NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -
Domingo, 28 de Janeiro de 2018
Sem te dizer adeus

ANAFONSECA

Por:  Ana Fonseca da Luz

 

Sem te dizer adeus

 

            Parecia mesmo que estava a sonhar! Sabem como é aquela sensação em que a realidade nos parece distorcida e sabemos que tudo aquilo que, naquele momento, estamos a viver, dentro em pouco desaparece e que a única coisa real é que estamos deitados na nossa cama, com a cabeça deitada na almofada? No entanto, tinha consciência de que aquilo que eu estava a viver não era um sonho. Num sonho, as cores, quando existem, são veladas e os cheiros são inodoros. Só sabemos que cheiram, porque os conhecemos na nossa realidade. A verdade é que os sonhos não têm cheiro. Nem cor. São apenas sonhos. Quando são bons, representam o realizar de desejos. Quando são maus, representam os nossos medos. Decididamente, isto não era um sonho!

            Deixem-me fazer um esforço, para ver se me lembro como cheguei aqui. Está tudo tão confuso! Lembro-me que fazia frio. Lembro-me que estava particularmente triste, por ter sabido da separação de um casal amigo. Lembro-me de estar a ver televisão, com o gato ao colo, e lembro-me de o telefone tocar. Lembro-me que me esqueci do telefone fora do gancho, lembro-me que  me esqueci de fechar a porta e lembro-me que me esqueci de te dizer adeus.

            Agora, estou aqui nesta cama branca, que não é a minha. De que me lembro eu mais? Se não estou a sonhar, tive de vir até aqui de alguma maneira. Ou alguém me trouxe. E por que me parece ouvir chorar? E que máquinas são estas que me rodeiam?

            Mas vou recuar no tempo. Afinal, quem é que me telefonou? Quem me fez sair de casa para o frio, sem te dizer adeus? Estavas no teu quarto. Estudavas para a prova de Francês. Francês nunca foi o teu forte, sempre foi o meu. Foi o teu pai quem me telefonou.

            - Vem depressa, fui assaltado à porta de casa! Deram-me com qualquer coisa na cabeça! Estou a sangrar!

            Foi por isso que não pus o telefone no gancho, que não fechei a porta e não te disse adeus. Desci as escadas a correr, cheguei ao portão e vi o meu marido apenas por uma fracção de segundos. Senti uma forte pressão no peito. Não, não foi uma pressão. Foi como se uma espada fria e comprida me trespassasse o peito de um lado ao outro. E depois? Depois, caí no chão e disse: “Marta!” Arrastei o teu nome, como se não quisesse parar de o dizer. Como se soubesse que ia ser a última vez que o ia dizer. E o teu nome ecoa ainda na minha cabeça: “Maaaartaaaa...”

            Não deve ter sido uma espada. Nos tempos que correm deve ter sido uma bala! Quem me socorreu? Os vizinhos? Talvez...

            Já descobri. Estou no hospital. Mas onde raio tenho eu estado nestes últimos tempos? Tempos em que o tempo não tinha qualquer importância!... Estive no mar, estive no céu, estive até no inferno. Não tive saudades de nada nem de ninguém. Só lamentei não te ter dito adeus. Agora já percebo esta coisa avassaladora que é o tempo e a falta dele, para fazermos as coisas. Onde eu estive, não havia tempo. O tempo, somos nós que o fazemos. As coisas não têm importância nenhuma. Já os sítios e a vida têm um valor infinito. A vida... Qual vida? A da terra ou a dos sonhos?

            Engraçado! Estou de olhos fechados e, no entanto, vejo através das pálpebras! Meu Deus, como é bonita a minha filha! Como lhe fica bem o azul! Como tenho pena de não lhe ter dito adeus! Com aquele feitio que tem, nunca me vai perdoar. Combinámos, era ela pequenina, que, durante toda a nossa vida, nunca iríamos a lado nenhum, sem dizermos “Até já”.

            Desta vez, não tive tempo. Se ela soubesse os sítios onde estive, durante este tempo sem tempo! Se ela soubesse como é realmente voar! Muitas vezes sonhei que voava. Sempre que voava, nos meus sonhos, tinha de lhe contar. Era uma sensação tão indescritível, que só ela, porque era um bocadinho de mim, conseguia compreender.

Pois bem, Marta! Muito voei eu, nestes dias! Desenvolvi essa capacidade. Agora, voo sempre que quero. É só fechar os olhos, o coração dispara-me no peito, ganha asas e parto para onde quero. É por isso, Marta, que esta noite vou fechar os meus olhos, vou voar até ao teu quarto e dizer-te: - Até sempre!

E tu vais responder: - Até sempre, mãe, até sempre!



publicado por Noticias do Ribatejo às 08:00
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisar
 
Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


23
24
25
26
27
28
29


posts recentes

Iniciativas no âmbito do ...

RUAS DO CARTAXO INVADIDAS...

Desfiles de Carnaval no E...

O Pátio das Cantigas – No...

Aniversário do Crédito Ag...

Município de Azambuja for...

EXECUTIVO MUNICIPAL EM VI...

Central Elétrica de Tomar...

Seminário sobre as novida...

Assinatura do Contrato Pa...

Festividades de Carnaval ...

SECRETARIADO DO PS CARTAX...

I Duatlo do Entroncamento

O MUNICIPIO DE AZAMBUJA C...

OFICINA DE TÉCNICAS RADIC...

24ª Edição do Mês da Engu...

Conversas com Café… “Adel...

Page 1 GAL DA REGIÃO CENT...

Executivo Municipal de Az...

Alunos e Município unidos...

SUSPENSÃO DO ABASTECIMENT...

CARTAXO: DESFILE DE CARNA...

ÓRGÃOS DO PS/CARTAXO TOMA...

Última semana – XIII Conc...

Suspensão no abasteciment...

DESFILE DE CARNAVAL NO CA...

Programa das Comemorações...

Azambuja Terras do Torric...

Festival do Cogumelo da P...

Benavente – Militar resga...

arquivos

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds