NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 29 de Julho de 2018
Pressentimento

ANAFONSECA

Por: Ana Fonseca da Luz

 

Pressentimento

 

 

 

 

- Queres vir comigo? 

- Mesmo sem saber onde vais, digo-te já que sim.

- Mas eu vou-te dizer onde vamos. Vamos até onde a nossa imaginação nos levar.  Quero acordar com o barulho da chuva e com o arco-íris a cortar o céu… - Agrada-te o cenário?

- Agrada, mas conta mais, gosto tanto de te acompanhar nestes teus passeios. Às vezes, assustas-me. Levas-me até muito longe e muito alto e, no entanto, não consigo resistir à adrenalina com que me presenteias, nos dias em que estás assim, cheia de liberdade, cheia de ti. Hoje pressinto que estás num desses dias em que tudo é possível. Estarei enganado? Baixas os olhos e não respondes, como se tivesses vergonha de hoje seres tu, realmente tu, com essa alma solta e desprendida das coisas materiais, das coisas banais que sempre te rodeiam e que tantas vezes te incomodam, precisamente por serem isso, banais! Tocas-me com esse olhar de manteiga que sempre te conheci e de que sempre gostei e respondes-me finalmente:

- Hoje vou levar-te para além de tudo o que conheces. Quero eternizar os abraços, as alegrias e até mesmo as doces tristezas que sempre nos acompanham. Quero-te despreocupado e leve, tão leve como o vento que sopra e que tu mal sentes. Quando sonho contigo, quer tenha os olhos fechados pelo sono ou abertos pelo simples prazer de te recordar, é assim que te vejo, livre e despreocupado. 

Ri-me com sinceridade, demos a mão e continuámos o nosso passeio à beira-mar, sempre a viajar sem nunca sair dali, como se seguíssemos pegadas que outros já tinham pisado, com se aquele fosse um caminho sem regresso. E foi. Esta foi a nossa última conversa. Este foi o nosso último passeio. Esta foi a nossa última viagem, até ao mais fundo das nossas almas. Só hoje, passado um ano da tua morte, consegui voltar aqui. Sento-me na rocha em que nos sentámos nessa tarde e revivo cada palavra tua e apercebo-me agora do que me querias dizer e eu são soube compreender, dos sinais que me deste da tua fragilidade e que eu encarei como mais uma maluquice tua. Da forma como me apertavas a mão, enquanto conversávamos e me dizias que aquela seria a nossa última viagem eu ri e te disse: 

- Só se um de nós morrer entretanto é que vamos deixar de viajar sem sair do lugar… 

Então, olhaste-me nos olhos e disseste-me, a rir, alto: 

- Mas não, nunca vamos morrer, sabes bem isso. Sabes o que combinámos há muitos anos: um não morre se o outro não morrer também.

Mas tu morreste. E eu estou aqui, mas realmente ainda não percebi se estou realmente vivo. Ou antes, a tua presença é tão constante na minha vida, que eu acho que tinhas razão, se um não morreu, o outro também não… 

Hoje farias 22 anos. Hoje fazes 22 anos, porque me recuso a deixar-te partir… Hoje faço 22 anos… Durante este ano de luto e de desespero pela minha imbecilidade, por não te ter compreendido, quando me dizias que te sentias perdida e sozinha, me martirizei, me castiguei e, no entanto, às vezes, nos meus piores momentos de tristeza, parece-me ouvir-te rir no meu ouvido como se troçasses de mim.

- Isso não se faz, digo-te baixinho, para que me possas ouvir. Era o que a nossa mãe dizia, quando nos levava à igreja:

- Falem baixinho, para que o Jesus vos oiça… 

Por que é que não me disseste baixinho, naquela tarde, para que eu te ouvisse, que o teu caminho te estava a ser insuportável? Por que é que sempre

foste tão sensível? Por que é que o mundo, para ti, sempre te pareceu pequeno? Por que é que não me disseste, baixinho, bem baixinho, que o peso era demais para ti? 

Sempre soubeste que podias contar comigo… mesmo quando estavas dias fechada no teu quarto, porque não conseguias ver ninguém, quando choravas todo o dia perante o desespero do pai e a angustia da mãe, eu estava lá. Sempre! E eu punha-te aqueles papeis por debaixo da porta, onde escrevia apenas “estou aqui”, porque, nesses dias, nem a mim me querias ver, e tu me devolvias de igual maneira e onde tinhas escrito “Eu sei que estás aí”.

Não te vou perdoar! Não me vou perdoar! Não consigo! Sentado na rocha onde nos sentámos, faz hoje um ano, para a nossa última viagem, recordo a nossa infância, a nossa adolescência e apercebo-me do quanto sempre foste especial, diferente, sonhadora e infeliz, apesar dos teus sorrisos. Choro, finalmente e oiço, baixinho, dizeres-me ao ouvido

- Queres vir comigo?

 

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 10:26
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

Município de Azambuja ass...

Ano letivo 2019-2020 arra...

Tomar – Prisão preventiva...

Arroz é rei em novo event...

PSD visita operação de li...

Fórum Cultural em Arruda ...

CÂMARA MUNICIPAL DO CARTA...

Santarém retoma liderança...

União de Tertúlias de Aza...

Mercado de Outono e ofici...

ATIVIDADES PRIMEIRO FIM D...

ELA É UMA MÚSICA OCUPA VA...

Espaço Cidadão em Aveiras...

Politécnico de Santarém a...

Centro Cultural recebe se...

X Maratona BTT NO TRILHO...

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA A...

CÂMARA ENTREGOU FICHAS ES...

"Love Conquers All", no J...

Rock na Aldeia 2019

Município de Azambuja ass...

Parabéns Cátia Mateus!......

O Movimento Juntos pelo R...

Joana Bagulho toca Carlos...

NERSANT Business soma já ...

TEMAS DE SAÚDE: Sequelas ...

Não nascemos para sermos ...

‘Os homens e as mulheres ...

Sessões de Yoga para cria...

CÂMARA MUNICIPAL RECEBE C...

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds