NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 11 de Março de 2018
Mulher a dias ou namorada?

ANAFONSECA

Por: Ana Fonseca da Luz

 

 

Mulher a dias ou namorada?

 

 

Não fosse o facto de estar a descascar cebolas para o refogado, quem entrasse nesse momento na cozinha, haveria de pensar que ele estava a chorar por causa da música que tocava, nesse momento, no rádio.
Com as lágrimas a aflorarem-lhe aos olhos, ia cantarolando: “Please, please don`t make me cry” dos UB40
Olhou para o maço de cigarros e teve vontade de largar o refogado e de acender um Marlboro, em vez de acender a porcaria do bico do fogão.
Esta vida de solteiro estava a dar cabo dele. “As mulheres são chatas, absorventes e, por natureza, sempre carentes. Mas fazem muita falta!”, pensava, enquanto via se o refogado estava bom de sal e de piri-piri.
Podia muito bem estar agora na sala, de perna cruzada a ler “A Bola”, enquanto alguém encantador lhe fazia o jantar. Mas não! Tinha de estragar tudo, mais uma vez…
O vício falou mais forte. Baixou o bico do fogão e partiu rumo à varanda, para mais uma cigarrada.
Olhou de soslaio para o sofá, onde um monte de roupa por passar o esperava com impaciência e seguiu caminho até à varanda, assobiando “Só nós dois é que sabemos”.
Também não percebia o porquê de assobiar um fado. Ele nem gostava. Era, com certeza, aquele orgulho de ser português que, por mais que ele o amortalhasse, traz e vira vinha ao de cima e o fazia gostar um pouquinho de fado.
Voltou a lembrar-se do bem que a sua antiga namorada passava a ferro. As camisas dele estavam sempre um mimo Mas quem é que aguenta uma mulher a quem um homem tem de dizer, no mínimo vinte vezes ao dia, que a ama? E que não pode viver sem ela?
Bem sabia ele se a amava ou não. Na altura parecia-lhe que sim, agora…
Acendeu o cigarro e deu uma passa que lhe soube divinamente. Tinha de deixar de fumar. Tinha? Porquê?
Tinha de morrer de qualquer jeito. Sempre que comprava um maço de cigarros e via lá escrito em letras garrafais “Fumar Mata”, ele dizia de si para si:”Também andar de bicicleta!” Até namorar pode matar!…
Lembrou uma outra namorada, que era uma perfeita selvagem e que, um dia, um dia em que ele chegou virado do avesso e lhe deu um empurrão, porque já não aguentava mais o interrogatório que ela lhe fazia, ela lhe atirou com uma jarra com flores e tudo e que, só não o matou, porque a pontaria não era o seu forte. Já a cozinhar, era uma deusa!…
Resumindo, namorar, tal como fumar, matam!
No rádio, agora, tocava uma música inesquecível, “The sound of Silence”.
Amava aquela música! Lembrava-lhe alguém…Não sabia quem, mas tinha a certeza que tinha sido alguém com alguma importância…
Apagou o cigarro e regressou à cozinha, olhando com desprezo o monte de roupa por passar e o pó dos móveis, no qual já poderia muito bem fazer verdadeiras obras de arte de desenho ou escrita.
Tinha de dar um jeito naquela casa.
Das duas uma, ou arranjava uma mulher-a-dias, ou uma namorada.
Pesou, na sua balança digital imaginária, por qual das duas havia de optar e percebeu que, naquele momento, nenhuma das opções lhe agradava.
Gostava de chegar a casa e poder ir espalhando a roupa e os sapatos pela casa, sem ter uma vozinha atrás de si a dizer-lhe:
- Amor! Amor, acabei de arrumar tudo…olha como já está a nossa sala! (nossa?)
Essa namorada era o cúmulo da arrumação. Não podia ver nada fora do sítio, tudo tinha um sítio certo, nem um milímetro para a frente, nem um milímetro para trás. A arrumação era de tal ordem que ele até se enervava, só de pensar que ia entrar em casa e macular todo aquele asseio e arrumação.
Aguentou-a durante quase um ano, (praticamente um record) porque, em matéria de sexo, era uma verdadeira leoa, com uma imaginação fértil e pode-se dizer que era muito bem arrumada, fisicamente falando…
O cheiro do jantar aguçou-lhe o apetite.
Deu por bem gastos os muitos euros das aulas de culinária que tinha tido, para solteiros e divorciados.
Há gente com uma imaginação!
Deve ter sido uma mulher que teve tal ideia! “Aulas de culinária para solteiros e divorciados.” dizia o panfleto que lhe tinham deixado no vidro do carro.
Foi aí que percebeu que Deus existe. Só Deus podia saber o quanto ele estava enjoado de sopas Knorr e atum Bom Petisco aos jantares e Bolicaos aos pequenos-almoços.
Na Rádio Renascença, de quem era cliente habitual, saía o som melodioso de uma velha canção dos anos sessenta.
Novamente os Beatles. Hoje o locutor ou está pouco imaginativo, ou então apaixonado.
- Don’t let me down…
“Nobody ever loved me like she does…”
Cruzes, credo…
Até o refogado me vai cair mal no estômago, com uma música destas ao ouvido…
E eu para aqui sozinho, sem ninguém que me ame assim!
Há gente com muita sorte…
Acabado o jantar, e tal como Freddy Mercury no vídeo clip do “I want to break free”, saca do seu avental do “Benfica” e enfrenta a cozinha, a roupa e o pó dos móveis, com bravura e distinção.
No fim de tudo em ordem, olha com orgulho para a sua obra.
Senta-se, para o último cigarro do dia.
Mulher-a-dias ou namorada?
A professora de culinária não é nada de deitar fora…
E a D. Rosa do 2ºC já se ofereceu para lhe ir lá a casa duas vezes por semana, um dia para arrumar, outro para passar a ferro…
Estava decidido. Amanhã ia convidar a professora para jantar e contratar a D. Rosa para lhe fazer limpezas.
Um homem bem quer, mas a verdade é que é impossível viver sem uma mulher. Se poder ter duas, então…é o céu!

 

 

 

 

 

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Junho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Por coincidência, ela ado...

TEMAS DE SAÚDE: Perturbaç...

Os homens também amam

Salvaterra de Magos - Det...

Chamusca – Prisão prevent...

EMPREENSER - Academia de...

1300 crianças e idosos pa...

ORÇAMENTO VAI A VOTOS

Santarém volta a liderar ...

Já somos campeões do mund...

arquivos

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds