, que foi mais que uma visita guiada às tradições e à história do concelho – foi uma visita guiada às raízes e à origem dos candidatos.

Para todos os jovens, esta foi apenas uma das provas a prestar, outras se seguem – a prova de conhecimentos, que já decorreu no dia 28 de setembro e, no próximo dia 10 de outubro, às 21h00, a prova de Expressão e Comunicação, na Sociedade Filarmónica Incrível Pontevelense que, este ano, terá por tema a igualdade de oportunidades. No dia 24 de outubro, às 21h00, será o Ateneu Artístico Cartaxense a receber a prova final dos candidatos, num espetáculo que encerrará com a coroação do Rei e da Rainhas das Vindimas do Concelho do Cartaxo.

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 18:14
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


17
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Investimento de 80 milhõe...

NERSANT integra projeto p...

Bolo Rei confecionado pel...

Movimento Terra de Espera...

NERSANT e PWC apresentara...

Mais de 300 participantes...

CÂMARA DO CARTAXO ASSINA ...

CPCJ organizou Workshop “...

Maria Medeiros e The Lege...

“Step 2 Duplicate” de Nun...

Revista | “Quero ir pr’á ...

Trail dos Bombeiros de Al...

Exposições de Répteis e A...

Azambuja inaugurou Salas ...

  Estacionamento Periféri...

Almeirinense conquistam d...

Feira do Livro de Natal d...

Azambuja’s Day  Summit dá...

Associação de Municípios ...

Liv’reira chega ao Cartax...

Município de Santarém apo...

Município de Santarém apo...

Férias de Natal AAAF – pa...

Livro de Luís Batista “Ca...

Sociedade Ponto Verde e D...

II Festival de Órgão de S...

NERSANT apresenta tendênc...

74º Aniversário do Concel...

Azambuja é o município co...

Mercados de Natal em Deze...

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds