NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 29 de Abril de 2018
PEQUENO-ALMOÇO PARA DOIS

ANAFONSECA

Por: Ana Fonseca da Luz

 

PEQUENO-ALMOÇO PARA DOIS

 

Era uma espécie de ritual. Ao domingo, o pequeno almoço era o ponto alto do dia. Levantávamo-nos tarde, ao contrário dos outros dias e tomávamos um pequeno almoço requintado, demorado e delicioso. Vivíamos juntos quase há vinte anos. Deus não nos tinha dado filhos, mas o amor, o respeito e tranquilidade que povoavam a nossa vida a dois compensavam essa falta. Não digo que, nos primeiros anos, isso não tenha abanado um pouco a nossa relação, pois ambos desejávamos ser pais. Mas, com o passar do tempo, isso passou para segundo plano e passámos a ver que também podíamos ser felizes sem filhos. Havia os sobrinhos, sempre clientes habituais da nossa casa, os cães e o gato, de quem tanto gostávamos e a quem tratávamos como família, e os muitos amigos que povoavam a nossa existência. Além disso, conhecíamos pessoas que tinham muitos filhos e que, depois, era como se não tivessem nenhum. Sempre fomos apologistas da máxima “Nada acontece por acaso!”. Por isso, a nossa vida ia escorrendo pelos dias, sem grandes preocupações.

Era domingo. Quase meio-dia. Saí da cama, pois era o meu domingo de preparar o pequeno almoço. Desci as escadas, em silêncio. para a deixar dormir mais um pouco. Não deu pela minha saída. Continuava a dormir, na sua forma tão peculiar, com um joelho quase encostado ao nariz e a outra perna estendida. Não sei como conseguia estar assim horas, imóvel.

Como era o primeiro domingo de Dezembro, pus na mesa uma toalha encarnada com guardanapos verdes e, ao meio da mesa, um Pai-Natal de porcelana. Ela adorava o Natal e o mês de Dezembro era sempre vivido com muita expectativa. Na mesa, pus chá preto e forte, como ela gostava, chocolate quente e cremoso, scones quentinhos e croissants também eles a escaldar, doces vários, todos caseiros, feitos por ela, manteiga com sal, fiambre e queijo da serra. À ponta da mesa, um cesto com mangas e romãs.

Olhei a mesa, mais uma vez, e reconheci que, por mais que me esmerasse, nunca conseguia surpreendê-la, como ela me surpreendia a mim. Os pequenos-almoços postos por ela tinham sempre qualquer coisa que me deixava pasmado.

No domingo anterior, a mesa estava toda de branco. Sobre ela, e entre pétalas de rosa, tinha exposto fotografias minhas, dela e de amigos queridos, que fomos vendo, enquanto comíamos o que nos obrigou a ficar sentados à mesa mais tempo ainda que o habitual, a lembrar velhos tempos e amigos que não víamos há tempo e outros que, infelizmente, já nos tinham deixado. Entre as muitas fotografias, estava uma da avó Emília, que ela adorava. Lembrou-a com saudade e chorou. Disse-me:

- Tenho a certeza de que a primeira pessoa que vou ver, quando morrer, vai ser a minha avó. Tenho a certeza de que nunca ninguém gostou tanto de mim, algum dia, como ela.

- Então e eu, não conto?!

- Contas, mas é um amor diferente.

Enxugou a lágrimas a passámos a outra fotografia e a outro episódio das nossas vidas.

Era assim que ela me surpreendia, com pequenas coisas. Com pequenas frases. Com pequenos nadas tamanho do mundo.

Olhei mais uma vez a mesa e tudo me pareceu perfeito. Adivinhei o abraço apertado que me ia dar e um “amo-te” sussurrado ao ouvido. Tirei o avental e subi as escadas, desta vez já não fazendo questão de não fazer barulho. Estranho continuar tudo em silêncio, tudo apagado.

Acendi a luzinha da mesa-de-cabeceira e ela continuava na mesma posição. Imóvel, morna, olhos semi-abertos. Um arrepio percorreu-me a espinha. Chamei-a. “Ana! Ana, acorda!”

Nada. Só silêncio. Corri ao telefone. Chamei o 112. Fizeram-me responder a perguntas às quais eu não sabia responder. Passaram à Drª. Não-sei-das-quantas, que me voltou a fazer as mesmas perguntas, enquanto a boca me secava e os olhos se humedeciam. Tive de gritar e só depois de gritar me disseram que iam mandar a ambulância. Voltei para junto dela. Voltei a chamá-la, a abaná-la e ela continuou muda e morna.

Não sei quanto tempo passou, até que a ambulância chegou. Mas, na realidade, o tempo tinha deixado de fazer qualquer importância. Não era preciso ser médico para ver que ela estava morta. Não consegui chorar. Tremia, apenas tremia. Não tinha frio, mas os dentes batiam. Depois, depois foi o nada. A cabeça ficou vazia, deixei de pensar e movia-me apenas porque sabia que não podia parar. Tinha tido um ataque fulminante durante o sono. Tinha morrido como ela tanta vez tinha pedido a Deus para morrer. A dormir. E eu? E agora eu? O que ia ser de mim, sem ela?

Quando à noite regressei a casa com alguns amigos, para tentar dormir, a mesa do pequeno-almoço continuava posta. Os croissants e os scones estavam frio e duros e o chá estava de tal maneira frio, que tinha deixado no bule uma mancha que ia ser difícil de sair. Como se isso importasse! Mas a verdade é que, enquanto ia pensando naquelas trivialidades, não pensava nela.

Passou uma semana. É domingo. Hoje, seria ela a fazer o pequeno-almoço. Levantei-me cedo. Deambulei pela sala. Olhei a mesa da cozinha. Vazia. Abri, ao acaso, a gaveta da cozinha que era só dela. Estava desarrumada, mas era uma desarrumação onde ela dizia que encontrava tudo. Havia receitas de bolos, isqueiros, guardanapos coloridos e bilhetes que, por vezes, ela me deixava ou eu a ela. Não fazia ideia de que ela guardava todos aqueles bilhetes. Estavam presos com uma mola-da-roupa azul. Sentei-me e comecei a lê-los. Alguns tinham já alguns anos. Ri. Finalmente, ri com vontade, ao fim de uma semana e não me pareceu pecado. Eram bilhetes engraçados, zangados, amorosos... Houve um que chamou a minha atenção. Estava escrito num guardanapo de papel. Tinha sido escrito num domingo de Dezembro. Há tantos anos! Dizia apenas, escrito na sua letra redonda e certinha: “Este foi o melhor pequeno-almoço da minha vida. Vamos fazer disto um hábito?”

Voltei a pôr tudo na gaveta e comecei a arrumar a mesa do pequeno-almoço. Duas xícaras sobre uma toalha bordada, uma jarra com rosas amarelas, as suas preferidas, um bule de porcelana, que era da avó dela e que nem sequer combina com as xícaras, com chá preto a fumegar. Estaria tudo perfeito, se não fosse a sua ausência. Naquele momento, prometo a mim mesmo que os pequenos-almoços para dois vão continuar, até ao dia em que eu morrer. Chamem-me tonto…



publicado por Noticias do Ribatejo às 07:55
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Município de Santarém apo...

Férias de Natal AAAF – pa...

Livro de Luís Batista “Ca...

Sociedade Ponto Verde e D...

II Festival de Órgão de S...

NERSANT apresenta tendênc...

74º Aniversário do Concel...

Azambuja é o município co...

Mercados de Natal em Deze...

Câmara Municipal de Salva...

É pró menino e prá menina...

CÂMARA MUNICIPAL COM VAGA...

Município de Azambuja ina...

Município do Entroncament...

Premiados Concursos Nacio...

Município do Entroncament...

Continuam os convívios de...

Ribatejo apresenta-se com...

Junta de Freguesia de Alc...

Comemoração do Dia Mundia...

Liga de Amigos da Secção ...

Câmara de Azambuja aprovo...

Município de Azambuja com...

Avisan’19 recebe Exposiçõ...

Município da Chamusca pro...

MUNICÍPIO DO CARTAXO CELE...

Câmara Municipal de Salva...

“Dia do Refeitório Aberto...

“É pró menino e prá menin...

CA Juniores dá asas à ima...

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds