NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Sexta-feira, 28 de Abril de 2017
“Santarém Cidade em Crescente” em exposição na Casa do Brasil durante 9 meses

 

 

A Exposição “Santarém Cidade em Crescente” é inaugurada no dia 7 de maio, às 17h00, na Casa do Brasil, em Santarém.

Esta Mostra, que vai estar patente durante 9 meses, distribui-se por 10 espaços de Exposição, e apresenta 70 Peças, pertencentes ao espólio do Museu Municipal de Santarém, do Museu Etnográfico da Ribeira de Santarém, do Museu Municipal Carlos Reis de Torres Novas, do Museu Nacional de Arte Antiga e do Museu Geológico de Lisboa.

Apresenta-se como uma proposta de leitura do espírito do lugar (Genius loci), de modo a consubstanciar-se numa logomarca agregadora das estratégias culturais, sociais e económicas, do município.

Esta leitura parte de uma matriz identitária de base geográfica - mediterrâneo oriental – ‘crescente fértil, sublinhando a dimensão da memória da sua paisagem cultural (fertilidade - ‘paisagem da abundância’).

A exposição aborda temáticas diversificadas, muito ligadas com o fundo cultural da região, com destaque para a importância da agricultura: vinho, azeite e cereais, do touro e do cavalo, do rio e da lezíria. Explora, paralelamente, as vertentes simbólico-religiosas, particularmente as ligadas à fertilidade - ‘paisagem da abundância’, e interpreta a importância local, o simbolismo e a religiosidade das águas, presentes no mito de Santa Iria."

“Santarém Cidade em Crescente” combina objetos museológicos: Harpócrates, capitel árabe, pithoi fenícios, lucernas islâmicas, ânforas, talhas, arreios e selas, estelas medievais, etc, com imagens iconográficas e fotográficas e conta com três instalações de arte contemporânea de Carlos Amado, sobre O Sagrado e o Azeite, Fernanda Narciso, sobre o Rio e de João Maria, sobre Mãe Terra. Origem da Terra – Cromlek.

Esta iniciativa aposta fortemente na componente sensorial, experiencial e multimédia, em que se destacam três Projetos Multimédia: dois do Realizador Jorge Sá: “Tons da Terra” – Génese e simbolismos ancestrais da Humanidade e “Não se Es gota”- sobre a Água e o terceiro, “Aqui se ara”, de Diana Amado, que vão estar patentes e podem ser vistos, durante os 9 meses da exposição.

Carlos Amado e Luís Mata, técnicos da Câmara de Santarém, foram os autores deste projeto, a partir da investigação sobre a história de Santarém, realizada por Luís Mata. A coordenação desta exposição está a cargo de Carlos Amado.

À semelhança da exposição anterior – “Modos, Medos e Mitos”, esta exposição tem como objetivos gerais: assinalar o papel histórico das civilizações do mediterrâneo oriental (fenícios, sírios, árabes, judeus) na paisagem e na estrutura urbanística da Cidade; realçar a característica urbana da topografia de Santarém: Cidade de planalto (Móron = monte); sublinhar a importância da agricultura na economia regional, nomeadamente do vinho, do azeite, dos cereais e dos legumes, muitos deles introduzidos pelos povos do levante; acentuar o papel dos conhecimentos tecnológicos e da ação humana dos muçulmanos na criação de uma paisagem aluvionar (a lezíria de Santarém como o resultado de uma transferência tecnológica de uma agricultura característica das civilizações do crescente fértil e sua adaptação às características naturais locais: campos de lezíria antigos e modernos; consolidação dos mouchões, colmatagem contínua das terras sujeitas ao regime de cheias, fixação nos terraços fluviais embutidos desde o Paleolítico Inferior); reproduzir a dimensão cultural e mental do Tejo, com paralelos no mar Mediterrâneo, no Médio Oriente e no Norte de África; assinalar o convívio entre o Homem e o elemento água, num equilíbrio representativo de uma paisagem cultural (tal como Veneza ou o Nilo); a religiosidade e o simbolismo das águas: Santa Iria, fertilidade, etc (tal como o Nilo, o Tejo tem um regime hídrico de cheias regulares – ‘crescidas’ – que vão garantindo a reposição da fertilidade do solo e o consequente sucesso da instalação das populações, bem como destacar a importância cultural e simbólica do cavalo e do touro (cornos=crescente).

Durante a exposição vai decorrer um Ciclo de Conferências “Crescer ao Shabbat”. A primeira Conferência tem lugar dia 13 de maio, às 16h00, “O oriente (tão) próximo”, por Luís Mata, no Auditório da Casa do Brasil.

“A comunicação pretende averiguar a influência da significação simbólica das civilizações do Crescente Fértil na mundividência regional. Uma influência bastante precoce e perfeitamente atestada nos vestígios da cultura material baixo-tagana, fortemente orientalizada, quer em termos formais e decorativos, quer funcionais, mas sem aparente paralelo nos domínios da cultura imaterial. Serão apresentados os diversos contributos que, há mais de um século, os diferentes cientistas sociais têm dado à bibliografia local, bem como os mais recentes progressos feitos nos campos da arqueologia sidérica e da filologia oriental”.

A segunda conferência, a cargo de Ana Arruda, está agendada para dia 3 de junho, “A presença fenícia no Vale do Tejo”.

A 17 de junho, tem lugar a terceira conferência, sobre “Como foram andando o tempo e os mundos?”, por Nuno Peixinho.

No dia 8 de julho, Moisés Espírito Santo apresenta “O Touro: sagrado, simbólico e lúdico”.

Dia 23 de setembro, Aurélio Lopes apresenta "Senhora das águas, do tempo e dos trabalhos: As multivalentes simbologias lunares nas sociedades camponesas do Vale do Tejo".

Dia 28 de outubro, Cláudio Torres apresenta “Islamização do Vale do Tejo”.

Dia 25 de novembro, a Associação de Agricultores do Ribatejo apresenta “O Ribatejo de um ponto de vista agrícola”.

No dia 16 de dezembro, Mário Tropa apresenta “A Arte como intervenção social”.

A par destas iniciativas, a Exposição conta com apontamentos musicais ao ar livre, visitas guiadas para o público em geral que se iniciam desde já, e duas oficinas pedagógicas para as crianças e jovens: “Ciência à vista” e “Viagens na minha terra”, que têm início em setembro.

A Oficina Pedagógica “Ciência à vista” vai explorar, de forma lúdica, certos fenómenos científicos diretamente ligados à realidade local: os ciclos dos astros; relação dos ciclos astrais com o fenómeno das marés e das sementeiras; o magnetismo; propriedades da luz, etc. Será abordada a relação da observação empírica (pré-científica) destes fenómenos com certas práticas mágico-religiosas, culturais e socioeconómicas dos povos

Na Oficina Pedagógica “Viagens na minha terra”, através de percurso acompanhado por um monitor são abordadas diferentes temáticas exploradas, com particular atenção aos aspetos sensoriais e experienciais. Os participantes são estimulados a refletir sobre as persistências atuais das diversas características identitárias do lugar.

Para os mais novos, a organização desenvolveu o Jogo Didático “Por este rio abaixo”, em que, através de um ‘jogo da glória’, em grande formato, os participantes recriam a lenda de Santa Iria, através da construção, em puzzle, de um rio que vai percorrer o piso térreo. Ao longo do percurso são explicadas as tradicionais relações de Iria com Santarém, bem como o simbolismo presente na estória da Santa.

Esta Exposição conta com o apoio da Agência Portuguesa do Ambiente – APA – Ministério do Ambiente, do Jornal O Ribatejo, do Museu Etnográfico da Ribeira de Santarém, do Museu Geológico de Lisboa, do Museu Municipal Carlos Reis de Torres Novas, do Museu Nacional de Arte Antiga, do Rancho Folclórico da Ribeira de Santarém, da SL Seguros, da Torre do Tombo e da Viver Santarém, Desporto e Lazer, EM, SA.

Grande parte das fotos desta exposição são da autoria de José Freitas, tais como: painel de abertura, fotos da Lezírias, das Portas do Sol e das cisternas.

 

Exposição “Santarém Cidade em Crescente” em números:

 

ü  Patente durante 9 meses

ü  10 Espaços de Exposição – Casa do Brasil

ü  70 Objetos expostos

ü  50 Objetos do Museu Municipal de Santarém

ü  12 Objetos do Museu Etnográfico da Ribeira de Santarém

ü  3 Objetos do Museu Municipal Carlos Reis de Torres Novas

ü  1 Objeto do Museu Nacional de Arte Antiga

ü  1 Objeto do Museu Geológico de Lisboa

 

ü  3 Instalações Artísticas:~

Carlos Amado: O Sagrado e o Azeite

Fernanda Narciso: Sobre o Rio

João Maria: Mãe Terra. Origem da Terra - Cromlek

 

ü  3 Projetos Multimédia:

“Tons da Terra” – Génese e simbolismos ancestrais da Humanidade – Realizador Jorge Sá

“Não se Es gota”- sobre a Água - – Realizador Jorge Sá

“Aqui se ara” – Projeto de Diana Amado

 

ü  1 Ano de preparação. Desde agosto de 2016.

 

Apoios:

ü  Agência Portuguesa do Ambiente – APA – Ministério do Ambiente

ü  Jornal O Ribatejo

ü  José Freitas

ü  Museu Etnográfico da Ribeira de Santarém

ü  Museu Geológico de Lisboa

ü  Museu Municipal Carlos Reis de Torres Novas

ü  Museu Nacional de Arte Antiga

ü  Rancho Folclórico da Ribeira de Santarém

ü  SL Seguros

ü  Torre do Tombo

ü  Viver Santarém , Desporto e Lazer, EM, SA



publicado por Noticias do Ribatejo às 21:36
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

Inscrições para a Univers...

Município do Entroncament...

JORNADAS DE CULTURA ATÉ 2...

Festival de música Cartax...

Tertúlia Festa Brava orga...

“Quando ela… é ele!” teat...

Professores dos 3 Agrupam...

CARTAXO VOLTA A APRESENTA...

Jovens atores da Chamusca...

Tomar dá o corpo ao manif...

Programa de Educação Pare...

“Chamusca das Três Graças...

ERROS GROSSEIROS NA ELABO...

Festival de música Cartax...

Há apoios do Portugal 202...

‘Santarém em Cena’ reúne ...

Teatro Sá da Bandeira ini...

Ceyceyra Medieval a 21 e ...

TEMAS DE SAÚDE: Doente on...

"O medo tem alguma utilid...

Município de Azambuja ass...

Ano letivo 2019-2020 arra...

Tomar – Prisão preventiva...

Arroz é rei em novo event...

PSD visita operação de li...

Fórum Cultural em Arruda ...

CÂMARA MUNICIPAL DO CARTA...

Santarém retoma liderança...

União de Tertúlias de Aza...

Mercado de Outono e ofici...

arquivos

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds