NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL -

Terça-feira, 28 de Setembro de 2010
ALMEIRIM - Municípios Inovadores - Inovação ao serviço da cidadania: uma conferência em prol dos cidadãos

Inovação e desenvolvimento em prol dos cidadãos foi o tema central da conferência “Municípios Inovadores - Inovação ao serviço da cidadania”, que decorreu, dia 24 de Setembro, organizada pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR-LVT), no âmbito do Portugal Tecnológico 2010.
“Esta iniciativa foi interessante, pois integrou no Portugal Tecnológico os projectos desenvolvidos pelas autarquias da Região de Lisboa e Vale do Tejo. Vimos diversos serviços administrativos, de georeferenciação, de educação, etc., e assistimos a diferentes formas de prestação de serviços de qualidade aos cidadãos, que é um dos nossos objectivos.” concluiu a Presidente da CCDR-LVT, Teresa Almeida.
Com cerca de uma centena de espectadores a preencher o auditório 1 do Pavilhão 3 da FIL, Parque das Nações, a sessão foi presidida pela Secretária de Estado da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, seguindo-se a apresentação de projectos de inovação e tecnologia, pelo municípios de Abrantes, Torres Novas, Seixal, Loures, Torres Vedras e Almeirim, bem como pelas Comunidades Intermunicipais do Oeste e Lezíria.
De acordo com Teresa Almeida, ficou claro que a modernização administrativa e a inovação tecnológica são fundamentais para “melhorar os serviços e torná-los mais transparentes.”
Após a conferência, a Presidente da CCDR-LVT recebeu o Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e Pescas, António Manuel Serrano, numa visita que fez ao stand da CCDR-LVT. Um espaço com cerca de 400 m2 e com a assinatura do artista plástico Leonel Moura.

António Centeio

(Editor)



publicado por Noticias do Ribatejo às 20:05
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 13 de Janeiro de 2010
CORUCHE-Instituto de Meteorologia descobre rajadas de 220 km por hora no Oeste
 
)
Primeiro pensou-se que passou um tornado na região Oeste, mas afinal parece que foi um "furacãozinho"

Os resultados preliminares da avaliação técnica do Instituto de Meteorologia (IM) ao temporal da madrugada de 23 de Dezembro que ocorreu na Zona Oeste, e a divulgar hoje, contêm uma surpresa: a partir das observações de um radar instalado em Coruche, o instituto diz ter detectado agora uma pequena faixa onde o vento junto ao solo foi de 220 quilómetros por hora (km/h).

Este valor, bastante superior ao máximo que a entidade dizia até agora ter verificado naquela madrugada (142 km/h na estação meteorológica de Dois Portos, em Torres Vedras) e ao detectado nos parques eólicos da região, sustenta as alegações da EDP nas quais se tem apoiado para justificar as dificuldades de resposta ao incidente nas horas imediatamente seguintes e vem condicionar as possibilidades dos habitantes e agricultores da região accionarem queixas com sucesso. Trata-se de um valor que excede, na zona atingida, os níveis regulamentados para os quais os serviços públicos de fornecimento de energia eléctrica, gás, água e telefones estão obrigados a responder.

Ao que o PÚBLICO apurou, a Deco está a receber desde o final do ano, por carta e telefone, "bastantes pedidos" de esclarecimento e informação sobre direitos de reclamação por parte dos consumidores. A associação de defesa dos consumidores diz que não tem nenhum caso já em fase de conflito, e que se trata "de pessoas que querem saber os seus direitos". Sem possibilidade de contabilização do número de casos que já lhe chegaram às mãos, devido a uma avaria do sistema informático, a Deco recorda que a situação em causa se refere à qualidade do serviço prestado, cuja regulamentação varia consoante o tipo de serviço.

Fenómeno complexo e raro

Com o recurso às observações efectuadas por um radar doppler instalado em Coruche, no sítio da Cruz de Leão, o IM esclarece ter detectado uma zona de ventos máximos instantâneos, superiores aos registados nas estações meteorológicas de Cabo Carvoeiro (140 km/h) e em Dois Portos, "numa faixa entre as mesmas, relativamente estreita, com uma largura de 30 quilómetros, orientada a sudoeste-nordeste, com uma extensão de cerca de 50 quilómetros, no período entre as 4h00 e as 5h00 horas locais". A partir das observações do radar, os técnicos do IM obtiveram valores estimados para o vento máximo instantâneo "junto ao solo em alguns locais da região influenciada pelo fenómeno, que excedem 220 km/h".

Passados 21 dias sobre o temporal que devastou a Zona Oeste, a discussão está longe de fechada. O ponto fundamental continua a ser a medição da velocidade do vento, a altura em relação ao solo em que foi efectuada e de que modo. O Instituto de Meteorologia promete divulgar agora a primeira análise técnica detalhada do que aconteceu - o que sai hoje é o resultado preliminar -, o Governo aguarda pelo relatório da Direcção-Geral de Energia, que espera por sua vez por dados da EDP e até cientistas da Faculdade de Ciências de Lisboa e da Faculdade de Engenharia do Porto e do INEGI colocam a possibilidade de estudarem, em conjunto, a força que destelhou casas, derrubou árvores e postes de tensão.

Para o IM, o que aconteceu foi uma "ciclogénese explosiva". A diferença entre o temporal do Oeste e as condições de mau tempo ditas normais é que a depressão formada na região na véspera de Natal tem direito à categoria de "furacãozinho". As regras dizem que a partir dos 118 km/h já são ventos normalmente associados a um furacão.

Perante os novos dados, investigadores como Delgado Domingos, do Instituto Superior Técnico (na foto, em baixo), e Álvaro Rodrigues, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, manifestam-se surpreendidos e admitem ter-se verificado um fenómeno meteorológico complexo e raro, por alguns segundos ou minutos e num ponto muito localizado da região, que o Instituto de Meteorologia situa numa faixa entre o Cabo Carvoeiro e Dois Portos.

O IM diz não saber quanto tempo durou a rajada de 220 km/h - que foi o pico do vento máximo instantâneo - estimada a 10 metros acima do solo. O que mais surpreende os especialistas é a intensidade que o vento atingiu a esta altura do chão e não ter seguido aparentemente as regras. Ou seja, em condições normais, o vento aumenta de velocidade à medida que a altura em relação ao solo também sobe, isto numa proporção logarítmica.

O que parece ter ocorrido foi o equivalente a uma "corrente de jacto à superfície", em que o vento junto ao solo é excepcionalmente mais veloz do que na dezena de metros imediatamente acima.

Torres não se desligaram

Os postes de média tensão da EDP que caíram em Torres Vedras tinham 20 metros de altura, as torres eólicas da região medem, em média, 80 metros. O registo de vento mais elevado numa torre eólica (medido no seu topo) da região, confirmado pela REN, foi 195 km/h na serra Todo o Mundo, com uma altitude de 250 metros, no Cadaval. A EDP Distribuição assume ser este o valor máximo de que tinha também conhecimento, a partir dos registos da REN.

As torres eólicas desligam-se automaticamente quando o vento sopra a cerca de 100 km/h e colocam as suas pás em bandeira a cortar o vento. Segundo o registo da REN, nenhuma das torres se desligou.

Os postes de média tensão, como os que caíram em Torres Vedras, estão preparados para ventos até 126 km/h, chegando aos 150 km/h para os mais altos (superiores a 50 metros de altura), segundo o regulamento de segurança citado ao PÚBLICO pela Direcção-Geral de Energia.

http://economia.publico.clix.pt/

 



publicado por Noticias do Ribatejo às 11:33
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 25 de Setembro de 2009
AZAMBUJA-Oeste: Municípios com dívidas de 8,5 milhões de euros relativas à deposição de lixo em aterro

 
Os catorze municípios accionistas da Resioeste, concessionária do aterro sanitário do Oeste, possuem uma dívida de 8,5 milhões de euros pela deposição do lixo em aterro, confirmou à Lusa o administrador da empresa.

O presidente do conselho de administração da Resioeste, Nuno Pinto, disse que a dívida é de 8,5 milhões de euros, apesar de admitir que já foi mais avultada.

Em Julho de 2009, as contas da empresa, a que a Agência Lusa teve acesso, apontavam para 9,4 milhões de euros por pagar por parte dos municípios.

Sendo a que mais resíduos envia para aterro, a câmara de Torres Vedras era o principal devedor com 2,9 milhões de euros em atraso, seguindo-se Nazaré (1,2 ME), Alcobaça (1,4 ME), Caldas da Rainha (1,6 ME) e Azambuja (755 mil euros).

A dívida diz respeito a facturas em atraso pela deposição de lixo em aterro pelos vários municípios.

As dívidas avolumaram-se desde que há vários anos a Resioeste passou a enviar resíduos para o aterro da Amarsul, em Palmela, aumentando os custos em 1,2 milhões de euros e consequentemente a tarifa cobrada aos municípios.

Tratou-se da solução para dar resposta a cerca de 40 mil toneladas de resíduos que o aterro deixou de poder receber, por estar licenciado para apenas 140 mil toneladas.

A maioria dos municípios aguarda que se concretize a fusão entre a Resioeste e a Valorsul para virem a pagar uma tarifa de 20,85 euros por cada tonelada de lixo depositada em aterro, em vez dos actuais 38,49 euros.

Até 2025, estima-se que as câmaras venham a poupar cerca de cem milhões de euros.

Apesar de a Resioeste vir a ser extinta, o administrador da empresa explicou que a dívida dos municípios transitará para a Valorsul.

Nuno Pinto revelou que, antes de concretizado o processo de fusão, foi acordado um plano de pagamento com as câmaras, algumas das quais recorreram ao programa “Pagar a Tempo e Horas” para liquidar as dívidas com a empresa.

A Resioeste é responsável pelos resíduos de 14 municípios -Alcobaça, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Azambuja, Bombarral, Cadaval, Caldas da Rainha, Lourinhã, Nazaré, Óbidos, Peniche, Rio Maior, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras-, que vão juntar-se à Amadora, Lisboa, Loures, Odivelas e Vila Franca de Xira, após concretizado o processo de fusão com a Valorsul.

A Resioeste é constituída pela Empresa Geral de Fomento (51 por cento) e pelos 14 concelhos (49 por cento).

FYC

Lusa



publicado por Noticias do Ribatejo às 10:37
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

15
17

24

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ALMEIRIM - Municípios Ino...

CORUCHE-Instituto de Mete...

AZAMBUJA-Oeste: Município...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

subscrever feeds